Negócios

Blackstone negocia compra de fatia majoritária em unidade da Thomson Reuters

As fontes alertaram que um acordo ainda não foi finalizado e que a oferta ainda pode fracassar (iStock)

O fundo norte-americano de private equity Blackstone está em negociações avançadas para comprar uma participação de 55% na unidade Financial and Risk do grupo Thomson Reuters, uma operação que pode avaliar a divisão como valendo cerca de US$ 20 bilhões incluindo dívida, disseram três fontes com conhecimento do assunto.

LEIA MAIS: Compra da Piraquê pela M. Dias Branco faz nova família bilionária

O conselho de administração da Thomson Reuters deve se reunir ainda hoje (30) para discutir a oferta da Blackstone pela divisão F&R, segundo as fontes. A unidade fornece notícias, dados e informações analíticas a bancos e grupos de investimento ao redor do mundo. A unidade é responsável por mais da metade do faturamento anual da Thomson Reuters.

Sob os termos propostos, a Thomson Reuters terá fatia de 45% na F&R. A transação seria estruturada de uma forma em que a Thomson Reuters receberia mais de US$ 17 bilhões por uma unidade com valor incluindo dívidas de cerca de US$ 20 bilhões, disseram duas das fontes. Os US$ 17 bilhões incluem cerca de US$ 4 bilhões em dinheiro da Blackstone e US$ 13 bilhões financiados por nova dívida a ser tomada pela empresa a ser criada na operação, disseram as fontes.

A Thomson Reuters informou em comunicado no final de ontem (29) que estava em discussões avançadas com a Blackstone sobre uma potencial parceria envolvendo a divisão F&R. Um porta-voz da Blackstone não comentou o assunto.

As fontes alertaram que um acordo ainda não foi finalizado e que a oferta ainda pode fracassar.

As ações da Thomson Reuters em Nova York exibiam alta de 6,9% às 16h55 (horário de Brasília), avançando ao maior nível desde outubro. Os papéis da Blackstone mostravam baixa de 2%.

REUTERS NEWS

Se um acordo for bem-sucedido, a Thomson Reuters ficará ao final do negócio com as divisões Legal and Tax and Accounting bem como a área de mídia da Reuters News, que fornece notícias para terminais financeiros e dados Eikon da F&R, disseram as fontes.

Como parte da oferta, a Blackstone afirmou que a nova F&R a ser criada fará pagamentos anuais de US$ 325 milhões por 30 anos para a Reuters News, de forma a salvaguardar as perspectivas de crescimento da divisão, disseram duas das três fontes. O valor é equivalente a quase US$ 10 bilhões ao longo das três décadas.

A Thomson Reuters, que não informa quanto a F&R contribui para as receitas da Reuters News, não comentou o assunto.

Não ficou claro como a proposta de acordo será considerada pelos curadores da Thomson Reuters Founders Share, entidade que foi criada para fiscalizar a independência editorial quando a companhia listou ações em bolsa pela primeira vez na década de 1980.

Os curadores aprovaram a compra da Reuters pela Thomson uma década atrás. O presidente da Thomson Reuters Founders Share, Kim Williams, não se manifestou.

Se concluída, a oferta da Blackstone será o maior negócio da empresa de investimentos desde a crise financeira global e colocará a companhia em competição direta com a Bloomberg e com a Dow Jones na venda de serviços de dados, informações analíticas e ferramentas de negociação de valores para o mercado financeiro.

VEJA TAMBÉM: Cade aprova compra da Itambé pelo grupo francês Lactalis

CANADENSES

A família canadense Thomson controla mais de 63% das ações da Thomson Reuters por meio da Woodbridge. A fornecedora de informações financeiras e notícias tem valor de mercado de cerca de US$ 31 bilhões e suas ações são listadas em Nova York e Toronto.

Duas das fontes afirmaram que grande parte dos investidores minoritários da Thomson Reuters, que detêm os 37% restantes da companhia, são favoráveis ao negócio com a Blackstone.

Desde sua criação em 2008, a Thomson Reuters realizou mais de 200 aquisições, mas tem enfrentado dificuldades para integrar alguns ativos, especialmente na divisão F&R, que foi duramente atingida pela crise financeira internacional.

O crescimento da divisão desacelerou uma vez que bancos e corretoras encolheram suas equipes com a queda na atividade de corretagem de ativos financeiros. Mas, com a criação de regulamentações mais rígidas em torno da área de tomada de riscos, os negócios do grupo envolvendo governança e legislação têm avançado.

“O progresso que fizemos recuperando a divisão F&R e o futuro potencial dela estão refletidos no interesse da Blackstone”, disse o presidente-executivo da Thomson Reuters, Jim Smith, em mensagens aos funcionários. “Acreditamos que a F&R está bem posicionada na Thomson Reuters, mas poderia ser ainda mais forte com uma parceira como a Blackstone.”

Em 2016, a Thomson Reuters vendeu ativos que considerou como não essenciais, incluindo as divisões de propriedade intelectual e ciência, que foram repassadas para as empresas de investimentos Onex Corp e Baring Private Equity Asia por US$ 3,55 bilhões.

Comentários
Topo