Zuckerberg investe em site de educação sob demanda

Getty Images
O investimento da CZI é parte de um plano maior da instituição de alocar centenas de milhões de dólares por ano em tecnologias de aprendizado personalizado. (Getty Images)

A Chan Zuckerberg Initiative, fundação benemerente formada pelo CEO do Facebook Mark Zuckerberg e sua esposa, Priscilla Chan, fez um novo investimento como parte de sua iniciativa de promover o aprendizado personalizado ao redor do mundo.

VEJA TAMBÉM: 7 dicas de Mark Zuckerberg para ganhar US$ 1 bilhão antes dos 30 anos

O site de tutoria sob demanda Varsity Tutors levantou US$ 50 milhões na série C de financiamento, liderada pela Learn Capital com a participação da Chan Zuckerberg Initiative (CZI) e da Technology Crossover Ventures (empresa que comandou a série B da startup). A última captação de fundos leva o financiamento da empresa de St. Louis, em Missouri, para um total de US$ 107 milhões.

O investimento da CZI é parte de um plano maior da instituição de alocar centenas de milhões de dólares por ano em tecnologias de aprendizado personalizado. A entidade também está investindo em peso em áreas como pesquisa biomédica, em um esforço para prevenir, administrar e curar todas as doenças até o fim do século.

A Varsity Tutors cobra dos alunos cerca de US$ 50 por hora de tutoria, dependendo da localização do estudante e da dificuldade do assunto abordado. Os alunos podem comprar horas de tutoria ao vivo ou online via desktop ou mobile, por meio de um serviço digital que suporta áudio, vídeo e chat em vídeo ao vivo com aulas sob medida.

Atualmente, alunos de educação primária e secundária correspondem à maioria dos clientes. A oportunidade é significativa. Estima-se que a indústria de tutoria online valerá US$ 200 bilhões até 2020, segundo a empresa de pesquisas Global Industry Analysts.

LEIA: Mark Zuckerberg e outros gigantes da tecnologia se opõem à suspensão do Daca

“Nós estamos empolgados para investir na Varsity Tutors devido à sua liderança e seu sucesso até então, além de sua inovação contínua para oferecer experiências de aprendizado de qualidade para mais estudantes em diferentes locais e com diferentes contextos e necessidades de aprendizado”, disse Vivian Wu, sócia gestora de empreendimentos da CZI, por email. “Estamos ansiosos para trabalhar com eles de maneira a tornar o aprendizado dos alunos ainda mais efetivo. E, também, para expandir o acesso a um número maior de estudantes.”

Cerca de 40 mil tutores oferecem serviços que abrangem mais de mil cursos e testes, abrangendo desde a escola primária até níveis de graduação, assim como aulas para treinamento profissional. Mais de 100 mil alunos já utilizaram o serviço de maneira on e offline. Estudantes acessaram mais de 3 milhões de horas de instrução.

“Nós paramos de pensar na Varsity Tutors como um mercado para tutoria”, disse o fundador e CEO Chuck Chon em uma entrevista. “Agora nós pensamos nela como uma plataforma de aprendizado onde você pode se conectar, em tempo real, a alguém que tem expertise.”

A Varsity Tutors diz que seu site e seu app podem conectar estudantes a professores em apenas 15 segundos. Cerca de 60% do negócio corresponde a tutoria online – desse índice, 10% é gerado sob demanda por meio do serviço da empresa, o “Instant Tutor”.

E MAIS: Mark Zuckerberg vai tirar 2 meses de licença paternidade

“Acessar a camada ao vivo da internet é uma oportunidade que não aconteceu ainda, mas vai acontecer, e a Varsity pode ajudar a facilitar isso”, disse Rob Hutter, fundador e sócio gestor da Learn Capital, em uma entrevista. Ao longo do tempo, a tutoria online pode ajudar a democratizar o acesso à educação de qualidade em todos os níveis, acredita ele.

“Nós estamos animados com essa oportunidade de divulgar nossa visão, que vai além da tutoria sob demanda de forma acadêmica e programática para algo muito mais amplo,” acrescentou Hutter. “A tecnologia existe, e a personalização está agora se tornando possível.”

Um dos principais desafios é convencer os pais de que tutoria de qualidade pode ser oferecida na internet, explica Cohn. Agora, com a facilidade de se conectar com um tutor virtualmente e em uma base flexível, eles estão começando a correr o risco. “É mais fácil do que dirigir até algum lugar para deixar as crianças. O processo é mais conveniente graças aos recursos mobile.”

A Varsity está utilizando o novo financiamento para expandir seu negócio online e sob demanda e continuar a expansão para fora dos Estados Unidos. Em 2017, a startup adquiriu a First Tutors, o maior marketplace de tutoria da Europa, o que marca o início de seu impulso internacional. A Varsity tem, agora, quase 500 funcionários em escritórios espalhados pelos Estados Unidos.

LEIA TAMBÉM: 21 perguntas que as pessoas gostariam de fazer a Mark Zuckerberg

A inspiração de Cohn para a criação da Varsity surgiu há 11 anos, depois de transformar uma nota 0 em um 10 em um curso de matemática na faculdade, ao mesmo tempo em que frequentava a Universidade Washington, em St. Louis. Vivenciar o impacto de encontrar a tutoria certa fez com que Cohn criasse um serviço que desafia a noção de “tamanho único”.

Cohn lançou a Varsity inicialmente como um serviço completamente offline. O empreendedor trabalhava à noite e aos finais de semana durante os primeiros quatro anos, deixando flyers em unidades da Starbucks e carregando múltiplos celulares para atender às ligações de SAC nos primeiros meses.

Para o futuro, Cohn quer que o site se torne um serviço sob demanda para acessar conhecimento em tempo real, independentemente de os clientes terem interesse em consertar um armário, aprender a tocar um instrumento ou adquirir habilidades técnicas para um emprego.

“A oportunidade hoje é fazer um inventário de quem tem o conhecimento. Então, a pessoa que é, por exemplo, um excelente chef de sushi ou um especialista em publicidade digital, pode mostrar para o mundo que tem esse conhecimento”, explica. “O cenário é muito mais amplo do que construir o maior mercado de tutoria dos Estados Unidos.”

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).