Diretor de segurança do Facebook anuncia que vai deixar a empresa

iStock
O Facebook já retirou de Stamos as responsabilidades sobre resposta a campanhas de desinformação patrocinadas por governos (iStock)

O diretor de segurança do Facebook, Alex Stamos, vai deixar a empresa em agosto, afirmou uma fonte à Reuters ontem (19) e uma notícia na imprensa citou desentendimentos sobre como a rede social deveria lidar com seu papel na disseminação de informações falsas.

LEIA MAIS: Notícias sobre uso indevido de informações dos usuários derrubam ações do Facebook

A fonte afirmou ainda que o Facebook já retirou de Stamos as responsabilidades sobre resposta a campanhas de desinformação patrocinadas por governos.

Sem negar sua saída da empresa, Stamos publicou no Twitter que seu papel na companhia de fato mudou, mas que ele ainda está completamente comprometido com o trabalho no Facebook.

Representantes do Facebook não puderam ser contatados de imediato para comentar o assunto. A notícia da saída de Stamos foi publicada mais cedo pelo “The New York Times”.

Dentro do Facebook, Stamos vinha sendo um forte defensor de investigação e revelação da atividade da Rússia na rede social, frequentemente causando consternação em importantes executivos da empresa, incluindo a vice-presidente de operações, Sheryl Sandberg, publicou o jornal.

As responsabilidades de Stamos foram alteradas em dezembro e depois disso ele afirmou que vai deixar a companhia, publicou o jornal.

VEJA TAMBÉM: UNDER 30 de FORBES Brasil terá indicações online

Stamos acabou então sendo depois persuadido a ficar no Facebook até agosto para supervisionar a transição de suas funções porque os executivos da companhia acreditavam que sua saída da empresa seria avaliada pelo público como um fato negativo, publicou o jornal citando funcionários atuais e antigos da rede social.

A reputação do Facebook tem sido atingida por acusações de que a Rússia usou ferramentas da rede social para dividir eleitores dos EUA e publicar notícias falsas antes e depois do pleito de 2016 que elegeu Donald Trump.

Além disso, o presidente-executivo da rede social, Mark Zuckerberg, enfrenta cobranças de autoridades dos Estados Unidos e da Europa para explicar como uma consultoria que trabalhou na campanha de eleição de Trump ganhou acesso indevido a dados de 50 milhões de usuários da companhia.

As ações do Facebook encerraram em baixa de quase 7% nesta segunda-feira, retirando US$ 40 bilhões do valor de mercado da companhia em meio a preocupações de investidores de que novas legislações possam prejudicar os negócios com publicidade.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).