4 dicas para quando houver bebida alcoólica no ambiente de trabalho

GettyImages
Compartilhar uns bons drinques pode ser uma maneira de aumentar o vínculo com os colegas

– O consumo moderado do álcool em momentos informais com colegas de trabalho e líderes é uma oportunidade para estreitar laços

– Consumir pouco e apostar na cerveja e no vinho é o caminho mais seguro. Evite fazer reclamações sobre a empresa durante a conversa

– Não beber álcool não deve ser motivo para faltar ao encontro com os colegas. Opte por outras bebidas, e não perca a chance de se relacionar

O local de trabalho é um dos lugares onde o álcool não costuma entrar, independente do gosto de cada um para bebidas. No entanto, compartilhar uns bons drinques pode ser uma maneira de aumentar o vínculo com os colegas — e pode ser relativamente inofensivo, se o consumo for moderado. Como coach de carreira, encaro esses momentos caso a caso.

VEJA TAMBÉM: 6 maneiras de começar com sucesso o seu novo trabalho

Os riscos de beber com os colegas ou mesmo o chefe podem variar, seja você parte de um time de 100 pessoas ou de uma pequena equipe. Essa mistura pode causar efeitos na carreira, e cabe a você determinar se ela será positiva ou negativa. Ninguém quer se envolver em situações desconfortáveis ​​que afetem a vida profissional, mas um happy hour não traz apenas riscos: também pode impulsionar relacionamentos.

Veja, na galeria a seguir, 4 coisas para ter em mente ao misturar bebida e trabalho:

  • Mantenha a lucidez

    Embora possa ser divertido entrar na onda das reclamações ou deixar fluir ideias novas, lembre-se que o segredo para beber com o pessoal do escritório é consumir pouco. Um estudo da Niznik Behavioral Health descobriu que dois drinks é a medida ideal de um encontro, e que apostar na cerveja e no vinho é mais seguro.

  • Não rejeite um convite

    Se você não gosta de beber, mas quer ter um relacionamento melhor com seus colegas e até com seu chefe, aceitar o convite para um happy hour pode ser uma oportunidade de ouro. A mesma pesquisa com mais de 1.000 funcionários descobriu que 24% achavam que beber com o superior traria oportunidades. Você até pode optar por um refrigerante, pois a vantagem do encontro não está na bebida, mas na chance de discutir ideias em um ambiente diferente, mais relaxado.

  • Não se sinta pressionado

    Como mencionado, sair para beber com colegas de trabalho pode ser uma excelente oportunidade de criar vínculo. No entanto, se você é novo na empresa ou não se sente à vontade para misturar bebida e trabalho, pode aceitar o convite por achar preciso. Embora você nunca deva se sentir pressionado em um ambiente social, o estudo da Niznik Behavioral Health mostrou que um em cada cinco funcionários se sente pressionado a beber se o chefe está bebendo. É perfeitamente possível recusar educadamente, ou pensar numa opção alternativa para o encontro, sem o consumo de álcool.

  • Faça um esforço para estar presente

    Se você passa 40 horas por semana com seus colegas de trabalho, pode ser ótimo aproveitar a chance de se relacionar com eles fora do ambiente profissional. Dos entrevistados pelo estudo, 49% descobriram que sair para beber pode melhorar a convivência profissional. Por isso, se você sente que precisa trabalhar algumas relações, compartilhar uma bebida após um longo expediente cair bem.

Mantenha a lucidez

Embora possa ser divertido entrar na onda das reclamações ou deixar fluir ideias novas, lembre-se que o segredo para beber com o pessoal do escritório é consumir pouco. Um estudo da Niznik Behavioral Health descobriu que dois drinks é a medida ideal de um encontro, e que apostar na cerveja e no vinho é mais seguro.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Forbes no Facebook: http://fb.com/forbesbrasil
Forbes no Twitter: http://twitter.com/forbesbr
Forbes no Instagram: http://instagram.com/forbesbr

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).