EUA impõem novas sanções à Coreia do Norte

Montagem
Os EUA impõem novas sanções à Coreia do Norte por uso de agente químico para assassinar o meio-irmão do líder norte-coreano, Kim Jong Un

Os Estados Unidos determinaram que a Coreia do Norte usou o agente químico letal VX para assassinar o meio-irmão do líder norte-coreano, Kim Jong Un, na Malásia, em 2017, e reagiram com a adoção de sanções, informou o Departamento de Estado norte-americano ontem (06).

LEIA MAIS: Donald Trump sem filtro: presidente dos EUA conversa com FORBES

As proibições parecem em grande parte simbólicas, como as vendas feitas à Coreia do Norte nos termos da Lei de Controle de Exportação de Armas e o impedimento da exportação de bens ligados à segurança nacional e de tecnologia ao regime, que não tem relações com os EUA.

A porta-voz do Departamento de Estado, Heather Nauert, disse em um comunicado que o governo dos EUA fez a determinação formal sobre o uso do VX no dia 22 de fevereiro em observância à Lei de Controle de Armas Químicas e Biológicas e de Eliminação de Guerra de 1991.

As sanções adicionais a Pyongyang entraram em vigor em 5 de março, depois que as descobertas foram publicadas formalmente no Diário Oficial norte-americano, disse Nauert.

O secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, determinou que a Coreia do Norte “usou armas químicas, violando a lei internacional, ou armas químicas letais contra seus próprios cidadãos”, disse o departamento no Diário Oficial.

VEJA TAMBÉM: UNDER 30 de FORBES Brasil terá indicações online

Kim Jong Nam, meio-irmão afastado de Kim Jong Un, foi morto no aeroporto de Kuala Lumpur em 13 de fevereiro de 2017. Duas mulheres, a indonésia Siti Aisyah e a vietnamita Doan Thi Huong, estão sendo julgadas por supostamente terem assassinado Kim esfregando o agente VX em seu rosto.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).