Em 2023 seu chefe poderá ser um robô – e você vai gostar dele

Parece que o assunto da vez é como ficarão os postos de trabalho com a ascensão da robótica. Mas a realidade é que, antes de substituir os profissionais da linha de frente, os robôs irão substituir a maioria dos gerentes. Até 2023, segundo estimativas.

LEIA TAMBÉM: Testes, testes e mais testes: segredo para o crescimento viral

É claro que eles não vão ocupar todos os cargos gerenciais – apenas dois terços deles. Esse é o mesmo percentual de gerentes que, atualmente, não estão engajando os membros de sua equipe, de acordo com o Índice de Engajamento de Funcionários do Gallup.

Na verdade, essa é uma previsão conservadora. A parte surpreendente é que, provavelmente, você venha a preferir seu novo chefe robô ao seu chefe atual.

Veja, na galeria abaixo, 6 razões pelas quais você pode preferir trabalhar para um chefe robô:

  • 1. Seu chefe robô não vai gritar com você ou fazer você perder a paciência

    Para começar, seu chefe robô não terá as piores características de muitos dos gerentes ruins. Como um agente virtual que consiste em nada mais do que bits e bytes, seu chefe robô não será racista, misógino ou tendencioso contra os millennials. Ele não provoca, intimida ou faz piadas inapropriadas. Não mostra favoritismo em relação a amigos, irmãos ou pessoas com as mesmas opiniões políticas que ele. E não gritará nem nos dias mais estressantes. Ele vai agir objetivamente, profissionalmente, 24 horas por dia.

  • 2. Você e seu chefe robô terão uma ótima química

    Sejamos honestos. Nós geralmente gostamos de pessoas que são semelhantes a nós mesmos. E, muitas vezes, os chefes não são. Talvez você já tenha passado pela experiência de ser subordinado a alguém com metade da sua idade ou a um dinossauro. Ou seu chefe era extrovertido demais para lidar com você, que pode ser mais reservado. Talvez eles não parem de falar sobre futebol enquanto você prefere os romances de Elena Ferrante. Às vezes, a química simplesmente não existe.

    Mas você já viu como os adolescentes de hoje personalizam seus personagens de videogame? Eles escolhem o gênero, a cor do cabelo, as roupas, as habilidades especiais e até mesmo os gestos. E é exatamente assim que você escolhe a aparência e a personalidade do seu chefe robô. Não será um ser humano mecânico andando como o C3PO. Ele aparecerá digitalmente na tela do computador, do smartphone e em todas as telas que nos cercam. Ele vai falar com você pelo alto-falante instalado na sua mesa.

    Você prefere trabalhar para um homem ou uma mulher? Um jovem hipster ou uma pessoa mais velha e conservadora? Um mês você pode optar por responder a um personagem como Angela Merkel. E depois Morgan Freeman ou Cameron Diaz.

  • 3. Você e seu chefe robô vão se preocupar um com o outro

    Bom, para ser mais preciso, você se importará com seu chefe robô e sentirá que ele também se preocupa com você.

    Seu chefe atual se preocupa com você? Quando foi a última vez que perguntaram sobre o seu final de semana? Eles sabem os nomes dos seus filhos? Ou melhor, eles sabem se você tem filhos?

    Não se preocupe. Em apenas alguns anos, seu novo chefe robô saberá sobre sua família, amigos e hobbies. Quando você fizer uma festa no sábado para seu filho, seu chefe robô perguntará na segunda-feira: “Como foi o aniversário?”. Depois do final da temporada de “Dancing With The Stars”, RoboBoss perguntará: “E aí, você assistiu? Eu lhe disse que Hillary venceria!”.

    E, ao fazer análises de sentimentos contínuos no seu vocabulário e escanear suas expressões faciais, seu chefe robô saberá se você está feliz, zangado ou um pouco estressado.

