Como saber se o seu potencial de liderança está sendo sabotado

iStock
Leva tempo e também coragem para explorar algo novo

É fácil retroceder a um comportamento anterior depois de receber uma promoção. Afinal de contas, o que você fez, do ponto de vista comportamental, e como se apresentou funcionou, caso contrário você não teria sido promovido, certo?

LEIA MAIS: 4 formas de reconhecer a relevância do seu trabalho

Embora seja verdade que o seu comportamento no passado pode tê-lo impulsionado, também é verdade que o que o trouxe até aqui não o levará até lá. No entanto, quando você soma a isso o atual ritmo acelerado dos negócios, torna-se ainda mais atraente voltar ao que você já sabe. Afinal, quem tem tempo para pensar e planejar o que poderia funcionar? Você precisa de resultados – e imediatos.

Se você se identifica com o cenário descrito, considere isso um sinal de que você pode estar sabotando seu próprio potencial de liderança. Como coach especializado em equipes de liderança, um dos desafios mais comuns que vejo é a falta de pensamentos de alto nível. A tendência dos líderes e de administradores recém-formados é permanecer no nível tático, em vez de “elevar” seu pensamento ao estratégico. É uma grande mudança, com certeza. Leva tempo e também coragem para explorar algo novo, em vez de continuar trabalhando no térreo, fazendo aquilo que já se sabe fazer.

Veja, na galeria de fotos abaixo, 3 sinais que indicam que você pode estar sabotando seu potencial de liderança:

  • Você define uma tarefa em vez de uma direção

    Ninguém gosta de ser microgerenciado. Como líder, seu trabalho é identificar o perfil de um vencedor e dizer “faça acontecer”. Se um integrante da equipe tiver uma dúvida, resista à vontade de respondê-la direta ou imediatamente. Em vez disso, conduza com curiosidade, fazendo perguntas que o ajudarão a entender como ele pensa, a identificar o que ele valoriza e a guiar seu pensamento do modo tático para o estratégico. Além disso, certifique-se de estabelecer um cronograma claro dos tipos de reunião que manterão você informado sobre o progresso, para que você não precise fazer o check-in a cada hora. Não fazer o trabalho no lugar da sua equipe não significa não saber o que está acontecendo.

  • Você diz sim a tudo

    Ok, talvez não a “tudo”, mas se você está mais ansioso para entrar e fazer algo do que dar um passo atrás e avaliar quem é o melhor candidato para a tarefa, então esse é um sinal de auto-sabotagem da liderança. A menos que haja superpoderes dos quais eu ainda não tenha consciência, ninguém pode fazer tudo sozinho. Considere as decisões que você tomou nesta semana ou na semana passada e conte quantas dessas decisões poderiam ter sido tomadas por alguém de um, dois ou até três níveis abaixo de você. Então, pergunte-se por que você tomou essa atitude. Se a resposta for porque foi mais fácil ou mais rápido, então é hora de reavaliar o que você valoriza como líder.

  • Você não questiona

    Uma das diferenças que notei entre os escalões militares durante minha carreira na marinha foi a qualidade do treinamento. A preparação das unidades de nível inferior era impulsionada pelo cronograma, enquanto as unidades hierárquicas mais altas tinham como foco o objetivo principal do treinamento.

    No primeiro caso, os integrantes treinavam até o final do dia, mesmo que suas mentes e corpos estivessem saturados. Mesmo depois de atingirem o objetivo do treinamento, continuavam treinando, já que era isso que o cronograma determinava. Unidades de níveis mais altos, no entanto, treinavam até não estarem mais aprendendo. Em vez de repetirem os movimentos, eles se concentravam no aprendizado derivado da própria evolução. Às vezes, o treinamento durava apenas uma hora, outras vezes durava o dia inteiro.

    Há dois pontos dignos de análise nessa história. Primeiro: sempre pergunte por quê. Não assuma que um processo atual ou estável está certo apenas porque ele faz parte de um hábito. Se você não se questionar, nunca descobrirá como poderia ter sido. Segundo: se as métricas pelas quais você mede seu desempenho ou o desempenho de sua equipe não se somam, é hora de propor alterações ou pedir a seu chefe que esclareça as prioridades. As pessoas têm perspectivas diferentes sobre o que deve ser medido com base em seus próprios antecedentes e função de negócios. Algumas pessoas valorizam as vendas ou as finanças, enquanto outras se concentram nas operações, no capital humano ou no cliente. Conseguir clareza agora vai lhe poupar um monte de caos mais tarde.

Você define uma tarefa em vez de uma direção

Ninguém gosta de ser microgerenciado. Como líder, seu trabalho é identificar o perfil de um vencedor e dizer “faça acontecer”. Se um integrante da equipe tiver uma dúvida, resista à vontade de respondê-la direta ou imediatamente. Em vez disso, conduza com curiosidade, fazendo perguntas que o ajudarão a entender como ele pensa, a identificar o que ele valoriza e a guiar seu pensamento do modo tático para o estratégico. Além disso, certifique-se de estabelecer um cronograma claro dos tipos de reunião que manterão você informado sobre o progresso, para que você não precise fazer o check-in a cada hora. Não fazer o trabalho no lugar da sua equipe não significa não saber o que está acontecendo.

 

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).