3 dicas para mães se livrarem da perfeição no trabalho

iStock
As mães que trabalham têm de arranjar uma saída de seus próprios jeitos

A maioria de nós, mães, já teve esse sentimento: sem saber exatamente o que fazer em seguida, paramos, assustadas. Sofremos de paralisia da perfeição, presas a um ciclo aparentemente interminável.

LEIA MAIS: Por que a rotina matinal é essencial para mães empreendedoras

A perfeição é tão ofuscante que faz com que até mesmo os indivíduos mais ambiciosos e trabalhadores fiquem congelados de medo. Esse medo de não ser, fazer ou se sentir bem o suficiente acaba por cobrar um preço, na maioria das vezes, muito mais alto para as mulheres do que para os homens. Pense na maternidade: podemos todas nos resignar a uma vida de infinita frustração.

Embora a paralisia da perfeição seja algo com que muitas pessoas lidem em todas as fases de suas carreiras, as mães com trabalho remunerado podem se ver ainda mais afetadas, já que lidam com o perfeccionismo profissional e na figura materna. Há uma ideia de que, para ser um bom funcionário, você tem de estar acessível 24 horas por dia e ser capaz de viajar ou alterar planos a qualquer momento. E, para ser uma boa mãe, você deve estar disponível para seus filhos 24 horas por dia, 7 dias por semana, e lidar graciosamente com a multiplicidade de solicitações, tarefas e necessidades dos pequenos, enquanto ainda cantarola canções de ninar e assa um bolo.

As mães que trabalham têm de arranjar uma saída de seus próprios jeitos. De alguma forma, as mulheres são criadas para serem todas as coisas para todas as pessoas em todos os momentos. Dada a nossa inclinação para nutrir e estar a serviço dos outros, não é surpresa que a maioria das mulheres aproveite a função multitarefa e esteja no topo. O que acontece com demasiada frequência é que elas continuam a elevar o nível e exigem o melhor de si sempre. Antes de sabermos, a perfeição é o objetivo, e alcançá-lo é impossível.

Segundo as autoras Joan C. Williams e Rachel Dempsey, mães que trabalham fora são atormentadas pela síndrome Prove-It-Again no escritório. Em suas pesquisas, elas descobriram que profissionais que são mães são repetidamente forçadas a provar seu valor e competência aos seus colegas e empregadores. Essa síndrome é mais aparente quando as mulheres retornam ao trabalho após a licença-maternidade. Elas continuam a lutar pelo perfeccionismo e temem desapontar as pessoas ao seu redor. Infelizmente, a pressão de ser mãe e funcionária perfeita aumenta durante esse período crucial e, eventualmente, leva ao esgotamento.

VEJA TAMBÉM: Como as mães millennial têm mudado o mercado de trabalho

A perfeição é uma sugadora de tempo. Não há horas suficientes no dia para ser perfeita, e errar é humano. Quanto mais aceitarmos esse fato, mais saudáveis ​​e felizes serão nossas vidas.

Ser perfeita também não deve ser usado como um distintivo de honra. A única batalha que você está ganhando é aquela que está a prendendo. A perfeição é a busca fútil de um objetivo inatingível. Repita comigo: perfeição é a busca fútil de um objetivo inatingível. Se você almeja a perfeição, você falhou antes mesmo de começar. Você se deve mais do que isso.

Veja, na galeria de fotos abaixo, 3 maneiras de diminuir o desejo de perfeição e ampliar sua eficiência em casa e no escritório:

  • 1. Liberte-se

    Desistir da noção de perfeccionismo e encontrar maneiras de ser bem-sucedida em seus próprios termos é a chave para se sentir confiante em suas decisões. As redes sociais projetam um sentido alterado e um tanto falso da realidade de outra pessoa. Ainda que alguns momentos profissionais e pessoais da vida exijam um desempenho excepcional, isso não equivale à perfeição. Ser boa é ser boa o suficiente. E como Sheryl Sandberg, COO do Facebook, insiste em dizer: “Feito é melhor que perfeito”.

  • 2. Avalie se vale a pena

    Considere o retorno que você terá em relação ao tempo gasto no trabalho. É o que se chama R.O.T. (Return on Time, ou Retorno pelo Tempo Gasto, em tradução livre). Passar horas para ajustar um projeto realmente valerá a pena? Ou ele já está “bom o suficiente?” Frequentemente, precisamos socializar nosso trabalho, interagir com os outros e depois incorporar o feedback antes de o finalizar. Monitorar seu R.O.T. é especialmente útil na hora de se planejar. E isso poderá tirá-la do escritório a tempo de dizer “boa noite” ou passear com seus filhos.

  • 3.Priorize suas tarefas

    Funcionárias mães são multitarefas fenomenais. Nós nos movemos sem esforço de uma tarefa para outra. Concentramos nossa atenção no dever em mãos e aproveitamos ao máximo as restrições de tempo. Se você sabe que tem de pegar seu filho na creche às 17h30, isso a obriga a estruturar o dia de acordo com esse compromisso e a não perder tempo.

1. Liberte-se

Desistir da noção de perfeccionismo e encontrar maneiras de ser bem-sucedida em seus próprios termos é a chave para se sentir confiante em suas decisões. As redes sociais projetam um sentido alterado e um tanto falso da realidade de outra pessoa. Ainda que alguns momentos profissionais e pessoais da vida exijam um desempenho excepcional, isso não equivale à perfeição. Ser boa é ser boa o suficiente. E como Sheryl Sandberg, COO do Facebook, insiste em dizer: “Feito é melhor que perfeito”.

 

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).