Por que gordura e carboidratos juntos são o nosso fraco

iStock
Agora, um novo estudo da Universidade de Yale analisa por quê, sob o ponto de vista neurológico, a combinação do carboidrato com a gordura é tão inebriante e por quê estamos dispostos a pagar mais para consumi-los

Não há nada tão delicioso do que a união de gordura e carboidratos no mesmo prato. Cada um é bom por si só, mas, quando se unem, a mágica (ou o vício) acontece. Os fabricantes de alimentos industrializados, como batatas fritas, muffins e sorvetes, certamente sabem disso faz tempo.

LEIA MAIS: Dietas de desintoxicação funcionam?

Agora, um novo estudo da Universidade de Yale analisa por quê, sob o ponto de vista neurológico, a combinação do carboidrato com a gordura é tão inebriante e por quê, mesmo quando dizemos que não gostamos deles, estamos dispostos a pagar mais para consumi-los. A pesquisa foi publicada na última quinta-feira (14), na revista “Cell Metabolism”.

A equipe fez com que as pessoas olhassem para fotos de alimentos ricos em carboidratos (pretzels), gordurosos (queijo) ou que unissem ambos (doces). Foram avaliadas a densidade de energia e calorias de cada comida e o quanto cada uma delas era atraente. Os participantes também declararam quanto estariam dispostos a pagar por cada opção apresentada.

Os participantes eram muito bons em estimar a energia fornecida pelos alimentos gordurosos, mas ruins em estimar quantas calorias havia em cada um deles. Isso pode ajudar a explicar por que é difícil saber quando parar de comê-los.

Não surpreende o fato de as pessoas também estarem dispostas a pagar mais pelos alimentos que contêm gorduras e carboidratos juntos. Curiosamente, o preço que pagariam não estava vinculado a quanto se gosta do alimento em questão, o que mais uma vez sugere que eles juntos impactam mais o consumidor.

Para chegar a isso, a equipe também analisou o que acontece no cérebro quando as pessoas veem e os diferentes tipos de alimentos. As respostas de duas áreas cerebrais em particular, o caudado e o putâmen, eram muito mais fortes em relação às gorduras e carboidratos juntos do que sozinhos. Eles também correspondiam mais com os preços que as pessoas estavam dispostas a pagar pelos dois, em comparação a qualquer um dos dois tipos de alimentos sozinhos. Essas áreas estão intimamente envolvidas no desejo, recompensa e ações direcionadas a objetivos, e liberam dopamina em resposta a estímulos deleitáveis.

VEJA TAMBÉM: Museu dos Doces será inaugurado em NY em 2019

“Nosso estudo mostra que, quando os sinais são combinados, eles tornam os alimentos mais reforçados”, diz Dana Small, uma das responsáveis pela pesquisa. Ela diz acreditar que o cérebro processa carboidratos e gorduras separadamente e que, quando os dois nutrientes estão presentes em um único alimento, ambos os sistemas são ativados, o que pode nos deixar um pouco “malucos”.

Alimentos que são ricos em gorduras e carboidratos simplesmente não são encontrados na natureza. Por exemplo, as frutas são ricas em açúcar, mas não têm gordura, enquanto a carne vermelha pode ser rica em gordura, mas não tem carboidratos. A única comida que tem os dois é o leite materno, e é fácil entender por que um forte desejo por ele seria evolutivamente vantajoso para uma criança.

Por isso, as pessoas cujo trabalho é projetar alimentos processados ​​altamente atrativos, como batatas fritas e donuts, aproveitam a fraqueza do nosso cérebro para a combinação desses nutrientes. E, claro, eles provavelmente contribuem para a epidemia de obesidade, já que esses alimentos costumam desencadear comportamentos que não são tão diferentes do vício.

Mas, talvez, saber o quão suscetíveis nossos cérebros são para a combinação pode nos tornar mais resistentes a comprar esses alimentos compulsivamente.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).