Jovem brasileira cria gel de combate ao Aedes aegypti

Jovem brasileira cria gel de combate ao Aedes aegypti (Divulgação)
Luisa Hamra desenvolveu um método de baixo custo para o controle da população do mosquito Aedes aegypt

A população de Aedes aegypti é uma preocupação anual para grande parte das cidades e municípios brasileiros. Durante o verão, quando as altas temperaturas e os índices pluviométricos são maiores em lugares de clima tropical e subtropical, as condições se tornam favoráveis para a reprodução do mosquito e para eclosão dos ovos depositados previamente, que podem resistir até 450 dias sem contato direto com a água.

LEIA MAIS: Bill Gates investe no combate ao Aedes aegypti

O crescimento populacional do mosquito gera, como consequência, o aumento no número de casos das doenças transmitidas pelo Aedes aegypti: chikungunya, dengue, febre amarela e zika. Segundo o boletim da Secretaria de Vigilância e Saúde, somente nas três primeiras semanas de 2018, foram registrados 9.399 casos prováveis de dengue no Brasil, 43,3% deles na região Sudeste.

Nascida em Catanduva, no interior do Estado de São Paulo, Luisa Hamra, 19 anos, presenciou no início de 2015 a maior epidemia de dengue da história do município. Naquele ano, foram registrados, até o final de março, mais de 10.000 casos da doença, em uma população de 118 mil habitantes, ou seja, um cidadão infectado para cada 11 moradores. Somente na família de Luisa, mais da metade teve dengue. “Tenho 11 parentes na cidade e sete já foram contaminados. Logo, existia o dobro do risco de contraírem a doença de novo, que é quando ela fica muito mais séria e pode ser até a versão hemorrágica.”

Luisa conta que, diante da situação, decidiu estudar por conta própria a morfologia e o comportamento do Aedes aegypti. Em suas pesquisas, descobriu não só que o mosquito consegue identificar locais com potencial para se tornarem focos de água parada como também que a forma mais utilizada de combate ao mosquito, o fumacê, um veículo com pulverizador de inseticida acoplado, é ineficaz. “O Aedes aegypti é extremamente resistente e tem uma capacidade de mutação genética muito grande. O fumacê só atinge mosquitos que estiverem voando, mas o hábito da espécie é passar a maior parte do tempo parada. Logo, isso [o fumacê] só faz com que eles fiquem mais resistentes e não elimina os criadouros”, explica Luisa. Para piorar, em março de 2015, um dos componentes utilizados no inseticida, Malathion, foi classificado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como potencial cancerígeno.

Depois de identificar os hábitos e a estrutura morfológica da larva do mosquito, Luisa, que em 2015 tinha 16 anos e cursava o segundo ano do ensino médio, chegou a um método para combater a proliferação do Aedes aegypti. Ao somar os conhecimentos em química adquiridos na escola às suas pesquisas na internet, a estudante desenvolveu no banheiro de sua casa, com equipamentos caseiros e componentes encontrados em produtos de supermercados, um gel adesivo capaz de matar as larvas do Aedes aegypti.

VEJA TAMBÉM: Planta da Amazônia é testada no combate ao mosquito Aedes aegypti

O gel, fixado em locais propícios para se tornarem focos de proliferação, tem comportamento similar ao ovo do mosquito, já que só é ativado quando em contato direto com a água. O produto tem a capacidade de destruir as larvas do Aedes aegypti em menos de 24 horas e de repelir o mosquito com a ação da citronela. Desta forma, evita que haja nova desova no local onde está o adesivo. Segundo a estudante, uma única unidade pode manter o lugar livre da praga por, pelo menos, duas semanas.

A iniciativa da jovem repercutiu internacionalmente. Em 2016, entre 73 inscritos, Luisa teve seu projeto premiado pelo concurso Village to Raise a Child, promovido pelo núcleo de colaboração e inovação social da Universidade de Harvard. A competição contemplou cinco iniciativas de jovens empreendedores que propuseram soluções a problemas enfrentados por suas comunidades. Em 2017, os estudantes escolhidos passaram por uma semana de capacitação na Universidade de Harvard, receberam recursos para o financiamento de seus projetos, além de apresentarem suas ideias no Igniting Innovation Summit, evento que aborda inovações sociais.

No momento, o produto desenvolvido pela jovem está em fase de patente, com previsão de finalização ainda neste ano. Para a estudante, a viabilidade de fabricação do adesivo é alta, devido ao baixo custo de produção e a simplicidade do processo.

Luisa, que estuda administração graças a um financiamento do programa Líderes, da Fundação Estudar, organização sem fins lucrativos criada pelo empresário Jorge Paulo Lemann, diz que atualmente procura empresas do segmento de produtos de limpeza para uma possível parceria na produção do gel. “Não vejo o produto como farmacêutico porque ele não é tratamento, mas sim prevenção. Eu o encaro mais como um item de limpeza. Uma pessoa que vai à farmácia está, boa parte das vezes, doente, à procura de um remédio. Já uma pessoa que vai ao supermercado, na seção de produtos de limpeza, quer manter o local limpo e prevenir doenças.”

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).