Negócios

Jeff Bezos se torna o homem mais rico da história, com US$ 113,5 bilhões

Getty Images

Se considerada a inflação, Bill Gates foi o mais rico em 1999, quando superou, por um breve período de tempo, os US$ 100 bilhões (algo que hoje valeria quase US$ 150 bilhões). (Getty Images)

A única pessoa com mais de US$ 100 bilhões do planeta acaba de se tornar ainda mais rica. Jeff Bezos, fundador e CEO da Amazon, viu sua fortuna crescer US$ 2,8 bilhões ontem (23), quando as ações da gigante do e-commerce subiram 2,5% – um dia depois do lançamento de sua primeira loja sem caixa, ação que gerou muito burburinho na indústria.

VEJA TAMBÉM: Jeff Bezos chega a US$ 104 bilhões, mas não é a pessoa mais rica da história

Bezos ostenta agora um patrimônio líquido de US$ 113,5 bilhões, segundo os cálculos de FORBES – seu recorde. Isso representa uma liderança significativa sobre o segundo e o terceiro homens mais ricos, Bill Gates e Warren Buffett, que têm fortunas de US$ 92,5 bilhões e US$ 92,3 bilhões, respectivamente.

A fortuna nominal de 12 dígitos de Bezos faz dele a pessoa mais rica desde que FORBES começou a monitorar os patrimônios em 1982. Se considerada a inflação, Bill Gates foi o mais rico em 1999, quando superou, por um breve período de tempo, os US$ 100 bilhões (algo que hoje valeria quase US$ 150 bilhões).

O fundador da Microsoft destinou à caridade grande parte de sua riqueza – suas doações ao longo da vida superam US$ 36 bilhões. A sua Bill and Melinda Gates Foundation, comandada por Gates e sua esposa, é a maior fundação filantrópica privada do mundo.

Bezos começou a doar partes de sua fortuna recentemente. Filho de um imigrante cubano, o bilionário pediu, em junho de 2017, aos seus 400 mil seguidores no Twitter, ideias filantrópicas e, pouco depois, doou US$ 33 milhões para financiar bolsas de estudo de ensino superior para imigrantes que cursam o ensino médio.

LEIA: Jeff Bezos doa US$ 33 milhões para financiar bolsas de estudo a imigrantes

A maior parte da riqueza de Bezos vem de sua participação de 16% na Amazon. Ele também é proprietário do jornal “Washington Post” e fundador da startup de foguetes Blue Origin. Os negócios têm sido bons para o “Post”, que reportou no início do mês um incremento de mais de 100% nas assinaturas digitais em 2017 e será lucrativo pelo segundo ano consecutivo.

Em 18 de janeiro, a Amazon anunciou uma lista de 20 finalistas para sua segunda sede, que recebeu 238 propostas de toda a América do Norte. Apenas quatro dias depois, a muito aguardada loja Amazon Go foi aberta em Seattle, cidade natal da empresa.

A loja, que seria aberta previamente apenas para funcionários, vende uma seleção limitada de alimentos, kits de refeição e comida preparada. Os clientes entram na loja com o app Amazon Go, escolhem os itens das prateleiras e saem com as compras, sem precisar esperar por um caixa. Câmeras monitoram as compras de cada cliente, e o valor correspondente é debitado de suas contas na Amazon.

Ainda não está claro para onde a Amazon pretende ir com a Amazon Go, apesar de a marca estar expandindo sua parte física, tanto com suas livrarias quanto com a aquisição da varejista de alimentos orgânicos Whole Foods.

E MAIS: 20 maiores bilionários do mundo em 2017

Bezos começou sua carreira em Wall Street, onde trabalhou para o famoso fundo hedge D.E. Shaw depois de se formar em ciência da computação e engenharia elétrica em Princeton. Depois de ser promovido algumas vezes no D.E. Shaw, Bezos se demitiu e dirigiu pelo país até Seattle em 1994. Então, fundou a Amazon na garagem de sua casa e começou a vender livros online, levando pessoalmente os pacotes ao correio em seu Chevrolet Blazer 1987.

A varejista online é, atualmente, uma das empresas mais valiosas do mundo, ativa em computação de nuvem, streaming online e dispositivos inteligentes, e tem capitalização de mercado de mais de US$ 650 bilhões.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).

Comentários
Topo