5 países para viver por menos de US$ 1,5 mil por mês

iStock
Nestes lugares, é possível aliar qualidade de vida e orçamento acessível

Mais do que nunca os norte-americanos estão deixando seus empregos e se mudando para outros países ou se aposentando no exterior – 8,7 milhões, para ser exato, segundo dados do Departamento de Estado. E um dos fatores determinantes para isso é o baixo custo de vida em outras localidades.

LEIA MAIS: Como criar uma empresa-unicórnio

Os editores da “International Living” publicaram recentemente uma lista dos cinco melhores lugares onde um casal pode viver com menos de US$ 30 mil por ano, ou US$ 2,5 mil por mês. E adivinha? Se você é solteiro, esse valor é ainda menor. No Camboja, por exemplo, é possível viver confortavelmente por apenas US$ 1.150 por mês. O lugar mais caro da lista – que se estende do Sudeste Asiático à Europa e à América Latina – chega a apenas US$ 1,5 mil por mês por pessoa.

Veja, na galeria de fotos abaixo, 5 países onde você pode viver por menos de US$ 1,5 mil:

  • Camboja

    Por que é um ótimo lugar: Pelo terceiro ano consecutivo, o Camboja, acessível e exótico, conquistou o primeiro lugar na categoria de custo de vida do Índice Anual de Aposentadoria Global da “International Living”. “O país pode ficar mais distante, mas essa é a única desvantagem. É um lugar onde você pode melhorar instantaneamente seu estilo de vida enquanto reduz o custo”, diz Jennifer Stevens, editora-executiva da publicação.

    Sugestão de cidade: Phnom Penh, a capital do país. “Edifícios coloniais franceses, avenidas arborizadas e palácios dourados são parte da paisagem. É lindo”, diz Jennifer. “E, também, é um ótimo ponto de partida para explorar a região.” Há uma ótima energia local em Phnom Penh, com sua vibrante comunidade de artes e lojas elegantes. E não há nada como ir à esquina, de manhã, para pegar um coco fresco e um jornal.

    O Custo: Embora o custo de vida no Camboja possa ser um dos mais baixos do mundo, o padrão de vida é alto. Em Phnom Penh, você pode encontrar um apartamento de quarto e banheiro para alugar, com varanda, no centro da cidade, por apenas US$ 250 por mês. Serviços públicos (água, eletricidade, lixo, gás de cozinha, água potável) custam, em média, de US$ 80 a US$ 100 por mês. O jantar em um restaurante internacional de alta qualidade custa US$ 10 por pessoa. E US$ 200 por mês manterão sua geladeira cheia de comida, frutas frescas e vegetais. Uma pessoa sozinha é capaz de viver no país por US$ 1.150 por mês – ou menos. Um casal pode viver bem com um orçamento mensal de US$ 2.000.

  • Panamá

    Por que é um ótimo lugar: O Panamá atrai uma próspera comunidade empresarial internacional, bem como expatriados atraídos por suas cidades, praias e facilidades de vida. A moeda é o dólar norte-americano e muita gente por lá fala inglês. Também há uma comunidade médica bem treinada. Além disso, é conveniente: o aeroporto internacional oferece conexões diretas para muitas outras partes do mundo.

    Sugestão de cidade: Na ponta da Península de Azuero, Pedasí é uma pequena cidade pesqueira a cerca de cinco horas de carro da Cidade do Panamá. “Para uma vida tranquila e rural e a brisa do oceano, Pedasí, no Pacífico do Panamá, merece uma visita”, diz Jennifer. “É relativamente remota, mas a pequena comunidade de língua inglesa tem uma reputação muito amigável e com o estilo de vida à beira-mar, você teria dificuldade em superar os preços baixos dessa cidade do surfe.”

    O Custo: O custo de vida é uma grande atração em todo o Panamá e, principalmente, em Pedasí. Você pode almoçar por valores entre US$ 3 e US$ 7 por pessoa e jantar por US$ 6 a US$ 12. Uma cerveja vai de US$ 1 a US$ 2 a garrafa, o seguro do carro não custa mais do que US$ 600 por ano e você pode contratar uma empregada por apenas US$ 15 por meio dia, além de um faz-tudo para ajudar com sua casa por US$ 5 a hora. Uma pessoa sozinha pode viver lá com o modesto orçamento de US$ 1.391, enquanto para o casal o custo subiria para US$ 1.665 por mês.

  • Equador

    Por que é um ótimo lugar: Qual é o seu destino dos sonhos? Se você está em busca de uma região de praia intocada, uma cidade movimentada ou uma tranquila aldeia nas montanhas, você encontrará no Equador. Além disso, o clima é bom o ano todo.

    Sugestão de cidade: Procurando por uma vida sofisticada com um orçamento baixo? Você deve então considerar a cidade colonial de Cuenca, terceira maior cidade do Equador e um dos cinco Patrimônios Mundiais da UNESCO. “Cuenca é rica em parques, dos quais as pessoas realmente desfrutam, igrejas centenárias, muitos restaurantes e uma oferta aparentemente infinita de sinfonias, teatros, dança e música – atrações muitas vezes gratuitas”, diz Jennifer. “Você pode viver bem no coração do centro da cidade e é um lugar fácil para se locomover sem a necessidade de um carro.”

