Weinstein Company disse que vai declarar falência depois das acusações de assédio sexual contra Harvey Weinstein

Getty Images
Mais de 70 mulheres acusaram Harvey Weinstein de assédio sexual (Getty Images)

O conselho de administração da Weinstein Company disse na noite de ontem (25) que o estúdio de TV e cinema de Nova York planeja declarar falência, depois que conversas sobre uma possível venda da empresa fracassaram, relataram diversos meios de comunicação.

LEIA MAIS: O preço do assédio: 7 casos em que abusos sexuais renderam grandes prejuízos financeiros

A Weinstein Company estava buscando um acordo que a pouparia de declarar falência depois que mais de 70 mulheres acusaram o produtor cinematográfico Harvey Weinstein, seu ex-presidente do conselho e um dos homens mais influentes de Hollywood, de assédio sexual, incluindo estupro.

Weinstein nega ter tido relações sexuais não consensuais com qualquer pessoa.

“A Weinstein Company tem estado envolvida em um processo ativo de venda na esperança de preservar bens e empregos”, disse o conselho em comunicado, reportado por jornais como o “San Francisco Chronicle” e o “Los Angeles Times”. “Hoje, essas discussões terminaram sem um acordo assinado.”

O conselho “não teve outra escolha se não buscar sua única opção viável para maximizar o valor remanescente da companhia: um ordenado processo de falência”.

VEJA TAMBÉM: UNDER 30 de FORBES Brasil terá indicações online

O plano não foi confirmado de imediato pela companhia em seu site ou Twitter.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).