Bilionário se torna dono da maior refinaria dos EUA

Bilionário do Texas dispara na maratona do petróleo - iStock
As ações da Marathon e da Andeavor subiram 50% e 75% só no ano passado

O bilionário Paul Foster se torna o grande vencedor financeiro do megadeal anunciado em 23 de março para unir a Marathon Petroleum à Andeavor e transformá-las na maior refinadora de petróleo do país.

VEJA TAMBÉM: Petróleo opera em queda nos mercados globais

O bilionário fundou a Western Refining e no ano passado a vendeu para a Andeavor (antes chamada Tesoro) por US$ 6,4 bilhões. A Foster, que tem sede em El Paso, tem vendido constantemente ações da Andeavor, mas ainda detém uma parcela de 6,5 milhões, segundo documentos da SEC. A Marathon está oferecendo aos acionistas da Andeavor US$ 152,27 por ação em dinheiro, um prêmio de 24% sobre o fechamento da semana passada. Isso faz com que as provisões da Foster valham US$ 988 milhões e contribuam com a parte do patrimônio estimado em US$ 1,76 bilhão pela Forbes.

Nada mal para um cara que começou nos campos de petróleo como um adolescente que soldava canos, abria valas e limpava tanques. O graduado da Baylor e certificado pela CPA lidou com os livros em uma série de pequenas refinarias em todo o sudoeste antes de ele e seus parceiros assumirem a de El Paso em 1992, que posteriormente levou à criação da Western. Naquela época, não havia como prever o renascimento que seria para a bacia do Permiano, rica em petróleo, no oeste do Texas e no Novo México, onde os ativos da Western estavam concentrados.

O CEO da Andeavor, Greg Goff, viria a se tornar o vice-presidente executivo da Marathon. Ele tem cerca de 760.000 ações, valendo aproximadamente US$ 120 milhões.

Gary Heminger, CEO de longa data da Marathon Petroleum, que tirou a empresa da Marathon Oil em 2012, e liderou as companhias combinadas, tem ações no valor de cerca de US $ 230 milhões. Heminger, 64 anos, fez parte da Marathon durante toda sua carreira, tendo começado a trabalhar na empresa como balconista de armazenamento de registros há 43 anos. Ele liderou a saída da gigante de refino da zona de “upstream” da Marathon Oil, em 2011, que dispunha de US $ 2,8 bilhões para adquirir 1.200 postos de abastecimento da Hess e US $ 14 bilhões para absorver a operadora de gasodutos MarkWest da divisão de “midstream”. Desde a fusão, a Marathon Petroleum comprou cerca de US $ 10 bilhões em ações; há dois anos, a Marathon foi considerada pela revista Forbes como um dos “America’s Best Employers”.

A empresa recém-combinada será a maior refinadora do país, com capacidade de processar 3 milhões de barris por dia em 16 refinarias e distribuição de combustível por meio de 7.800 postos de gasolina de marca. Ao somar as ações da Marathon e da Andeavour ao valor de suas parceiras limitadas de midstream (que continuarão sendo negociadas separadamente como MPLX e ANDX) e toda a operação terá um valor corporativo de aproximadamente US$ 90 bilhões. De acordo com uma nota da manhã de 23 de março, de analistas da Tudor, Pickering & Holt, “nós não prevemos nenhum problema regulatório, dados os diferentes mercados geográficos de cada empresa”.

A Valero Energy, líder de refinação de longa data da América, vai cair para a segunda colocação com 2,6 milhões de bpd (barris por dia) de capacidade de processamento. Depois vem a Phillips 66 com 1,9 milhão, a ExxonMobil com 1,7 milhão de barris por dia, depois a Shell e a Chevron com cerca de 900 mil bpd cada. A maior refinaria nos Estados Unidos está localizada em Port Arthur, Texas, e pertence à Saudi Aramco através de sua divisão Motiva. Ele lida com mais de 600.000 bpd.

E AINDA: Cade aprova compra de participação em blocos de petróleo da QGEP pela ExxonMobil

Em meio ao aumento dos preços do petróleo e à forte demanda por combustíveis, é um bom momento para ser um refinador de petróleo norte-americano. As ações da Marathon subiram mais de 50% no ano passado, enquanto as ações da Andeavor subiram 75%. Impulsionadas pela produção recorde de petróleo nacional, que supera 10 milhões de bpd, as exportações norte-americanas de produtos acabados de petróleo mais que dobraram na última década, para 3,6 milhões de bpd.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).