6 passos para desenvolver pensamento crítico

Os grandes pensadores críticos são pessoas equilibradas, que praticam a moderação para se precaver contra os perigos do pensamento excessivo ou descuidado. São favoráveis a se adequar e a pensar conscientemente sobre as situações que encontram.

VEJA TAMBÉM: Por que perder a paciência não é sinal de inteligência

Verdadeiros pensadores críticos são disciplinados quanto à função de resolver situações. Eles honram o rigor do trabalho, as rotinas e os hábitos que levam ao resultado esperado, além de exercitar a inteligência emocional por meio da autoconsciência e do autocontrole.

Pensadores críticos bem-sucedidos focam nos objetivos, e não nos obstáculos. Eles não dão as respostas, mas sim a oportunidade de resolver o problema.

A elegante artimanha do pensamento crítico tem muito a ver com características do brilhantismo estratégico. Enquanto produzem resultados tangíveis e alcançáveis, ambos permanecem em si, invisível aos olhos. O renomado general chinês e estrategista militar Sun Tzu, conhecido pelo clássico “Arte da Guerra”, entendeu a sutileza ao declarar: “Todos podem ver minhas táticas de conquista, mas o que ninguém pode compreender é a estratégia que cada vitória envolve”. O mesmo é válido para a arte do pensamento crítico.

Para entender melhor a marca de um pensador crítico, pense no filme “Star Wars” e nos seus personagens Jedi. Muito do misterioso poder é camuflado e encoberto. A maneira como os sábios semelhantes aos Jedi produzem seus resultados reflete em seu estado de mente imparcial e sua intenção de pensamento.

Mesmo misteriosos, os gurus do pensamento crítico podem ser encontrados. Cabe a nós olhar mais de perto e perceber que por trás de um resultado existe um processo disciplinado em jogo. Podemos descobrir isso de duas formas. Primeiro, procure por padrões que se repitam nas soluções inteligentes. Em segundo lugar, pense em um pensador crítico que você respeita. Peça que ele mostre sua linha de raciocínio. Quando você olha com mais sensibilidade para os mentores, eles tendem a aparecer “magicamente” diante de seus olhos.

E AINDA: 6 dicas para comandar uma reunião sem dizer uma palavra

Aqui está o segredo para melhorar sua percepção: verdadeiros artistas sempre se escondem em seu ofício. Os outros valorizam mais a arte da autopromoção do que a integridade do trabalho.

A autopromoção é muitas vezes difícil de ser detectada por olhos destreinados. Tomemos, por exemplo, o caso de uma poderosa equipe de consultoria executiva, que age mais como um grupo de colaboradores e superestrelas. Como tal, eles se esforçam para fornecer e mostrar suas próprias soluções, em vez de oferecer oportunidades para cultivar essas mesmas habilidades em seus subordinados diretos. Esta é uma das principais razões pelas quais os planos de sucessão falham, e as organizações perdem os talentos em ascensão para os concorrentes.

Os mestres do pensamento crítico entendem que a excelência na inteligência crítica é resultado de hábitos bem ajustados, projetados para o sucesso recorrente na direção dos objetivos.

É muito importante praticar e aperfeiçoar o ofício invisível do raciocínio crítico, que unifica sabedoria, método e ação. Veja na galeria de fotos abaixo, 6 dicas para dominar e pensar de forma crítica:

  • 1. Pratique o pensamento equilibrado.

    Não parar por um instante para raciocinar pode refletir preguiça, arrogância e levar a um foco ruim. Enquanto isso, o excesso de pensamento pode transparecer medo e cautela e levar à rigidez e a julgamentos tendenciosos. Mentes desequilibradas tropeçam mais facilmente e caem sobre problemas e situações enfrentadas no local de trabalho, no mundo ao redor e até no universo interior. Com o tempo, a dependência excessiva do pensamento em falta/excesso faz com que o indivíduo perca a visão do que é crítico e do que é complexo.

  • 2. Exercite moderação mental e emocional.

    É preciso variar a abordagem ao resolver problemas. Basear-se em padrões que deram certo antes não é inteligente porque isso não significa que sempre funcionarão ou que são aplicáveis a todas as situações. Para variar a forma de lidar com a questão (ou quando não há certeza sobre qual outra abordagem é possível usar), incentivar as pessoas à volta a se apresentarem e contribuírem é uma das saídas. Você pode se surpreender com as descobertas.

  • 3. Pratique a consciência situacional.

    Aumente a capacidade de reconhecer pontos essenciais em situações e problemas complexos. Treine-se para desenvolver um melhor senso de proporção ao avaliar situações pessoais, práticas e teóricas em seu local de trabalho. É possível se tornar adepto disso ao ouvir não apenas o contexto ou seu julgamento do que é dito, mas também a abordagem e a construção lógica por trás de como a situação foi colocada. Peça para outras pessoas expressarem as bases sobre as quais construíram suas conclusões. Muitas vezes, desconstruir ponto a ponto é a melhor maneira de aprender, e há menos chances de seu pedido ser mal interpretado.

  • 4. Exerça e promova um pensamento disciplinado, eficaz e eficiente.

    Treine seu time para pensar de forma mais eficaz e eficiente nas reuniões. Mantenha esses encontros explosivos, onde todos ficam em pé, em vez de se sentarem. Ter reuniões mais curtas também serve para disciplinar a equipe a permanecer no ponto e não se perder em divagações sobre um problema.

    Tente usar uma estrutura pontual e disciplinada para ter reuniões compactas. Por exemplo: defina o problema a ser tratado em dois minutos, aguarde três minutos para dizer o que espera, reserve quatro minutos para elencar os obstáculos e, em quatro minutos, liste as ações necessárias para superar os entraves. Em seguida, em dois minutos, delegue à sua equipe as tarefas listadas.

    Siga esta estrutura básica, e o problema será resolvido, e todos voltarão a trabalhar em 15 minutos.

  • 5. Expresse uma inteligência emocional enriquecida.

    Líderes de verdade são autoconscientes. Praticam conhecer a si mesmos e aos outros. Buscam primeiro compreender a necessidade do próximo a ser compreendido.

    Expressar empatia e acreditar nas pessoas é uma ótima maneira de entender melhor o outro. Você também pode praticar o aperfeiçoamento do autocontrole e ter domínio sobre o seu humor. Isso ajudará você a ter controle sobre impulsos disruptivos, em vez de ser controlado por eles.

  • 6. Concentre-se nos objetivos, não nos obstáculos.

    Aprenda a manter os olhos no fluxo de trabalho para conquistar os objetivos na hora certa. Com mais foco no objetivo, os obstáculos irão distrair menos.

    Bons colaboradores se destacam na perspicácia do pensamento crítico. Eles se vêem humildemente fazendo o que é funcionalmente necessário para resolver problemas, por meio de soluções elegantes.

1. Pratique o pensamento equilibrado.

Não parar por um instante para raciocinar pode refletir preguiça, arrogância e levar a um foco ruim. Enquanto isso, o excesso de pensamento pode transparecer medo e cautela e levar à rigidez e a julgamentos tendenciosos. Mentes desequilibradas tropeçam mais facilmente e caem sobre problemas e situações enfrentadas no local de trabalho, no mundo ao redor e até no universo interior. Com o tempo, a dependência excessiva do pensamento em falta/excesso faz com que o indivíduo perca a visão do que é crítico e do que é complexo.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).