Jeff Bezos, Warren Buffett e Jamie Dimon se unem para entrar no segmento de saúde

As três gigantes dizem que a iniciativa será diferente, livre de lucros e capaz de mudar o aspecto de contratação dos serviços de saúde

A gigante do varejo online Amazon, a Berkshire Hathaway e o JPMorgan Chase & Co. anunciaram na última terça-feira (30) que formarão uma “companhia independente” para melhorar os cuidados com a saúde das centenas de milhares de seus funcionários nos EUA e, consequentemente, baixar custos.

LEIA MAIS: Jeff Bezos se torna o homem mais rico da história, com US$ 113,5 bilhões

Segundo as empresas, o foco inicial será em soluções tecnológicas que fornecerão aos trabalhadores e suas famílias um “serviço de saúde simples, de alta qualidade e transparente por um bom preço”. O anúncio não revelou muitos detalhes sobre o negócio, alegando que está apenas em estágio inicial. Os executivos estão, atualmente, identificando as muitas complexidades do sistema de saúde local.

As três gigantes dizem que a iniciativa será diferente, livre de lucros e capaz de mudar o aspecto de contratação dos serviços de saúde, tornando-se uma opção mais segura para seus trabalhadores. Hoje, os custos com os cuidados com os funcionários aumentam 5% ao ano nas grandes empresas.

Os rumores da entrada da Amazon na área da saúde estão circulando há meses, com muita gente especulando que a gigante do comércio online irá expandir para a indústria farmacêutica a ponto de competir com a CVS Health e com a aliança do Walgreens com a Boots. O negócio é altamente complexo e requer relações com provedores de cuidados médicos. Mas não houve menção de farmácias, medicamentos ou prescrições no recente pronunciamento.

Amazon, Berkshire e JPMorgan dizem que planejam “trazer sua grandeza em escala e experiência complementar para esse projeto de longo prazo, e que buscarão alcançar esse objetivo por meio de uma empresa independente, livre da necessidade de gerar lucro”. E complementam: “O foco inicial da nova companhia será oferecer soluções tecnológicas capazes de prover serviços de saúde simplificados, de alta qualidade e transparentes por um preço justo para os funcionários e suas famílias”.

“O nosso grupo não tem respostas, mas também não aceitamos o problema como inevitável. Na verdade, compartilhamos a crença de que, ao colocar nossos recursos por trás dos melhores talentos do país, podemos cessar o aumento de gastos com saúde enquanto a satisfação dos pacientes aumenta”, disse Buffett, presidente e CEO da Berkshire Hathaway.

VEJA TAMBÉM: “Mercado das criptomoedas não vai acabar bem”, aposta Buffett

O fundador do Amazon, Jeff Bezos, admitiu que será um desafio entrar no segmento. “O sistema de saúde é complexo, aceitamos esse desafio conscientes das dificuldades”, disse o homem mais rico do mundo em um pronunciamento. “Apesar de ser difícil, reduzir o peso da indústria sobre a economia, enquanto melhoramos os resultados para os funcionários e suas famílias, valerá a pena. O sucesso exigirá especialistas talentosos, a mente de um iniciante e uma orientação a longo prazo.”

O CEO do JPMorgan, Jamie Dimon, indicou que um dos objetivos dos esforços Amazon-Berkshire será o de aumentar a transparência. “As pessoas querem transparência, conhecimento e controle quando se trata de administrar seus planos de saúde”, disse Dimon. “As três companhias têm recursos extraordinários. Nossa meta é criar soluções que beneficiem nossos funcionários dos EUA e suas famílias e, potencialmente, todos os norte-
americanos.”

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br)

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).