    O custo: Morar em Cuenca custa cerca de 25% do que custaria em algumas partes dos Estados Unidos. Uma pessoa sozinha pode viver na cidade com US$ 1.440 por mês, enquanto um casal deve esperar gastar US$ 1.680, excluindo as viagens. As ofertas imobiliárias são muito acessíveis: apenas US$ 500 por mês para um apartamento de dois quartos e dois banheiros no bairro Puertas del Sol. Você não vai precisar de um carro por lá: pode pegar um táxi por apenas US$ 3,50 ou um ônibus para as cidades vizinhas por US$ 2.

  • Portugal

    Por que é um ótimo lugar: “Por muito tempo ignorada pelos norte-americanos, Portugal tem baixos custos, cultura rica, ritmo lento, cidades históricas, clima quente e paisagens variadas, características que estão atraindo muitos aposentados dos Estados Unidos nos últimos tempos. E com razão: é o país da Europa Ocidental atualmente com os melhores custos”, diz a especialista.

    Sugestão de cidade: Um dos melhores locais para morar é o discreto município Mafra, localizado 34 km a noroeste de Lisboa e a 15 minutos das deslumbrantes praias de surfe de Ericeira. A vila tem casas brancas, ruas estreitas de paralelepípedos, toneladas de cafés e bares e uma grande variedade de atividades ao ar livre. Ao lado de um dos maiores palácios nacionais do país há um enorme parque chamado Jardim. Na antiga área de caça real, Tapada de Mafra, é possível fazer trilhas a pé e usar a mountain bike.

    O Custo: De acordo com a “International Living”, os preços são baixos. Você pode pagar US$ 5 por um lanche fast-food, cerca de US$ 7 por pessoa para uma refeição em um restaurante barato ou US$ 10 em um restaurante de médio porte. No supermercado, uma garrafa de meio litro de cerveja local custa US$ 1 e uma garrafa de um bom vinho custa ao redor de US$ 4. Os táxis começam em cerca de US$ 4. O aluguel também é atraente. Uma casa de dois andares com quatro quartos, quatro banheiros, uma garagem para quatro carros e uma pequena casa de hóspedes, todos a uma curta distância do centro da cidade, pode ser sua por US$ 1 mil por mês. O orçamento para uma pessoa sozinha em Mafra gira em torno de US$ 1.465 por mês. Um casal pode viver bem com um orçamento mensal de US$ 2.034.

  • Costa Rica

    Por que é um ótimo lugar: Este país conquistou as principais honras como o melhor lugar do mundo da “International Living” em 2018 para se aposentar. “A Costa Rica é um país seguro, com um bom custo de vida e bonito, que oferece uma ampla variedade de climas e estilos de vida em meio ao que é realmente um paraíso natural”, diz Jennifer.

    Sugestão de cidade: Não muito longe da capital San José, o Vale Central da Costa Rica abriga cerca de dois terços da população do país e é um flashback de uma época mais simples. “Tranquilas, verdes, ecologicamente corretas e parte de um longo refúgio para os norte-americanos que buscam clima primaveril durante todo o ano, as aldeias espalhadas pelo Vale Central da Costa Rica representam um excelente retorno para investimentos”, diz Jennifer. Algumas das cidades mais populares para os estrangeiros incluem Grecia, Atenas, San Ramon, Sarchi, Escazu, Santa Ana, Puriscal e Ciudad Colon. Outro atrativo é que os expatriados podem viver confortavelmente ao lado dos costarriquenhos. Existem comunidades residenciais seguras, excelentes instalações médicas, ótimos restaurantes e muitas maravilhas naturais: vulcões, cachoeiras, rios e florestas.

    O custo: Uma pessoa solteira pode viver com apenas US$ 1,5 mil por mês no Vale Central, embora seja possível economizar e viver até com menos. Para um casal, US$ 2 mil são suficientes.

Camboja

Por que é um ótimo lugar: Pelo terceiro ano consecutivo, o Camboja, acessível e exótico, conquistou o primeiro lugar na categoria de custo de vida do Índice Anual de Aposentadoria Global da “International Living”. “O país pode ficar mais distante, mas essa é a única desvantagem. É um lugar onde você pode melhorar instantaneamente seu estilo de vida enquanto reduz o custo”, diz Jennifer Stevens, editora-executiva da publicação.

Sugestão de cidade: Phnom Penh, a capital do país. “Edifícios coloniais franceses, avenidas arborizadas e palácios dourados são parte da paisagem. É lindo”, diz Jennifer. “E, também, é um ótimo ponto de partida para explorar a região.” Há uma ótima energia local em Phnom Penh, com sua vibrante comunidade de artes e lojas elegantes. E não há nada como ir à esquina, de manhã, para pegar um coco fresco e um jornal.

O Custo: Embora o custo de vida no Camboja possa ser um dos mais baixos do mundo, o padrão de vida é alto. Em Phnom Penh, você pode encontrar um apartamento de quarto e banheiro para alugar, com varanda, no centro da cidade, por apenas US$ 250 por mês. Serviços públicos (água, eletricidade, lixo, gás de cozinha, água potável) custam, em média, de US$ 80 a US$ 100 por mês. O jantar em um restaurante internacional de alta qualidade custa US$ 10 por pessoa. E US$ 200 por mês manterão sua geladeira cheia de comida, frutas frescas e vegetais. Uma pessoa sozinha é capaz de viver no país por US$ 1.150 por mês – ou menos. Um casal pode viver bem com um orçamento mensal de US$ 2.000.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).