Corretor de imóveis ganha US$ 100 mil por mês com canal no YouTube

Graham Stephan
Graham Stepham lançou seu canal no YouTube em dezembro de 2016, principalmente porque adora falar sobre dinheiro e achou que seria divertido fazer isso por meio de vídeos

Resumo:

  • Corretor de imóveis ensina com detalhes como faz para ganhar dinheiro com produção de conteúdo no YouTube;
  • Graham Stephan lançou seu canal sobre finanças em 2016 e levou mais de dois anos para conseguir retornos significativos;
  • Monetizar uma conta no YouTube demanda tempo, dedicação e estar disposto a tentar e, eventualmente, falhar;
  • É preciso buscar um tema de identificação, fornecer informações que agreguem valor a quem consome o material e disponibilizar novos conteúdos com regularidade.

Você gostaria de ganhar muito dinheiro com um canal do YouTube? Grande parte das pessoas sim — e muitos estão tentando.

VEJA TAMBÉM: A youtuber que fatura alto viajando o mundo

A motivação vem das histórias de sucesso do YouTube, e uma delas é a de Graham Stephan, um corretor de imóveis que ganhou mais de US$ 100 mil em apenas um mês do seu canal. Se você quer ganhar dinheiro na plataforma, Graham é definitivamente um exemplo a seguir — ainda mais porque ele compartilha sua estratégia em detalhes.

Para dizer o mínimo, Graham Stephan é um orador fascinante. Tomemos o vídeo “Quanto ganhei com 10 milhões de visualizações em 30 dias”, que assisti enquanto escrevia este texto como exemplo. Não percebi até o final da apresentação de 15 minutos que tinha sido produzido na cozinha de sua casa.

Reprodução YouTube
Stephan grava seus vídeos em sua garagem ou na cozinha de sua casa

Stephan não promete que todos podem ganhar fortunas no YouTube, mas compartilha livremente o que funcionou para ele — bem como as armadilhas a serem evitadas.

Como Stephan ganhou US$ 100 mil em um mês

Vamos começar com o fato de que a principal ocupação de Stephan é a venda de imóveis. Ele lançou seu canal no YouTube em dezembro de 2016, principalmente porque adora falar sobre dinheiro e achou que seria divertido fazer isso por meio de vídeos. No canal, o youtuber aborda temas como investimento, independência financeira, aposentadoria antecipada, aluguel compensado, crédito e economia, além de compartilhar estratégias de ganhos que funcionam com ele.

Ao longo do caminho, assistindo a outros youtubers bem-sucedidos, ele se empolgou com a possibilidade de ganhar dinheiro na plataforma.

E AINDA: 10 YouTubers Mais Bem Pagos de 2018

Em 7 de novembro do ano passado, Stephan conseguiu mais de 1,2 milhão de visualizações em um vídeo sobre o J.P. Morgan Reserve Credit Card. O episódio viralizou e, como resultado, o youtuber afirma ter ganhado US$ 7.293,02. “Às vezes, é tão aleatório quais vídeos o YouTube decide promover. Eu não esperava que especificamente esse teria tantas visualizações”, diz o youtuber.

Por conta do sucesso desse vídeo Stephan detalhou o quanto levantou em dinheiro durante todo o ano de 2018. A receita é proveniente de todas as origens do canal: anúncios, venda de programas, palestras, afiliadas da Amazon e patrocínios.

A receita total divulgada por Stephan foi de US$ 253.318,02.

Em seguida, Stephan partiu para fazer algo que parecia insano na época: criar vídeos que gerassem mais de 10 milhões de visualizações em um mês.

Uma captura de tela do período de 30 dias (de 25 de março a 23 de abril de 2019) mostra quase 69 milhões de minutos de exibição em quase 10,3 milhões de visualizações para o mês.

Reprodução Youtube
Captura de tela informa o tempo de exibição de um dos vídeos de Stephan

Missão cumprida!

Dez milhões de visualizações em US$ 100 mil

Uma captura de tela adicional indicou que a receita mensal gerada pelas 10 milhões de visualizações foi de US$ 103.740,48. Isso significa cerca de um centavo para cada exibição. O tráfego e o valor arrecadado variam drasticamente de um dia para o outro, mas ambos os fatores estão intimamente correlacionados. Um número mais alto de exibições geralmente se traduz maior retorno financeiro.

LEIA AQUI: Youtuber de 6 anos lança linha de brinquedos no Walmart

“Se isso é ou não sustentável a longo prazo, não faço ideia”, Stephan confessa, com uma forte dose de humildade. “Pode ser apenas coisa de um único mês.”

