MRV diz que vendas brutas em outubro e novembro atingiram 8.318 unidades

Divulgação
A construtora disse em comunicado que dezembro tem “potencial para ser o melhor mês de vendas do ano” (Divulgação)

A MRV Engenharia informou nesta terça-feira (12) que suas vendas brutas em outubro e novembro atingiram 8.318 unidades, o melhor desempenho de 2017, segundo a companhia.

LEIA MAIS: MRV vai ampliar investimento em terrenos

A construtora disse em comunicado que dezembro tem “potencial para ser o melhor mês de vendas do ano” e anunciou que voltará ao segmento de renda média devido a melhora na economia.

A nova linha de produtos da MRV para o segmento de média renda adotará o mesmo modelo de financiamento dos projetos de imóveis econômicos, com repasse do imóvel durante a obra, e se concentrará em capitais ou cidades com maior poder aquisitivo, disse o copresidente da maior construtora de imóveis econômicos do país, Rafael Menin. “Há uma lacuna nesse mercado e o modelo atual desse segmento está atrasado na nossa opinião, tem sido pouco inovador”, comentou durante encontro com analistas e investidores, em São Paulo. Entre as cidades consideradas para os empreendimentos de média renda, ele citou Ribeirão Preto, Campinas, São José dos Campos e Londrina.

CAIXA E FGTS

Menin afirmou que a adequação da Caixa Econômica Federal ao índice de Basileia preocupa no curto prazo, mas é um sinal de que o banco está se empenhando em melhorar sua gestão. “Estamos olhando lá na frente e queremos sustentabilidade”, disse o executivo, acrescentando que a instituição tem se voltado cada vez mais para crédito habitacional.

A nova linha de produtos da MRV para o segmento de média renda adotará o mesmo modelo de financiamento dos projetos de imóveis econômicos

O diretor-executivo de Finanças e Relações com Investidores da MRV, Leonardo Guimarães Côrrea, destacou que a companhia também vê consistência por parte do governo e de gestores do FGTS em manter o fundo dedicado à habitação. “Vemos outros setores tentando ter acesso a esses recursos, mas vemos consistência de governo e gestores em deixar o fundo focado na habitação”, afirmou.

A maior dispersão de lojas e lançamentos da MRV deve contribuir para o aumento da participação de mercado da empresa nos próximos meses, segundo os executivos. “Pavimentamos o caminho lá atrás para atingir eficiência operacional. Vejo a MRV crescendo 15% ou 20% com mais facilidade que os concorrentes”, disse o copresidente da companhia, Eduardo Fischer, sem informar um prazo.

VEJA TAMBÉM: Como dois bilionários brasileiros alcançaram bons resultados na crise

De acordo com ele, a empresa já começou a operar a 50 mil unidades anualizadas no segundo semestre e agora buscará o patamar de 60 mil unidades, bem acima do nível de 4 mil unidades de 2007, quando houve a abertura do capital. Fischer observou que muitas empresas que atuam com Minha Casa Minha Vida operam abaixo de 10 mil unidades. “Essa barreira não é fácil, requer investimento pesado em tecnologia”, comentou.

Rafael Menin acrescentou que a participação de mercado da construtora já deve crescer em breve em algumas regiões metropolitanas como, por exemplo, Salvador. “Não somos líderes em Salvador porque o landbank (estoque de terrenos) foi comprado nos últimos anos, mas esse market share já vai mudar completamente nos próximos seis meses”, afirmou.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).