Dicas de uma chef para vencer em uma área dominada por homens

Reprodução/Forbes
Sidoti gosta de como, sendo chef, ela está continuamente aprendendo

Como chef de cozinha e chefe do desenvolvimento de receitas na líder do mercado de kit de refeições HelloFresh, Claudia Sidoti lidera uma equipe na criação de refeições simples e deliciosas que os cozinheiros domésticos podem fazer em 30 minutos ou menos e que requerem pouca limpeza. A todo minuto, ela está provando receitas e dando feedback construtivo aos desenvolvedores, adquirindo ingredientes, cozinhando suas próprias receitas e revendo a opinião do cliente.

LEIA MAIS: Como se vestir para o sucesso

Antes de se juntar a HelloFresh, Sidoti era a mais jovem chef e proprietária de restaurante da cidade de Nova York, começando aos 19 anos no Restaurante Onini. Ela também começou a “Beauty & the Feast”, uma empresa de bufê que vendia alimentos preparados para cafés. Ela ajudou Cosi e Panera Bread a expandirem suas divisões de refeições em eventos. Além disso, lançou a “Food Network Magazine” e atuou como diretora da cozinha de teste por oito anos, contribuindo com mais de 3 mil receitas.

Sidoti diz que seu propósito de vida “foi como uma atração magnética… Algo continuava me levando de volta para a cozinha”. Aqui é onde ela se sente mais confortável, grata, satisfeita e criativa. “Eu sabia no meu coração, quando tinha cerca de 17 anos, que a comida, cozinhar, e todas as coisas de culinária eram o caminho da carreira que queria estar. A inspiração veio de muitos lugares, mas sem dúvida, da minha avó e da minha mãe, já que ambas foram incríveis cozinheiras domésticas. Elas estarão sempre em meu coração e mãos.”

Partilhar seu conhecimento e experiência com colegas mais jovens, clientes e consumidores traz a Sidoti grande alegria. “Das receitas mais básicas para as mais complexas, se o que eu faço encoraja e ajuda os outros a serem bem sucedidos, cozinheiros felizes, então isso é incrível. Mesmo quando eu era chef em um restaurante, sentia o mesmo. Se eu cozinhasse algo que satisfizesse alguém e os fizesse felizes, então também me sentia incrivelmente satisfeita. É uma profissão muito gratificante para manter os outros alimentados e felizes.”

Sidoti gosta de como, sendo chef, ela está continuamente aprendendo. Ao mesmo tempo, ela acha que o equilíbrio entre a vida e o trabalho é um desafio, “já que eu amo o que faço, às vezes é difícil virar o interruptor e parar de trabalhar. Eu posso sair para jantar com um amigo ou membro da família, e de repente me encontro pensando na minha refeição, e pensando em maneiras que posso tomar alguma coisa para o trabalho. Ou eu vou cozinhar algo casualmente e me encontrar pensando em uma maneira de criar uma nova receita”. Ela acha que o que a ajuda a se lembrar de parar – e aproveitar o prazer do momento – é a comida, as pessoas, e a experiência.

VEJA TAMBÉM: Leslie Morgan: “Ser mulher é uma aventura incrível”

Para outros que procuram alinhar sua carreira com seu propósito de vida, Sidoti aconselha,”Encontre um mentor e use alguns chapéus diferentes antes de mergulhar fundo. Crie uma conexão com pessoas de com mentalidades parecidas e faça perguntas sobre como eles começaram. É uma ótima maneira de descobrir o que você pode querer tentar em seguida”.

Como uma chef bem-sucedida no mundo culinário dominado pelos homens, Sidoti oferece 3 conselhos a outras mulheres. Confira, na galeria de fotos abaixo:

  • Não permita que você seja colocada em uma caixa

    O que eu aprendi durante os últimos 30 anos foi: siga a sua paixão e visão, mas seja aberto e adaptável para mudar. Um dos maiores problemas que os chefs em geral enfrentam é que eles podem ser colocados em caixas e estilos culinários, e é difícil quebrá-los quando você está procurando crescer em sua carreira. As mulheres, em particular, são associadas a serem confeiteiras, não chefs executivas, e para elas, pode ser muito difícil quebrar o molde e a transição. Para mim, era importante enfrentar os desafios e esticar o meu potencial no campo. Com cada sucesso, você não só aprende, mas também ganha confiança.

  • Confie em sua intuição feminina

    A intuição feminina é muito poderosa. Nós podemos explorar mais nossa intuição natural e confiar em nós mesmas como especialistas e líderes. Nós não capitalizamos o suficiente com o fato de que nascemos cuidadoras, professoras e mentoras – não apenas em nossas vidas pessoais, mas também no local de trabalho.

    O poder das mulheres pode ser forte. Particularmente nas cozinhas e organizações dominadas por homens, descobri que confiar nos meus instintos e na minha intuição tem sido um ingrediente chave para o sucesso. Ajudou-me a assumir riscos, saber quando me manter no caminho e me guiou dia após dia, como quando estou concebendo um prato ou uma receita, ou procurando uma tendência culinária.

  • Foque nas vantagens de ser uma mulher

    Ser uma mulher nesta indústria não é apenas uma desvantagem – como a luta pela igualdade de remuneração e a luta contra o assédio no local de trabalho, já que as indústrias de restaurantes e serviços de alimentação não são exceções. Felizmente, isso está mudando com os tempos, mas ainda temos um longo caminho a percorrer.

    No entanto, ser uma mulher pode vir com muitas vantagens – se você estiver disposto a explorar um novo território, e não apenas pensar que estar significa na indústria da comida significa dirigir um restaurante. Categorias de alimentos com base no consumidor e comércio eletrônico podem ser um excelentes lugares para serem explorados. As mulheres naturalmente têm mais visões sobre onde, como e por que as famílias cozinham, já que muitas de nós tendem a ter famílias próprias e lutam com desafios reais, como colocar refeições na mesa. Enquanto eu adoraria ver uma mudança maior, com mais homens administrando as cozinhas de casa, as mulheres ainda dominam e, portanto, têm um melhor controle sobre como resolver o problema. Acho que isso acaba sendo um recurso enorme como desenvolvedoras de receitas e profissionais de culinária.

Não permita que você seja colocada em uma caixa

O que eu aprendi durante os últimos 30 anos foi: siga a sua paixão e visão, mas seja aberto e adaptável para mudar. Um dos maiores problemas que os chefs em geral enfrentam é que eles podem ser colocados em caixas e estilos culinários, e é difícil quebrá-los quando você está procurando crescer em sua carreira. As mulheres, em particular, são associadas a serem confeiteiras, não chefs executivas, e para elas, pode ser muito difícil quebrar o molde e a transição. Para mim, era importante enfrentar os desafios e esticar o meu potencial no campo. Com cada sucesso, você não só aprende, mas também ganha confiança.

 

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).