Carrefour amplia investimentos em comércio eletrônico para enfrentar Amazon

iStock
O Carrefour pretende acelerar a expansão do modelo de lojas atacarejo com a abertura de 20 novas lojas do Atacadão por ano a partir de 2018 (iStock)

O novo presidente-executivo do Carrefour prometeu reduzir custos, aumentar o investimento em comércio eletrônico para enfrentar a concorrência da Amazon e abrir o capital do Carrefour China para investidores locais, como parte do plano de impulsionar o crescimento do segundo maior varejista do mundo.

LEIA MAIS: Carrefour Brasil tem alta de 5,3% nas vendas no 4º trimestre

No Brasil, o grupo varejista francês pretende acelerar a expansão do modelo de lojas atacarejo com a abertura de 20 novas lojas do Atacadão por ano a partir de 2018, incluindo a conversão de cinco hipermercados neste ano.

O presidente-executivo do Carrefour, Alexandre Bompard, no comando apenas desde julho e encarregado de impulsionar o fluxo de caixa, prometeu investir € 2,8 bilhões (US$ 3,4 bilhões) no comércio digital até 2022, seis vezes o montante atual, já que o Carrefour quer se tornar mais competitivo no varejo online.

Sob pressão para aumentar o lucro, Bompard também anunciou economia de custos de € 2 bilhões até 2020, incluindo um plano de demissão voluntária para 2.400 funcionários em sua sede francesa.

“Devemos renovar o nosso modelo ao simplificar nossa organização, abrindo-nos a parcerias, melhorando a nossa eficiência operacional e construindo um modelo eficiente de omnichannel (integração das lojas físicas e online)”, disse o executivo em comunicado.

O Carrefour passou anos tentando reduzir sua dependência de hipermercados, particularmente na França, um modelo que já impulsionou seu negócio de lojas físicas, mas está sob grande pressão do comércio eletrônico em meio ao aumento de gigantes online, como a Amazon.

VEJA TAMBÉM: Loja do futuro da Amazon será aberta na segunda-feira

Ex-executivo da Fnac, Bompard revelou o plano depois que o Carrefour disse na semana passada que seu lucro operacional em 2017 poderia cair 15% em meio a vendas fracas. Foi o segundo alerta de lucro em seis meses.

A rede varejista, maior do mundo depois do Walmart, com mais de 380 mil funcionários, disse que busca participação de mercado de 20% no comércio eletrônico de alimentos na França até 2022.

Na China, o Carrefour continua a registrar prejuízo em meio a uma concorrência feroz de atores locais e um mercado online dinâmico.

E MAIS: Walmart se aproxima da Amazon.com em guerra de preços online

Em resposta, a Bompard anunciou a possível aquisição de uma participação no Carrefour China pela gigante de internet Tencent e pelo varejista local Yonghui. O Carrefour continuaria sendo o maior acionista da operação chinesa.

O plano de cinco anos do Carrefour foi bem recebido por investidores e analistas, que queriam que o companhia avançasse no comércio eletrônico depois que adquiriu uma participação no varejista de moda online Showroomprive.com neste mês.

O Carrefour é o maior empregador do setor privado na França, onde seu desempenho fraco pesou sobre a rentabilidade do grupo e a performance de suas ações. A França responde por 44% do lucro operacional do grupo.

A empresa, que almeja conquistar mais um milhão de clientes de produtos alimentícios frescos até 2022, disse que vai acelerar o crescimento em supermercados e lojas de conveniência e que vai melhorar a eficiência de seus hipermercados, inclusive reduzindo áreas de vendas. Não há previsão de fechamento de nenhum hipermercado.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).