Walmart lança em parceria com Rakuten serviço de entregas online no Japão

iStock
A liderança da empresa busca novos modos de expandir as operações internacionais, que não são mais o motor do seu crescimento. (iStock)

O Walmart firmou uma parceria com o grupo de comércio eletrônico Rakuten para lançar um serviço online de entrega de compras no Japão, no seu mais recente esforço para forjar uma aliança com uma popular rede local para explorar o competitivo mercado.

VEJA TAMBÉM: Wal-Mart negocia venda de participação em divisão brasileira

Maior varejista do mundo, o Walmart disse nesta quinta-feira (25) que o serviço será lançado na segunda metade de 2018. A liderança da empresa busca novos modos de expandir as operações internacionais, que não são mais o motor do seu crescimento, à medida que se depara com temores econômicos no Brasil e a concorrência de varejistas de descontos na Grã-Bretanha.

Em dezembro, o Walmart Brasil anunciou a integração de suas lojas físicas e suas operações de comércio eletrônico no país, como parte dos esforços para simplificação do negócio, citando investimentos estimados em R$ 1,5 bilhão em quatro anos.

No Japão, o novo serviço substituirá o serviço online de entregas existente do Walmart e será chamado de “RakutenSeiyu Netsuper”. Seiyu GK é o nome da unidade japonesa do Walmart.

O serviço permitirá que os clientes registrem um pedido na plataforma de marketplace online da Rakuten, que será então executado pela joint venture Walmart-Rakuten.

LEIA: Walmart se aproxima da Amazon.com em guerra de preços online

A Walmart-Rakuten abrirá uma instalação para atender os pedidos, além de usar as lojas da Seiyu, de acordo com as companhias. As entregas de alimentos frescos no Japão ocorrem há décadas, mas ficaram atrás do crescimento visto em outras áreas do comércio online.

A Amazon está testando seu novo serviço ‘Fresh’ em partes de Tóquio e redes varejistas estão tentando aumentar os serviços de entrega online. A Seven and i Holdings, operadora da maior cadeia de lojas de conveniência do Japão, anunciou no ano passado que competiria em entrega de alimentos frescos com a Askul.

O presidente-executivo da Rakuten, Hiroshi Mikitani, disse a repórteres em Tóquio que esperava que o esforço conjunto levasse a uma cooperação em outras áreas. “Gostaríamos de ter uma aliança em um sentido mais amplo, não apenas no Japão, mas para os nossos negócios globais”, afirmou.

As operações da Rakuten no exterior incluem Estados Unidos e Europa. E, no mês passado, a companhia anunciou que pretendia se tornar a quarta maior operadora móvel do Japão, potencialmente vinculando os usuários a sua ampla variedade de serviços.

E MAIS: Walmart testa nos EUA entrega de alimentos direto na geladeira dos clientes

As ações da Rakuten fecharam em alta de 4,5%, devolvendo boa parte das perdas deste mês.

Em 2016, o Walmart adotou na China uma estratégia similar à que foi anunciada hoje (26), depois de enfrentar dificuldades para expandir os negócios de comércio eletrônico por conta própria.

A varejista norte-americana vendeu seu próprio site ao JD.com, segundo maior grupo chinês de comércio eletrônico, e adquiriu uma fatia de 5% na companhia. A JD.com se prepara para entrar nos Estados Unidos até o fim deste ano.

O investimento em serviços de entrega online estão ganhando força, com a Amazon.com comprando o Whole Foods Market por US$ 13,7 bilhões no ano passado. Já o Alibaba Group Holding e a norte-americana Kroger tiveram discussões sobre trabalhar juntos, comentou uma fonte a par do assunto.

O Walmart vem tentando sacudir as operações internacionais. A empresa recentemente nomeou um importante executivo para a unidade no exterior e está em conversas para vender uma fatia em suas operações brasileiras.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).