Multibilionária indústria da maconha precisa de regras de uso da planta para seus funcionários

iStock
A situação decorre da falta de atenção para a implementação e aplicação das regulamentações de segurança no local de trabalho, segundo o levantamento

A multibilionária indústria da maconha está tendo problemas: as pessoas estão chegando drogadas ao trabalho. Um recente estudo publicado pelo “American Journal of Industrial Medicine”, divulgou que uma grande porcentagem dos funcionários que trabalham no negócio de produção e venda da maconha estão usando a droga antes ou durante o expediente, arriscando a sua própria segurança e a de colegas.

LEIA MAIS: Califórnia torna-se o maior criador de empregos relacionados à maconha

A situação decorre da falta de atenção para a implementação e aplicação das regulamentações de segurança no local de trabalho, segundo o levantamento. A mensagem geral é que se a indústria da cannabis quiser ser levada a sério como sua principal concorrente, a do álcool, ela tem de criar regras para esses funcionários.

Não faz tanto tempo que as cervejarias dos Estados Unidos permitiam que os trabalhadores consumissem a bebida nos intervalos e no horário de almoço, mas os problemas dessa prática colocaram um fim no consumo de álcool durante o expediente.

As últimas descobertas sugerem que a indústria da maconha ainda precisa estabelecer suas regulamentações.

As empresas, além de não treinar os funcionários sobre como lidar adequadamente com potenciais riscos, ainda permitem, às vezes, que eles manuseiem produtos químicos e equipamentos perigosos sob o efeito da droga.

Pesquisadores da Universidade do Estado do Colorado descobriram que 63% dos trabalhadores da indústria no estado foram para o trabalho sob influência da droga. E outros 45% afirmaram ter fumado maconha durante o expediente. “Existe uma eminente necessidade de estabelecer um treinamento formal de saúde e de segurança para implementar práticas melhores”, escreveu um dos autores da pesquisa.

VEJA TAMBÉM: Comércio em torno da maconha legal deve chegar a mais de US$ 10 bilhões neste ano

Talvez o aspecto mais preocupante do estudo seja o fato de que esses trabalhadores estão dirigindo sob efeito de drogas. A ideia de que cerca da metade deles está agindo assim demonstra a necessidade do “uso responsável”, prometido quando os defensores da legalização começaram a argumentar que a maconha deveria ser autorizada de maneira semelhante ao álcool.

Dirigir sob a influência da maconha é uma prática que ainda causa punição em estados onde a droga está legalizada. Embora dirigir bêbado tenha se mostrado muito mais perigoso, qualquer pessoa flagrada drogada na direção pode ser presa e acusada – podendo levar à condenação e a à suspensão da carteira de motorista. Apesar de algumas pessoas sentirem que a cannabis as faz dirigir melhor, operar um veículo dessa forma é considerado uma ameaça para a segurança pública e deveria ser algo levado a sério.

Em comparação, a indústria do álcool foi forçada a reprimir o consumo no local de trabalho e o negligente ato de beber e dirigir ao longo dos anos para não sentir a ira do Tio Sam. Era comum que os fabricantes de cerveja e de outras bebidas alcoólicas permitissem que seus funcionários consumissem álcool durante o expediente. Mas, quando acidentes de trabalho começaram a ficar frequentes e o número de desastres fatais nas ruas aumentou, a indústria não teve escolha a não ser mudar suas políticas.

Os autores do estudo concluíram que “os trabalhadores de maconha do Colorado consumiam a erva regularmente, expressavam poucas preocupações sobre os riscos no local de trabalho, relataram algumas lesões e exposições ocupacionais, além de práticas de treinamento inconsistentes”.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).