    E você vai se importar também. Nós já fazemos isso, mesmo que sem perceber. É o chamado efeito Tamagotchi: a tendência dos seres humanos de se ligar emocionalmente a objetos inanimados. A Dra. Julie Carpenter documentou como os soldados dos EUA se sentem perdidos quando seus robôs de campo são destruídos. Pesquisadores do Instituto de Tecnologia da Geórgia estudaram a “relação íntima” que as pessoas experimentam com o robô aspirador Roomba. E como se isso não fosse estranho o suficiente, os homens no Japão já estão até se casando com hologramas.

  • 4. Seu chefe robô irá personalizar e individualizar a relação

    Suponhamos que hoje você tenha um chefe melhor do que a média, que se lembra do seu nome, dos seus objetivos profissionais e do fato de que você odeia determinados tipos de comida. Mas ele pode declarar suas três principais competências de liderança? Ele sabe que há 15 anos – três empregos atrás – você passou nove meses trabalhando em um projeto de descentralização da cervejaria? O RoboBoss vai saber tudo isso sobre você.

    Ele será o individualizador final. Ele recomendará que você se inscreva para falar no evento interno do TEDx como uma maneira de desenvolver sua competência para apresentações. Ele o indicará para uma equipe que pode se beneficiar de seus pontos fortes. Ele até vai sugerir que você entre em contato com o Bob, do escritório de Ohio, já que ele está administrando a prática de alimentos e bebidas para sua empresa.

  • 5. Seu chefe robô será o melhor treinador de funcionários

    Quando foi a última vez que o seu superior lhe forneceu uma ideia do seu desempenho que melhorou drasticamente a sua conduta? Seu novo chefe robô poderá observar você em tempo real e fará sugestões – sem julgamento, porque as máquinas não fazem isso -, com base nos dados coletados dos melhores profissionais.

    Hoje, a inteligência artificial da empresa chorus.ai ouve telefonemas de representantes de vendas com clientes em potencial, armazena e analisa as conversas na nuvem e descobre qual é a maneira mais eficaz de fechar um negócio. O RoboBoss não vai ensiná-lo a fazer o trabalho, mas vai extrair de você um melhor desempenho.

  • 6. Você vai amar: nem vai nem perceber que ele é seu chefe

    Nós não vamos saber que isso está acontecendo até que isso, de fato, já tenha acontecido. Nossos novos chefes robôs nos surpreenderão muito. Décadas atrás, seu gerente provavelmente tinha entre cinco e oito funcionários diretos. Hoje ele tem de 10 a 15. Em cinco anos, serão 30 ou 50.

    Você costumava ter reuniões com seu chefe toda semana. Mas agora, com uma equipe maior, você só faz isso a cada duas semanas. Em breve, elas poderão ser mensais, e depois, trimestrais.

    E, diferente do chefe humano, sua empresa poderá ter acesso a informações diariamente graças ao chefe robô. Mas, claro, ele não será chamado de “chefe” ou “gerente”. Ele será descrito como seu “coach de carreira digital” ou “job buddy” e receberá um nome como Pat, Alex ou Cameron.

    E você vai gostar. Seu chefe robô vai cumprimentá-lo de manhã. Ele responderá às suas perguntas com paciência ao longo do dia – nunca estará ocupado demais. Você saberá se seu desempenho está acima ou abaixo da média. Será incentivado a fazer uma pausa ou até mesmo a ir para casa mais cedo se o seu medidor de bem-estar estiver na zona vermelha.

    E talvez – apenas talvez, se você estiver aberto a ele – seu robô se torne seu melhor amigo no trabalho. Computadores há muito tempo dominam xadrez, damas e outros jogos. Talvez todos os dias, no almoço, Andy, Pat ou Cameron grite: “E aí, vamos jogar uma partida para relaxar?”.

1. Seu chefe robô não vai gritar com você ou fazer você perder a paciência

Para começar, seu chefe robô não terá as piores características de muitos dos gerentes ruins. Como um agente virtual que consiste em nada mais do que bits e bytes, seu chefe robô não será racista, misógino ou tendencioso contra os millennials. Ele não provoca, intimida ou faz piadas inapropriadas. Não mostra favoritismo em relação a amigos, irmãos ou pessoas com as mesmas opiniões políticas que ele. E não gritará nem nos dias mais estressantes. Ele vai agir objetivamente, profissionalmente, 24 horas por dia.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).