Empresas brasileiras comandadas por mulheres estão na mira de startup norte-americana

O foco da Moeda está em cooperativas brasileiras, principalmente em empresas criadas por mulheres (iStock)

No mundo da fintechs e do empreendedorismo social, a tecnologia blockchain é o bilhete premiado. Um número cada vez maior de representantes desses setores está direcionando seus esforços à tecnologia, a base do Bitcoin, assim como às criptomoedas, para criar plataformas seguras e acessíveis para a população pobre ao redor do mundo.

LEIA MAIS: Conheça as mulheres que comandam a maior gravadora de música eletrônica da atualidade

Uma das mais recentes novidades nesse cenário é a Moeda. A startup, criada no ano passado em Nova York, tem uma plataforma de microcrédito que usa blockchain e uma criptomoeda chamada MDA para conectar investidores às populações sem bancos em países emergentes.

No momento, o foco da Moeda está em cooperativas brasileiras, principalmente em empresas criadas por mulheres, para quem são oferecidos empréstimos com taxas de juros de 15%. Um valor bem abaixo dos 120% que elas precisariam pagar a outras fontes de recursos, segundo a CEO Taynaah Reis. A estrutura de cooperativas é comum no Brasil, explica a executiva. As empresas abrangem de tudo, da produção de leite a fazendas de yucca.

Segundo a executiva, o sistema atual não é favorável às cooperativas e investidores. Muitas dessas empresas, a maioria localizada em áreas rurais, têm dificuldade de conseguir empréstimos, especialmente as mulheres. Geralmente, elas conseguem dinheiro por meio de programas governamentais, mas a burocracia se prova impenetrável. E mais: mesmo quando elas conseguem recursos, não recebem assistência técnica.

Para os investidores, o problema é confiar no sistema, especialmente devido aos recentes casos de corrupção no Brasil.

Com isso em mente, a Moeda decidiu usar a tecnologia blockchain, muitas vezes descrita como um livro-caixa aberto, para criar uma plataforma por meio da qual investidores podem rastrear facilmente projetos de forma transparente. O resultado da iniciativa é que todas as atividades são acessíveis, não podem ser apagadas e você sabe se o seu dinheiro está indo para o lugar certo. “Ao longo dos anos, eu vi investidores considerarem empresas sociais brasileiras um risco. A confiança é importante, especialmente em um país como o Brasil, e o blockchain nos permite nutrir essa confiança”, diz Taynaah.

Além disso, a empresa não fornece acesso apenas a investimentos, mas também ajuda a criar planos de negócios, estudos de viabilidade e fornece outros tipos de assistência técnica. A Moeda considera fatores históricos de crédito não tradicionais, como o impacto que as cooperativas têm em suas comunidades, além de priorizar o dinheiro para empresas comandadas por mulheres.

VEJA TAMBÉM: Mãe solteira sobrevive a câncer e cria marca de cosméticos milionária

Segundo Taynaah, os recursos vêm de uma grande rede de investidores – 841 para ser específico. A maioria é formada por chineses jovens, entre 22 e 28 anos, com uma longa história de negociação e investimento no Brasil e interessada em combinar impacto e investimento.

Em agosto, Taynaah e seus colegas arrecadaram US$ 20 milhões ao longo de duas semanas. Metade desse valor foi direcionado para o financiamento de projetos. A empresa já investiu em 18 deles, com valores entre U$ 50 mil e US$ 300 mil. Um empréstimo de US$ 55 mil foi destinado à Hope Valley, uma cooperativa de abóbora e yucca com uma década de existência localizada em Formosa (GO). O dinheiro ajudou a pagar por um sistema de irrigação e equipamentos de processamento de alimentos. Devido ao investimento, a cooperativa é capaz de produzir cinco vezes mais do que antes, segundo Taynaah. Além disso, o número de contratos para escolas públicas cresceu de 30 para 90.

O próximo passo será lançar um aplicativo para permitir que investidores individuais e institucionais façam aportes direto em MDA nas empresas. Dessa forma, não haverá intermediários. Os investidores vão comprar os tokens do MDA, assim como fazem na compra do Bitcoin, e fazer seus investimentos pelo aplicativo. Em seguida, os empresários receberão o empréstimo na criptomoeda e trocarão seus tokens pela moeda local. A empresa está trabalhando com um grupo de bancos no Brasil para atender às populações locais em áreas subdesenvolvidas.

Toda essa história começou em março do ano passado, quando Taynaah organizou um hackathon patrocinado pela ONU com foco na aplicação da tecnologia blockchain para atender aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da entidade, onde também atuou como juíza. Uma das equipes participantes apresentou o conceito básico da Moeda e ganhou. Intrigada com a ideia, Taynaah se aproximou dos vencedores, Isa Yu e Brad Chun, e sugeriu que eles começassem uma empresa real, usando o prêmio em dinheiro para lançar a startup.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br)

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).