Lições de liderança do futebol para o mundo corporativo

Getty Images
Poucas das conquistas do futebol islandês teriam se materializado sem as habilidades de liderança de Hallgrimsson

Resumo:

  • Heimir Hallgrimsson conduziu a Seleção Islandesa de Futebol da 104ª posição no ranking mundial em direção ao Top 20;
  • O esporte, especialmente em nível nacional, sempre foi motivo de orgulho para o país;
  • Poucas das conquistas do futebol islandês teriam se materializado sem as habilidades de liderança de Hallgrimsson, que realizou grandes progressos no desenvolvimento da cultura em torno do esporte.

Heimir Hallgrimsson dominou o mundo do futebol na última década. Até julho do ano passado, como técnico da Seleção Islandesa de Futebol, ele liderou o time em uma trajetória que deixou para trás a 104ª posição no ranking mundial para figurar no Top 20.

LEIA MAIS: Clubes de futebol que mais geraram receita em 2018

Nascido em uma aldeia de 4 mil habitantes, Hallgrimsson nunca imaginou que se tornaria um jogador profissional. Quando criança, queria ser piloto, mas acabou seguindo a odontologia. Ao contrário da maioria dos dentistas, no entanto, ele também trabalhava como jogador de futebol profissional e, em 2011, tornou-se auxiliar-técnico da Seleção Islandesa de Futebol. Segundo ele, há mais semelhanças entre o trabalho de treinadores e de dentistas do que podemos imaginar.

“No papel de dentista, temos que nos adaptar aos pacientes. O mesmo acontece com os jogadores de futebol. Como técnicos precisamos nos adequar a eles”, diz.

A maioria dos islandeses é multifacetada. Alguns jogadores da seleção nacional de futebol também trabalham em outras profissões. Hallgrimsson diz que esse traço pode estar enraizado na cultura do país. “Os islandeses são um pouco individualistas. Como não temos muitas pessoas ao nosso redor, apenas arregaçamos as mangas e fazemos o que precisa ser feito. Talvez não sejamos os melhores, mas ainda fazemos isso.”

O esporte, especialmente em nível nacional, sempre foi motivo de orgulho para o país. Milhares de fãs islandeses impressionaram o mundo quando realizaram o famoso grito viking durante a Eurocopa de 2016, um dos eventos mais memoráveis ​​da história recente do futebol.

“Não temos um exército na Islândia. Seríamos facilmente derrotados devido aos nossos números. Acredito que as equipes esportivas nacionais fazem um pouco esse papel. É por isso que os fãs se reúnem e se orgulham – eles representam a Islândia.”

VEJA TAMBÉM: Os jogadores de futebol mais valiosos do início de 2019

Poucas das conquistas do futebol islandês teriam se materializado sem as habilidades de liderança de Hallgrimsson. Grandes progressos no desenvolvimento da cultura em torno do esporte foram percebidos graças à iniciativa de se reunir com os fãs em um bar antes de cada jogo nacional para discutir a estratégia da equipe, os desafios enfrentados e como planejam administrá-los.

Internamente, Hallgrimsson valoriza uma cultura em que a equipe é mais importante do que apenas uma pessoa. Deste modo, ele prefere jogadores que tenham a mesma mentalidade.

“Você não quer uma pessoa que seja um pouco melhor, tecnicamente, se ela for destruir o time. Temos jogadores muito bons em nossa equipe, mas eles ainda exaltam nossos valores. Temos muitos que lideram pelo exemplo.”

Para a equipe, o feedback é dado em grupo, enquanto as críticas são feitas individualmente, mas o técnico diz que “se é uma boa lição para o grupo, geralmente perguntamos se podemos compartilhar em uma reunião de equipe”.

A maior força da equipe islandesa, em muitos aspectos, é que ela é, sem remorso, islandesa. “Se tentássemos fazer tudo da mesma maneira que os franceses ou ingleses, seríamos uma réplica ruim. Por isso, temos de encontrar as áreas em que podemos ser mais fortes, sempre tentar melhorar e parar de nos preocuparmos com as coisas nas quais não podemos ser melhores.”

E AINDA: Como saber se o seu potencial de liderança está sendo sabotado

Após sete anos como técnico da equipe nacional, Hallgrimsson decidiu que o time precisava de um novo líder, capaz de trazer uma nova perspectiva. No entanto, ele está ansioso para permanecer no mundo do futebol. “Tenho objetivos claros na minha vida. Quero ser treinador em um bom ambiente. Gostaria de me desafiar, sair da minha zona de conforto e treinar um clube de futebol profissional. Talvez eu acabe no Canadá”, disse.

Mas o Canadá terá que esperar. Hallgrimsson foi recentemente contratado como técnico do clube do Qatar Stars League, o Al-Arabi Sports Club.


Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).