Relator amplia repasses da Eletrobras

Estratégia ajudará a baixar tarifa ao consumidor em projeto de privatização

O deputado José Carlos Aleluia (DEM-BA), relator na Câmara de projeto de lei sobre a privatização da Eletrobras, entregou hoje (10) seu relatório sobre a medida, que prevê algumas alterações no texto original, como uma obrigação maior de repasses da empresa a um fundo setorial, com o objetivo de reduzir tarifas.

LEIA MAIS: Eletrobras espera ter quase R$ 8 bi com MP 814

Ele disse que pretende que a Eletrobras repasse à Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) 40% do valor adicionado a suas concessões, com uma renovação dos contratos por 30 anos prevista em meio à desestatização, ante um terço previsto no texto original da matéria.

Essa ampliação, segundo ele, “contribui para a modicidade tarifária”.

A CDE banca diversos subsídios no setor, e uma injeção de recursos pela Eletrobras no fundo ajudaria a reduzir a pressão sobre as tarifas dos consumidores ou até a baixá-las.

O deputado também acrescentou em seu relatório previsão de direcionamento pela Eletrobras de R$ 170 milhões anuais para o Centro de Pesquisas de Energia Elétrica (Cepel), que já é controlado pela estatal.

Outra obrigação da companhia, não financeira, será a destinação, pela subsidiária Chesf, da energia elétrica necessária para a operação da transposição do São Francisco.

LEIA MAIS: Eletrobras tem prejuízo líquido de R$ 3,998 bi no 4º trimestre

Segundo Aleluia, a transposição tem custos de operação e manutenção de mais de R$ 500 milhões por ano, dos quais “cerca de 60% correspondem a despesas com energia elétrica”.

REGRAS

O relatório manteve algumas regras já previstas para a privatização, como a criação de uma ação preferencial de classe especial de propriedade exclusiva da União, a “golden share”, que permitirá ao governo poderes de veto em alguns temas estratégicos, como modificação de sedes ou nome da empresa e suas subsidiárias.

O texto também continua a propor um limite de até 10% para a participação de qualquer grupo de acionistas na companhia, além de uma proibição a acordos entre donos de ações que criem blocos que tenham poder de voto maior do que esse limite.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).