Berkshire Hathaway eleva investimento na Apple e na farmacêutica israelense Teva

iStock
A participação da Berkshire na Apple cresceu cerca de 23% desde o final de setembro, para cerca de 165,3 milhões de ações (iStock)

A Berkshire Hathaway, do bilionário Warren Buffett – o 3º homem mais rico do mundo segundo ranking FORBES, com US$ 86,1 bilhões -, divulgou ontem (14) que comprou mais ações da Apple, levando a gigante de tecnologia a assumir o posto de maior investimento em ações ordinárias da empresa, superando o banco Wells Fargo & Co.

LEIA MAIS: Jeff Bezos, Warren Buffett e Jamie Dimon se unem para entrar no segmento de saúde

A Berkshire Hathaway também anunciou que praticamente completou o desinvestimento na IBM, ao vender mais de 94% do que restava do investimento que Buffett admitiu não estar entre os melhores.

A empresa também anunciou a compra de uma participação na fabricante de medicamentos genéricos Teva Pharmaceutical Industries.

Em comunicado ao órgão regulador com detalhes de suas participações acionárias em empresas nos EUA no dia 31 de dezembro, a Berkshire informou possuir cerca de 18,9 milhões de American Depositary Receipts (ADR) da Teva, que valem cerca de US$ 358 milhões.

As ações da Teva subiram mais de 10% no aftermarket na quarta-feira, refletindo o que os investidores percebem como um selo de aprovação da Berkshire para a farmacêutica israelense.

No mês passado, a Berkshire anunciou que vai trabalhar com a Amazon.com e o JPMorgan Chase & Co na criação de uma empresa de saúde própria. “A intimidação, o bullying e a miséria que enfrenta o setor de saúde criaram pechinchas”, disse Bill Smead, que supervisiona US$ 2,3 bilhões, incluindo US$ 130 milhões em ações da Berkshire, na Smead Capital Management, em Seattle.

VEJA TAMBÉM: UNDER 30 de FORBES Brasil terá indicações online

A participação da Berkshire na Apple cresceu cerca de 23% desde o final de setembro, para cerca de 165,3 milhões de ações, ao valor de US$ 28 bilhões, um pouco acima da participação de US$ 27,8 bilhões no Wells Fargo.

A Berkshire pode ter financiado as compras da Apple vendendo cerca de US$ 5 bilhões em ações da IBM, reduzindo sua participação a apenas 2,05 milhões de ações no valor de cerca de US$ 314 milhões.

Buffett começou a vender ações da IBM no primeiro trimestre de 2017 e admitiu que não valorizava mais a empresa tanto quanto há seis anos, quando começou a comprar os papéis.

O bilionário fornecerá mais detalhes sobre os investimentos da Berkshire e seus mais de 90 negócios operacionais em sua carta anual aos acionistas, que deve ser divulgada em 24 de fevereiro.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).