No entanto, desde as 10 milhões de visualizações de abril, o canal manteve um ritmo semelhante até meados de junho. Stephan relata que a receita publicitária de maio foi de US$ 87.500, e, em junho, de US$ 62.000 (de 1º a 17). E isso não inclui patrocinadores, vendas de cursos e outros produtos que ultrapassam a marca dos US$ 100 mil.

Mas, agora, com esses resultados em sua conta no Youtube, Stephan acredita que outras pessoas possam chegar lá, contanto que publiquem conteúdo honesto, de boa qualidade, sejam coerentes e tratem as pessoas com respeito.

Sobre Graham Stephan

Graham Stephan
Youtuber ensina em seu canal estratégias para ganhar dinheiro na plataforma de vídeos

Como dito anteriormente Graham Stephan é corretor de imóveis. Mas talvez seja melhor dizer que ele é um empreendedor em série. A única coisa que o youtuber não possui é um histórico curricular que sugira de onde vem todo esse sucesso no YouTube. Na verdade, ele nunca foi à faculdade e se descreve como um aluno mediano.

Seu primeiro emprego — aos 13 anos — foi em um atacadista de aquários marinhos, que importava e exportava peixes e corais exóticos. O trabalho dele era tirar fotos dos produtos, tratar as imagens no Photoshop e publicá-las no site da empresa. Stephan recebia US$ 1 por foto e, na prática, descobriu que poderia entregar entre 20 e 35 por hora. Isso rendeu a ele uma remuneração de até US$ 35 a hora e US$ 100 ou mais diariamente — bastante dinheiro se você tem 13 ou 14 anos.

SAIBA MAIS: Investidoras apostam nos youtubers para atrair clientes

Stephan permaneceu empregado no atacadista até os 16 anos. Na sequência, o youtuber deu início a uma curta carreira como baterista em uma banda de rock. Mas no último ano do ensino médio percebeu que este não seria seu futuro. E assim optou por iniciar a vida profissional como corretor de imóveis.

O pontapé no mundo dos imóveis foi em 2008, no começo de um momento muito ruim para o setor. Stephan dedicou-se a um mercado imobiliário que a maioria dos agentes ignora – a locação. As comissões nesses acordos são notoriamente baixas, geralmente em torno de US$ 500. Mas para um jovem de 18 anos que tinha poucas outras opções na vida, a quantia era um bom dinheiro.

Semelhante ao trabalho no atacadistas, Stephan começou a perceber que os agentes imobiliários não tinham boas imagens dos imóveis disponíveis. Ele então se ofereceu para fotografar os locais de outros agentes, tratar as imagens e publicar os anúncios no “Craigslist”. O acordo era de que sua remuneração seria uma compensação por representar os inquilinos que respondiam suas publicações na plataforma de anúncios. Essa foi pela qual ele se lançou no mundo imobiliário, e a estratégia utilizada rendeu retornos constantes.

Stephan eventualmente começou a vender casas. Aos 27 anos, ele afirma ter vendido mais de US$ 120 milhões em imóveis nos últimos nove anos. Mas não foi isso que o preparou para sua empreitada no YouTube.

O começo no YouTube

O sucesso no YouTube não veio da noite para o dia. Ao olhar para os números recentes de Stephan, é importante levar em conta que ele está nisso há dois anos e meio.

VEJA TAMBÉM: De US$ 2 a US$ 1 milhão em meia década – e com menos de 30 anos

Foi um começo lento. Durante o primeiro ano de operação, Stephan passava de 40 a 50 horas semanais fazendo vídeos, apesar de não conseguir muito retorno financeiro. Era um trabalho em tempo integral, mas que rendeu apenas US$ 26 mil em 2017. E o que era pior: as produções faziam com que o youtuber tivesse menos tempo hábil para se dedicar à venda de imóveis. Mas como Stephan gostava de produzir vídeos, ele insistiu no negócio.

Como constatado, o prazer pode ser um dos principais ingredientes para o sucesso. “A pior coisa que você pode fazer se quiser conseguir bons retornos no YouTube é entrar com o pensamento de que quer ganhar dinheiro”, diz Graham. “O dinheiro é um subproduto de fazer algo que eu realmente gosto.”

Stephan também adverte contra uma noção amplamente difundida sobre o YouTube: os vídeos não são necessariamente uma fonte de renda passiva. Para ter sucesso, é preciso produzir continuamente.

