5 melhores festivais ao redor do mundo em 2017

Nos próximos meses, provoque o seu cérebro e expanda suas expectativas em festivais: uma mistura de intelectualidade, arte, política e música está programada para acontecer ao redor do mundo, de Trondheim, na Noruega, a Veneza, na Itália.

LEIA TAMBÉM: 3 hotéis de luxo em Veneza que você precisa conhecer se passar pela Itália

Veja na galeria de fotos abaixo os 5 melhores festivais de 2017:

  • Hay Festival (25 de maio a 3 de junho)

    Bernie Sanders, político norte-americano, é o mediador desse festival de literatura, que está em seu 30° ano. O evento começou em uma cidade pequena, na fronteira entre a Inglaterra e o País de Gales, e agora possui desdobramentos ao redor do mundo, incluindo México, Colômbia e, neste ano, Dinamarca.

    Apesar de o foco ser em escritores e políticos, haverá também prática de iyengar ioga e oficinas de cerâmica, assim como atividades para crianças. Outros participantes que estarão no evento neste ano são o diretor Ken Loach e o ator Charlotte Rampling.

  • Starmus (18 a 23 de junho)

    O festival acontecerá neste ano em Trondheim, na Noruega, depois de muitos anos nas Ilhas Canárias. Stephen Hawking é o palestrante principal do evento, ao lado de Buzz Aldrin, Harrison Schmitt e Charlie Duke, astronautas que caminharam na Lua, nas missões Apollo.

    Também estarão presentes ganhadores do prêmio Nobel, físicos e músicos, entre eles Brian Eno. Cofundado pelo integrante da banda Queen, Brian May, que possui PhD em astrofísica, e por seu ex-orientador Garik Israelian, o festival une ciência e rock.

    Neste ano, as apresentações musicais incluem Steve Vai and the Primitives, Hans Zimmer, Brian May e MC Hawking (criação de Ken Lawrence que utiliza um programa que, resumidamente, transforma texto em fala para simular a voz característica de Stephen Hawking).

  • Ars Electronica (7 a 11 de setembro)

    O festival ocorre em Linz, na Áustria, todo mês de setembro, ao redor do Museum of the Future. O evento reúne artistas, cientistas e tecnólogos. Neste ano, o tema é inteligência artificial e oferece também muita música e artes visuais.

    A margem do rio, no parque Donaupark, serve como um palco ao ar livre e receberá uma apresentação do Cloud of Sound que, atualmente, consiste em 3 concertos que utilizam lasers, projeções de vídeo, fogos, navios, guindastes e balões.

  • Bienal de Veneza (até novembro)

    Há muita arte visual nas 85 salas de exposições, cada como representação de um país. O norte-americano Mark Bradford, por exemplo, transformou o famoso salão oval da bienal em uma ruína.

    A artista alemã Anne Inhof coreografou uma série de apresentações de “Fausto”, de Goethe, que acontecem embaixo de um vidro onde os visitantes passeiam. Enquanto isso, o artista Olafur Eliasson emprega migrantes para criarem arte. A bienal, como sempre, propõe-se a gerar reflexões.

  • Festival of Dangerous Ideas (setembro)

    Um final de semana de pensamentos políticos e filosóficos em Sydney que atrai palestrantes de todo o mundo. A programação de 2017 ainda não foi definida, mas o último ano contou com o artista Henry Rollins, o filósofo AC Grayling e a escritora Lionel Shriver. Também contou com o icônico Jorn Utzon, que projetou a Casa de Ópera de Sydney.

Hay Festival (25 de maio a 3 de junho)

Bernie Sanders, político norte-americano, é o mediador desse festival de literatura, que está em seu 30° ano. O evento começou em uma cidade pequena, na fronteira entre a Inglaterra e o País de Gales, e agora possui desdobramentos ao redor do mundo, incluindo México, Colômbia e, neste ano, Dinamarca.

Apesar de o foco ser em escritores e políticos, haverá também prática de iyengar ioga e oficinas de cerâmica, assim como atividades para crianças. Outros participantes que estarão no evento neste ano são o diretor Ken Loach e o ator Charlotte Rampling.

Comentários
Topo