7 atitudes que podem acabar com a imagem do funcionário

Uma carreira de sucesso em uma boa empresa com uma excelente remuneração é o sonho de todo profissional. Para alcançá-lo, boa parte dos trabalhadores investem, continuamente, em formações e especializações, de maneira a tornar o currículo cada vez mais atraente. A má notícia é que só isso não basta para alcançar o tão sonhado sucesso profissional.

LEIA MAIS: 5 atitudes que prejudicam a sua felicidade no trabalho

Segundo o professor Francisco Almeida, especialista em Gestão de Pessoas e Liderança, atitudes cotidianas, imagem pessoal, posicionamento otimista e muita disposição podem fazer toda diferença. “Na hora da contratação ou da tão sonhada promoção, devemos sempre pensar se nós mesmos nos contrataríamos ou nos indicaríamos para a vaga dos sonhos. Além disso, é importante fazer uma análise dos pontos que podem ser melhorados”, aponta.

Almeida reforça, ainda, que devemos parar de terceirizar a culpa. “Precisamos ter sempre em mente que, independentemente do quanto trabalhamos, nossas atitudes e postura profissional e pessoal afetam nós mesmos antes de afetar a empresa.”

Veja, na galeria de fotos a seguir, 7 atitudes que podem acabar com a imagem de qualquer profissional:

  • 1. Cara feia

    “Cara feia mostra imaturidade, falta de racionalidade e insensatez. Se há algum problema, seja no trabalho ou em qualquer ambiente, devemos conversar para que haja um consenso e o problema seja resolvido”, diz Almeida.

    Para que sejamos bons profissionais, o especialista defende a maturidade como arma para a resolução de conflitos e discordâncias. “Bom ânimo e sorriso no rosto não custam nada e deixam a vida mais leve, tornando o trabalho mais prazeroso.”

  • 2. Falta de flexibilidade com tarefas menos prazerosas e demandas extras

    “Com um mercado cada vez mais competitivo, a exigência por profissionais flexíveis, dispostos e funcionais está cada vez maior. Posicionamentos do tipo ‘não sou pago para fazer isto’ podem ser considerados suicídios profissionais. Se o profissional quer alçar voos maiores, ele deve fazer diferente da maioria das pessoas e entender que quando é solicitado para tarefas extras, significa que acreditam que sua capacidade está além daquilo que faz cotidianamente.” O especialista ainda cita a máxima: “Faça aquilo que qualquer um pode fazer e logo aparecerá alguém que faça pela metade do valor. Faça algo que ninguém está disposto ou capacitado a fazer e logo será indispensável”.

  • 3. Procrastinação constante

    “A procrastinação faz com que você trabalhe em dobro, traz cansaço mental e físico e acaba se tornando um ciclo vicioso que faz com que sua função e seu tão sonhado cargo torne-se um fardo.” Segundo o especialista, a procrastinação cega anula o indivíduo, compromete o desempenho e destrói resultados. Se deseja ser disputado pelo mercado, a dica é se livrar deste hábito o mais rápido possível e começar a realizar as tarefas que tanto empurra com a barriga.

  • 4. Dizer não sem argumentos

    Claro que se pode dizer ‘não’ ao chefe ou a qualquer outra pessoa, porém o especialista alerta que devemos sempre analisar a forma como isso é feito e as consequências. “Esse ‘não’ tem que ter coerência e bons argumentos. Um ‘não’ sem fundamento lógico pode ser confundido com insubordinação, o que pode colocar seu cargo em risco.”

    Almeida orienta que, quando você se recursar a fazer algo, use sempre um tom respeitoso, levando em conta a posição hierárquica e a experiência do seu líder.

  • 5. Fofocas e ‘indiretas’

    Além de ser antiético, um comportamento que inclui fofocas e “indiretas” é um dos mais indigestos no meio corporativo. “Destoa completamente do âmbito profissional e transmite falta de confiança. É uma atitude que, além de prejudicar os profissionais que são alvo da fofoca, com o tempo acaba com a imagem do ‘fofoqueiro’.”

  • 6. Falta de zelo com a imagem online e off-line

    Todo mundo já ouviu dizer que uma imagem vale mais do que mil palavras. Essa é uma das verdades que o professor defende. “A forma que nos cuidamos diz muito o nível de respeito. Costumo dizer que se gostamos daquilo que fazemos, devemos nos arrumar como quando vamos a uma festa, preocupando-nos com cada detalhe. O profissional precisa entender que devemos nos preocupar em passar seriedade e boa impressão sempre.”

    No âmbito virtual, segundo ele, não deve ser diferente. “Não podemos ser uma pessoa no ambiente de trabalho, outra na comunidade e outra nas redes sociais, não somos personagens. Somos a mesma pessoa e assim seremos vistos, então todo zelo e cuidado é pouco.”

  • 7. Comodismo

    A última e não menos importante atitude que devemos avaliar é o comodismo. Nada nunca permanecerá igual: ou subimos ou descemos. “Da mesma forma, ninguém sabe de tudo. Somos seres ‘aperfeiçoáveis’ e devemos buscar constantemente novas técnicas e conceitos dentro ou fora de nossa área de atuação, principalmente nos dias de hoje, onde tudo muda muito rápido. Se você não expandir sua mente, não estudar, não buscar capacitação, vai ficar para trás, vai despencar e pode perder lugar no mercado.”

1. Cara feia

“Cara feia mostra imaturidade, falta de racionalidade e insensatez. Se há algum problema, seja no trabalho ou em qualquer ambiente, devemos conversar para que haja um consenso e o problema seja resolvido”, diz Almeida.

Para que sejamos bons profissionais, o especialista defende a maturidade como arma para a resolução de conflitos e discordâncias. “Bom ânimo e sorriso no rosto não custam nada e deixam a vida mais leve, tornando o trabalho mais prazeroso.”

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).