Negócios

GE planeja cortar 4.500 empregos na Europa, diz fonte

iStock

Conglomerado está reduzindo negócios de geração de energia; países mais afetados serão Suíça, Alemanha e Reino Unido (iStock)

A General Electric planeja cortar 4.500 empregos na Europa, à medida que o conglomerado industrial norte-americano reduz o tamanho da problemática unidade de geração de energia, disse uma fonte de sindicato.

LEIA MAIS: Lucro da GE cai 59% e ações têm baixa à espera das metas de novo CEO

Os cortes, que estão ligados a empresas que a GE comprou da francesa Alstom em 2015, afetarão funcionários na Suíça, Alemanha e Reino Unido, disse o jornal francês “Les Echos”, que foi o primeiro a noticiar o assunto na terça-feira (5).

A fonte sindical confirmou à Reuters nesta quarta-feira (6) o total de demissões, dizendo que um anúncio oficial estava previsto para esta quinta-feira (7).

A GE não confirmou os números, mas afirmou que estava “revisando suas operações para garantir que o negócio esteja melhor posicionado para responder às nossas realidades de mercado e para o sucesso a longo prazo”.

A empresa apresentou uma proposta ao organismo europeu que representa os funcionários herdados da Alstom, acrescentou.

VEJA TAMBÉM: GE inicia testes de drones para inspeção de refinarias e fábricas

No mês passado, o presidente-executivo da General Electric, John Flannery, delineou planos para reduzir o tamanho do negócio de energia da GE, respondendo à queda acentuada na demanda por equipamentos de energia de combustível fóssil.

A GE não especificou quantos empregos seriam cortados ou e os locais em que os cortes seriam feitos.

As demissões relatadas fazem parte do plano da GE Power para integrar as operações de conexões energéticas e os negócios de energia da GE, buscando economizar US$ 1 bilhão em custos no próximo ano e outros US$ 500 milhões em 2019, disse o analista de William Blair, Nicholas Heymann.

A GE pretende reduzir os custos indiretos em US$ 1 bilhão neste ano e em US$ 2 bilhões em 2018, enquanto Flannery, que assumiu o cargo em agosto, se prepara para reorientar o conglomerado de 125 anos em direção aos setores de aviação, saúde e energia.

Comentários
Topo