Por exemplo, o youtuber diz que apenas 20% de sua receita no YouTube vem dos vídeos pré-existentes. O restante — a maioria — vem de suas produções mais recentes. Stephan também acredita que grande parte do tráfego para o conteúdo mais antigos parte dos mais novos e que se ele parasse de gerar novas produções, as visualizações dos vídeos mais antigos cairiam.

Ele se apressa em dizer que, durante os primeiros meses do canal, ele passou de gerar centavos por dia para apenas alguns dólares. Esse foi o pequeno retorno de vídeos que levaram várias horas cada para serem criados e editados. Parece que, assim como em qualquer outro tipo de negócio, um canal no YouTube leva tempo para se desenvolver.

E AINDA: Conheça a empreendedora que deixa influenciadores ricos

Um ano após o lançamento do canal, ele tinha cerca de 80 vídeos, que geravam cerca de US$ 200 por dia. Isso se traduz em uma renda de aproximadamente US$ 6.000 mensais. Coisas boas estavam começando a acontecer.

Graham Stephan admite que a atual receita de seu canal no YouTube excede em muito a remuneração típica dos demais canais da plataforma. Mas o quanto você pode gerar vai depender dos assuntos abordados, bem como a consistência de disponibilização de novos conteúdos.

De fato, Stephan enfatiza a importância de criar conteúdo com regularidade. Isso não apenas oferece um fluxo contínuo de vídeos para seu público regular, como também representa uma oportunidade de gerar aumento nas visualizações e receita. E cada um dos picos aumenta os retornos diários que vierem na sequência. Desde o lançamento de seu canal no YouTube, a tendência de longo prazo mostra um padrão consistente audiência, seguido por patamares mais altos de visualização.

Reprodução YouTube
Captura de tela mostra os picos de visualização do canal de Stephan no YouTube

Observe o primeiro aumento nas visualizações no meio do gráfico acima. O pico aconteceu a partir do vídeo do J.P. Morgan Reserve Credit Card em novembro passado do ano passado. Antes dele, o canal ganhava consistentemente de US$ 300 a US$ 500 por dia. Mas depois que o conteúdo viralizou, a receita diária aumentou para entre US$ 1.000 e US$ 2.000 por dia.

Desde o segundo pico em abril, suas receitas diárias aumentaram novamente, para a faixa de US$ 2.000 a US$ 3.000. O que indica uma forte correlação entre um vídeo de alto desempenho e um aumento subsequente nos ganhos regulares.

LEIA AQUI: Testes, testes e mais testes: segredo para o crescimento viral

Os picos vêm de conteúdos que se tornaram virais, embora, novamente, Stephan avise que não há como saber quais serão ou em que momento isso pode acontecer. Mas há um padrão claro de que a atividade do canal aumenta após um vídeo viral.

Qual é o segredo por trás de uma progressão ascendente constante? “Se alguém consome seu conteúdo e gosta, é provável que ele volte para assistir mais”, diz Stephan. “Se você tiver um vídeo com um milhão de visualizações, as chances são entre 10% e 20% dos espectadores acessarem os demais arquivos”.

Como gerar receita com seu canal

Em termos de cálculo do valor de uma conta no YouTube, é muito importante entender que a taxa de publicidade difere entre os canais. Existem muitos fatores a serem levados em consideração, entre eles estão:

– O tipo de canal;
– O assunto do vídeo;
– A duração do vídeo;
– O tempo de exibição do vídeo;
– Quantos anúncios há no conteúdo;
– O que os anunciantes estão dispostos a oferecer pelo vídeo;.

O último ponto é particularmente importante. Stephan adverte que existem vídeos que geram um alto nível de visualizações, mas muito pouca receita. Isso porque os vídeos não são atraentes para os anunciantes. Ainda outra questão é a concorrência. Ele cita o conteúdo de jogos como um exemplo. Eles são bons para quem anuncia, mas há muito material com este enfoque no YouTube, logo os anunciantes podem oferecer menos pelos anúncios.

Mas Stephan confirma que finança é um nicho relativamente pequeno e com alto potencial de receita. É um conteúdo limpo e seguro para toda a família, um dos motivos pelos quais ele acredita que seu canal monetiza mais do que a maioria. Como o youtuber afirma: “Falar sobre dinheiro faz dinheiro”.

SAIBA MAIS: O menino de 7 anos que já faturou US$ 22 mi brincando

Um dos segredos para o sucesso da plataforma é convencer os espectadores a clicar no botão “curtir”. “Algo tão pequeno quanto fazer com que quem consome meu conteúdo curta os vídeos significa muito para o meu canal e ajuda drasticamente com o algoritmo do YouTube”, diz Stephan. “E se eles ainda não estiverem inscritos, devem clicar no botão ‘inscrever-se’.” Ambos são pontos importantes para impulsionar uma conta no YouTube.”

