Visa investirá R$ 3,5 mi em programa de aceleração de fintechs no 1º semestre

O montante não será injetado diretamente nas startups, mas será utilizado em recursos para acelerar as 30 fintechs que serão selecionadas na primeira edição de 2018 (iStock)

A Visa inicia hoje (9) a primeira edição de 2018 do seu programa de aceleração para fintechs, em conjunto com a consultoria Kyvo, representante do centro de inovação norte-americano GSVlabs no Brasil.

O projeto Track, que faz parte de uma iniciativa global da Visa para desenvolver tecnologia no setor financeiro, foi iniciado em 2017 e terá investimentos de R$ 3,5 milhões no país no primeiro semestre.

LEIA MAIS: UNDER 30 de FORBES Brasil terá indicações online

O montante não será injetado diretamente nas startups, mas será utilizado em recursos para acelerar as 30 fintechs que serão selecionadas na primeira edição de 2018. A Visa também não terá participação acionária nas startups e não informou o valor a ser desembolsado na edição da segunda metade do ano.

“Ninguém domina a cadeia da inovação e a inovação só será sustentável à medida em que forem criadas condições de colaboração entre as empresas. E a gente quer fazer parte desse processo de revolução digital”, disse o vice-presidente de produtos, soluções e inovação da Visa no Brasil, Percival Jatobá.

Segundo ele, um dos objetivos da Visa com o programa é tornar a empresa reconhecida no universo das fintechs, que estão apresentando crescimento acentuado no Brasil e disputando mercado com bancos tradicionais. “O ecossistema de fintechs passa a reconhecer a Visa como uma empresa atuante também nesse cenário mais emergente das startups.”

Jatobá também afirmou que a Visa está trabalhando em novas ferramentas que desenvolveu em parceria com as fintechs que acelerou, sem dar mais detalhes sobre o assunto.

VEJA TAMBÉM: TIM prevê investimento de R$ 12 bi até 2020

A Dataholics, plataforma que capta dados de pessoas em redes sociais para gerar um fluxo de segurança para transações financeiras, foi uma das empresas aceleradas em 2017 e atualmente trabalha com a Visa.

O executivo ainda destacou que “o Brasil é um dos principais países para a Visa quando se fala em inovação e meios eletrônicos de pagamento”.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).