Conheça a plataforma dedicada a ajudar funcionários

iStock
É provável que aqueles que oferecem apoio e pedem por ajuda serão os que subirão mais dentro das empresas

“Não me traga problemas, traga-me soluções” é uma máxima que surgiu com as melhores intenções. Gerações de empresários repetem essa frase, talvez na esperança de encontrar funcionários que resolvam problemas de maneira inovadora. O problema é que, em vez de formar uma força de trabalho criativa, essa abordagem provocou um grande receio em pedir ajuda a um superior.

LEIA MAIS: 5 dicas para lidar com a desmotivação no trabalho

Após o lançamento, em 2013, do livro “Dar e Receber”, de Adam Grant, diversas organizações começaram a entender que pedir ajuda não deve ser considerado um sinal de fraqueza. Em seu bestseller, o psicólogo organizacional e professor da Wharton School da Universidade da Pensilvânia apresenta interações humanas básicas sob outra visão, ao oferecer a teoria de que aqueles que pedem por auxílio e ajudam são mais fortes psicologicamente e com mais chances de avançar em suas carreiras do que seus colegas.

O livro foi recebido com entusiasmo por líderes de negócios, incluindo o presidente-executivo da Estée Lauder Companies, William P. Lauder, que chamou a obra de o “único e necessário kit de ferramentas” que devemos ter. Kenneth Frazier, CEO da Merck & Co., classificou o livro como “leitura esclarecedora para líderes que visam criar significativas e sustentáveis mudanças para seus meios”.

No entanto, por mais revolucionário que tenha sido, “Dar e Receber” foi apenas uma leitura. Para realmente engajar uma cultura de generosidade, empregadores precisam de soluções mais concretas e crescentes.

Empresas pediram ajuda a Grant e, em março deste ano, ele respondeu aos apelos com Givitas, uma plataforma que divide conhecimento e pretende oferecer um caminho simples para apoiar funcionários. A tecnologia é baseada nos princípios apresentados em sua obra, assim como no trabalho de Wayne e Cheryl Baker, cocriadores do “Reciprocity Ring”, um exercício em grupo que encoraja a abordagem colaborativa para a solução de problemas. Juntos desde o ano passado, os três se tornaram o time fundador da Give and Take, Inc., a empresa que produz o software da Givitas.

“Nosso objetivo é apoiar o movimento de uma cultura de se ajudar, em que pedir por auxílio é visto como algo positivo”, diz o CEO da Give and Take, Larry Freed. “Achamos que o processo de pedir ajuda e de ajudar é essencial para o sucesso de empresas, portanto, merece ter seu próprio foco.”

VEJA TAMBÉM: 5 dicas para contratar ótimos freelancers

Givitas, versão digital do “Reciprocity Ring”, permite que empregadores criem círculos, ou canais para departamentos específicos, para os quais os usuários possam enviar perguntas para todo o grupo, por meio de um formulário online. “Na maioria das vezes, nós não sabemos nem sequer a quem pedir ajuda”, diz Freed. “Na plaataforma, você tem a capacidade de alcançar uma grande quantidade de pessoas e criar vínculos com milhares”.

Todos os dias, os usuários recebem um email que detalha as perguntas enviadas para o seu círculo. Se alguns dos integrantes do grupo achar que pode responder, apenas loga no Givitas e oferece ajuda. Se não, podem simplesmente seguir com o resto do dia. Quando os pedidos estão resolvidos, ficam marcados como tal. “A parte mais difícil de ajudar alguém é entender quando há um pedido por isso”, diz Freed. “Pretendemos facilitar o processo, para que todos possam fazê-lo pelo menos 5 minutos ao dia”.

Com o passar do tempo, o sistema marca as perguntas mais frequentes, suas melhores respostas e cria um recurso que vai além da empresa. Mais do que isso, toda comunicação é transparente, como uma tentativa de eliminar o estigma associado à procura de ajuda. “Se você vê outras pessoas que pedindo, se torna muito mais fácil de fazer o mesmo. Torna-se algo comum”, aponta Freed.

É grande o potencial da Givitas, claro, ao considerarmos que as 500 maiores corporações do mundo perdem US$ 31,5 bilhões anualmente, quando seus funcionários falham em passar informações de modo eficiente. Também pode ser algo vantajoso para trabalhadores que, em média, passam 25% de seus dias à procura de informações internas.

Quando funcionários participam ativamente de uma cultura beneficente, não apenas se tornam mais bem informados, mas parte de uma rede, em seu trabalho, muito maior e mais engajada. “As melhores influências no envolvimento dos funcionários não são as vantagens como as cafeterias, o bagel gratuito na terça-feira ou um dia para levar o cachorro ao trabalho, mas sim as relações construídas e a confiança nas pessoas”, ensina Freed. “Ao ajudar uns aos outros, isso é fortalecido.”

É provável que aqueles que oferecem apoio e pedem por ajuda serão os que subirão mais dentro das empresas. “Eles mostram, dessa forma, que estão dispostos a colocar seus locais de trabalho à frente dos próprios egos”, diz Freed. “A habilidade de ajudar os outros é sempre vista como um grande atributo de liderança. Como líder, você está lá para auxiliar sua equipe a ser bem-sucedida.”

Givitas é uma plataforma recente e ainda não muito conhecida, portanto, Freed sugere que aqueles que desejem começar a ajudar e a pedir auxílio comecem por pedir algo a um colega de trabalho. “A maioria das pessoas estão predispostas a ajudar. O problema é que ninguém pede. Tomar esse risco vale a pena”, completa.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).