A frequência do conteúdo também é importante, por isso ele faz questão de adicionar cerca de três vídeos semanalmente ao canal.

Graham também enfatiza os custos ridiculamente baixos envolvidos na produção de vídeos para o YouTube. “Há zero sobrecarga associada a isso”, ele relata. “Não há publicidade, não há funcionários, não há despesas recorrentes –sou só eu, uma câmera e minha garagem ou cozinha fazendo 100% do trabalho.”

iStock
Ganhar dinheiro com vídeos requer dedicação, tempo e estar aberto a experimentar

Essa realidade consiste com uma das filosofias de negócios mais básicas de Stephan de que menos sobrecarga significa mais lucro. “Assim como os carros leves são mais rápidos”, diz ele, “as empresas menores têm mais espaço para se adaptar rapidamente e não se se afetam tanto com a queda da receita”.

Fazer vídeos para o YouTube se encaixa perfeitamente nessa estratégia.

O que você precisa saber para lançar seu próprio canal

O tempo de preparação do vídeo é um fator importante mas comumente subestimado. Stephen diz que leva cerca de dez horas para produzir um vídeo de dez minutos, ou cerca de uma hora para cada minuto de material. Para o observador casual, pode parecer que ele simplesmente fica na frente da câmera e fala sobre assuntos que passam pela sua cabeça. Mas isso não está nem perto da verdade. O tempo precisa ser usado para pesquisar o assunto, filmar, editar e adicionar efeitos visuais. Criar vídeos para o YouTube significa dedicar tempo de vida.

VEJA TAMBÉM: Caso Cocielo: o que fazer quando o influenciador erra?

Assim como Stephan, muitos youtubers usam seus canais para promover programas, produtos e serviços. Mas ele diz prontamente que os picos de audiência dos conteúdos virais não se traduzem em mais vendas.

Stephan oferece dois programas em seu canal no YouTube. A Youtube Academy Creator ensina como sua conta na plataforma crescer e ganhar dinheiro. O segundo, Real Estate Agent Academy, fala sobre como se tornar agente imobiliário e expandir os negócios. As vendas de ambos não cresceram com os picos de visualizações.

Stephan acredita que 80% do seu tráfego, que é composto por não-assinantes — os espectadores que fazem com que os vídeos viralizem –, não compram seus programas. Como são novos no canal, não sabem quem é Stephan e se ele é confiável. Isso torna altamente improvável que essas pessoas comprem um de seus produtos. Por outro lado, as vendas parecem vir quase inteiramente da base de assinantes.

O ciclo de vida no Youtube

Stephan acredita que a alta porcentagem de não-assinantes acontece porque o YouTube leva o conteúdo para o público em geral. Se uma pessoa clicar em um vídeo específico, o YouTube recomenda 20 outros idênticos para o mesmo espectador. É provável que o algoritmo pressuponha que quem assiste quer consumir mais conteúdo similar. Stephan denomina o efeito de ciclo de vida no YouTube.

Stephan diz que cerca de 60% das visualizações que seu canal recebeu no mês das 10 milhões de exibições vieram de apenas quatro vídeos, e que o sucesso de cada um pareceu surgir do nada.

E AINDA: Brasileiro tem um dos 10 canais de Youtube mais seguidos do mundo

Stephan adverte que os vídeos de sucesso tendem a ter uma vida útil de cerca de uma semana. Depois disso, tanto a audiência quanto a receita caem drasticamente. O YouTube, parece estar em constante busca por novos conteúdos. Embora um vídeo em particular possa viralizar, isso deve durar apenas alguns dias, depois o algoritmo passa para outras produções. Essa naturalmente é uma das principais razões para disponibilizar conteúdo regularmente.

Conclusão

Há duas conclusões interessantes sobre a história Graham Stephan com o YouTube. A primeira é que há pessoas ganhando dinheiro no plataforma — bastante, inclusive. Mas a segunda é que obter retornos demanda tempo, esforço e tentativa. Você precisa identificar a temática correta e aprender a criar vídeos que sejam informativos e agreguem valor à vida de quem consome. E, na sequência, é necessário alimentar o canal com regularidade .

Se você conseguir dominar essa combinação, poderá se juntar ao grupo de empreendedores bem-sucedidos do YouTube, como Graham Stephan.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook

Twitter

Instagram

YouTube

Baixe o app de Forbes Brasil na Play Store e na App Store

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).