Medida simples pode acabar com o assédio nas empresas

O movimento #Metoo fez muitas organizações lutarem para descobrir como reduzir o assédio sexual em seus locais de trabalho. Infelizmente, os programas tradicionais de treinamento em prevenção desse tipo de violência não são muito eficientes e, até o momento, não há um método seguro garantido para reduzi-la. A boa notícia é que as “National Academies of Science, Engineering and Medicine” (NASEM) norte-americanas acabaram de completar dois anos de pesquisa sobre o tema e têm algumas sugestões a oferecer.

LEIA MAIS: Como as empresas devem combater o assédio sexual

Embora o foco das entidades seja na prática do assédio sexual na ambiente da academia, a maioria de suas percepções e recomendações é aplicável a todos os tipos de organizações. Uma das sugestões pareceu particularmente promissora – e é lamentável que as organizações nunca a usem.

A pesquisa de clima

Em seu relatório divulgado em junho, a NASEM propôs várias soluções interessantes e implementáveis ​​para reduzir o assédio. Embora todas as suas recomendações sejam razoáveis, uma se destaca não apenas pelo potencial para reduzir a violência, mas também porque pode ser implementada de maneira fácil e imediata pelas organizações.

A solução que oferece tantas promessas é uma simples pesquisa de clima. “Criar um ambiente que previna o assédio sexual requer, primeiro, uma compreensão clara do ambiente atual e, em seguida, seu acompanhamento ao longo do tempo”, descreve a NASEM no relatório. Em outras palavras, a sugestão é que as organizações estejam cientes do estado atual de assédio sexual em seus ambientes internos e do tipo, caso tenham. Essa solução é facilmente implementável e, na sua forma mais simples, envolve apenas o levantamento regular de funcionários e o questionamento se eles já experimentaram ou presenciaram os tipos de comportamentos expostos em uma lista.

Benefícios da ferramenta de pesquisa de clima

O uso desse tipo de pesquisa de clima alertaria as organizações sobre problemas existentes ou possíveis e, especificamente, sobre a frequência e a natureza do assédio sexual na empresa. A companhia poderia, então, adaptar sua própria resposta aos problemas específicos enfrentados por seus funcionários. Atualmente, as empresas se baseiam em reclamações formais para determinar a extensão do assédio. No entanto, pesquisas indicam que a maioria das vítimas de assédio sexual não faz uma denúncia oficial. Pesquisas de clima dariam às organizações uma avaliação mais precisa do nível e do tipo de assédio sofrido por seus profissionais.

O melhor de tudo é que as organizações poderiam usar os resultados das pesquisas de clima para determinar a eficiência de suas iniciativas para reduzir o assédio. As empresas oferecem treinamentos de prevenção de assédio sexual há décadas e, recentemente, pesquisadores descobriram que a maior parte desse treinamento faz pouco para reduzir esse tipo de violência. A parte triste é que ninguém sabia há anos se o treinamento de prevenção de assédio sexual era eficaz ou não. O feedback das pesquisas sobre clima pode ajudar as organizações a descobrirem o que funciona ou não para reduzir o comportamento.

VEJA TAMBÉM: O preço do assédio: 7 casos em que abusos sexuais renderam grandes prejuízos financeiros

A NASEM afirma que divulgar publicamente os resultados da avaliação também teria o efeito positivo de demonstrar um compromisso em abordar o problema do assédio sexual. Soa como um ganho para as organizações, e é lamentável que a maioria delas considere essa estratégia muito arriscada.

A improbabilidade do uso dessa ferramenta

Infelizmente, as mesmas pesquisas de clima que podem ajudar a reduzir o assédio também representam um risco significativo de relações públicas e jurídicas para a organização. Suponha, por exemplo, que o relatório indique que a empresa tem muitos casos ou, até mesmo, uma quantidade moderada de assédios. E que os resultados do levantamento tenham vazado para a imprensa. Isso resultaria em um pesadelo de relações públicas.

Além disso, se a pesquisa revelar que os funcionários de uma empresa estão enfrentando problemas de assédio sexual e que ela não está conseguindo erradicá-los, acabará tornando-se legalmente responsável. A justiça pode entender que a organização não está tomando o devido cuidado para evitar e corrigir o problema.

É por isso que muitas empresas acreditam que não vale a pena investir em ferramentas de pesquisa de clima. No entanto, se as organizações não avaliarem seu próprio ambiente, não irão entender completamente o escopo do problema. Em vez de uma vitória para ambos os lados, a situação acabará sendo uma derrota para a companhia. Quando o aspecto legal entra em conflito com procedimentos que podem reduzir o assédio, cria-se um problema. Precisamos abordar esses conflitos se quisermos locais de trabalho livres de assédio sexual.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).