Negócios

Esgrimista olímpica norte-americana inspira primeira Barbie vestindo hijab

REUTERS/Andrew Kelly

Símbolo da cultura islâmica está se tornando cada vez mais popular e já ganhou até emoji (REUTERS/Andrew Kelly)

A fabricante de brinquedos Barbie revelou o lançamento de sua primeira boneca vestindo um hijab para homenagear uma esgrimista norte-americana, em um momento em que o tradicional véu islâmico figura em passarelas, capas de revista e até em emojis.

LEIA MAIS: 27 mulheres mais poderosas do mundo em 2017

Ibtihaj Muhammad entrou para a história no ano passado no Rio de Janeiro como a primeira atleta olímpica norte-americana a representar o país usando um hijab, após ter ganho a medalha de ouro no campeonato mundial de esgrima na Rússia em 2014. “Tenho orgulho em saber que pequenas meninas no mundo todo agora podem brincar com uma Barbie que escolheu usar um hijab. Isso é um sonho de infância realizado”, escreveu a atleta olímpica no Twitter, na noite de segunda-feira (13).

O hijab – um dos símbolos mais visíveis da cultura islâmica – está se tornando cada vez mais popular entre negócios ocidentais, desde a presença de modelos usando o adereço em revistas de moda até o recentemente lançado pela Apple “emoji” com hijab.

A Barbie vestindo um hijab, produzida pela Mattel, faz parte da linha “Shero” de bonecas que reconhecem mulheres “que quebram barreiras para inspirar a próxima geração de meninas”, e chegará às lojas em 2018, disse a companhia. “Ibtihaj é uma inspiração para inúmeras meninas que nunca se viram representadas”, disse a vice-presidente de marketing da Barbie, Sejal Shah Miller, em comunicado. “Ao homenagear a história dela, nós esperamos que essa boneca lhes lembre de que elas podem ser e fazer qualquer coisa.”

VEJA TAMBÉM: 25 mulheres mais poderosas da política em 2017

Muitas mulheres muçulmanas cobrem a cabeça em público com o hijab como um sinal de modéstia, embora alguns críticos vejam o véu como uma forma de opressão feminina.

Outras bonecas da coleção incluem a bailarina afro-americana Misty Copeland e Ava DuVernay, diretora do elogiado filme sobre o movimento de direitos civis dos EUA “Selma – Uma Luta Pela Igualdade”.

Comentários
Topo