Hasbro compra franquia Power Rangers da Saban

Hasbro compra franquia Power Rangers da Saban - Getty Images
A primeira leva de produtos da linha Power Rangers estará disponível no primeiro semestre de 2019

Os esforços da Hasbro para deixar de ser um fabricante de brinquedos e se transformar em um licenciador de propriedades intelectuais avançaram significativamente ontem (1), quando a empresa anunciou que vai adquirir a franquia Power Rangers e várias outras marcas da Saban Properties em transações financeiras e ações avaliadas em US$ 522 milhões.

VEJA TAMBÉM: Fabricante de brinquedos Lego faz parceria com gigante chinesa Tencent

Segundo o anúncio, o acordo inclui não apenas os heróis de ação que cativaram as crianças desde o início dos anos 1990, mas também personagens como My Pet Monster, Popples, Julius Jr., Luna Petunia e Treehouse Detectives, entre outros criados pela Saban. As características das marcas recém-adquiridas se encaixam perfeitamente na linha de propriedade intelectual da Hasbro, que já inclui Transformers, GI Joe e os jogos de fantasia Magic: The Gathering e Dungeons and Dragons – todas plataformas para contar histórias em diferentes canais de mídia, além de serem mercadorias.

“Power Rangers é uma marca icônica construída sobre uma herança de narrativa e merchandising com enorme potencial de valorização quando totalmente executada dentro dos nossos padrões”, disse Brian Goldner, presidente e CEO da Hasbro. “Está claro que agora é a hora de começar a investir no potencial total do Power Rangers. Vemos uma oportunidade significativa para o título em nossa estratégia de marca, incluindo brinquedos e jogos, produtos de consumo, jogos digitais e entretenimento, bem como geograficamente em todo o nosso espaço de varejo global.”

A Hasbro diz que o criador dos Powers Rangers e fundador da Saban Brands, Haim Saban, continuará em uma função de consultoria para “guiar ainda mais o desenvolvimento dessa valiosa propriedade para a próxima geração de fãs dos super heróis”.

“Vinte e cinco anos após o lançamento, acredito que o futuro da marca nunca foi tão promissor quanto agora”, diz Saban. “A liderança da Hasbro em inovação, narrativa e branding torna a empresa perfeita para desenvolver ainda mais o alcance global e o apelo do Power Rangers. Estou ansioso para trabalhar com Brian e toda a sua equipe nos próximos anos.”

A aquisição da Saban Brands pela Hasbro faria sentido independentemente do clima de negócios, uma vez que os Power Rangers têm forte apelo para o público de 8 a 12 anos, responsável por impulsionar o setor de brinquedos. Mas com a recente falência da Toys R Us, a Hasbro perdeu um importante canal de vendas e fonte de receita no mercado norte-americano.

E AINDA: Conheça a fábrica de brinquedos que planeja valer 1 bilhão de dólares

Uma marca como a Power Rangers é sucesso comprovado em mídia e produto. O programa de TV “Power Rangers Mighty Morphin” está atualmente em sua 25ª temporada (“Power Rangers Super Ninja Steel”), com quase 900 episódios produzidos até hoje, exibidos em 150 mercados de todo o mundo. Os Rangers já atuaram em filmes, histórias em quadrinhos, livros, jogos e outros conteúdos digitais. O logotipo e os trajes coloridos impulsionam as vendas de produtos e roupas, e o time de heróis é tema recorrente entre os fãs em convenções de quadrinhos e outros eventos do tipo.

“É um grande passo para a Hasbro”, diz Milton Griepp, diretor da “ICv2”, publicação especializada na indústria de brinquedos, jogos e quadrinhos. “A marca acrescenta outra propriedade poderosa de brinquedos ao seu portfólio, com um histórico comprovado de sucesso.” Griepp diz que as receitas dos brinquedos Power Rangers poderiam ajudar a compensar as vendas fracas da linha Guerra nas Estrelas reportadas no último trimestre.

De acordo com o anúncio da empresa, a primeira leva de produtos da linha Power Rangers estará disponível no primeiro semestre de 2019.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).