Morre ex-secretário-geral da ONU, Kofi Annan

Morre ex-secretário-geral da ONU, Kofi Annan - GettyImages
Como chefe das operações de paz da ONU, Annan foi criticado pelo fracasso do organismo mundial em deter o genocídio em Ruanda nos anos 1990.

Kofi Annan, ex-secretário-geral das Nações Unidas e ganhador do Prêmio Nobel da Paz, morreu hoje (18), aos 80 anos, no hospital em Berna, Suíça, em decorrência de uma doença não revelada. O diplomata será lembrado como um humanitário dedicado, cuja carreira foi marcada por conflitos que saíram do controle.

VEJA TAMBÉM: Chef francês Joël Robuchon morre aos 73 anos

Apesar dos esforços, Kofi Annan não pôde levar a paz à Síria e acabar com os fracassos da diplomacia em Ruanda, Bósnia, Darfur, Chipre, Somália e Iraque – países que, provavelmente, não reconhecem as medidas e tentativas de mediação para erradicar a pobreza e a AIDS que renderam ao ex-secretário o Prémio Nobel da Paz de 2001.

Kofi Annan foi criado em uma cultura etnicamente dividida em sua terra natal, Gana, local onde, no entanto, o diálogo era valorizado e o conflito imediato era raro. Foi uma época de otimismo e confiança, o país se preparava para ser independente da Grã-Bretanha.

“Ele era movido pela ideia de nunca pensar no ‘não’, sempre procurando o melhor resultado”, disse Fred Eckhard, porta-voz de Annan durante seu tempo como secretário-geral, à Reuters.

Sua reputação como mediador foi polida por seu sucesso em deter um conflito em espiral no Quênia, em 2007, quando reivindicações rivais à presidência causaram massacres étnicos nos quais mais de 1.200 pessoas morreram.

O diplomata colocou os rivais em uma sala e disse: “Só existe um Quênia”. Ele ajudou a convencer um integrante do grupo a aceitar o cargo de primeiro-ministro em um governo conjunto. A violência acabou ali.

E AINDA: EUA anunciam saída do Conselho de Direitos Humanos da ONU

Mas, no início de sua carreira, a atuação de Kofi Annan foi menos bem-sucedida. Ele era chefe da manutenção da paz da ONU em 1994, quando reconheceu que deveria ter feito mais para ajudar a evitar o massacre de 800.000 tutsis ruandeses e hutus moderados. A maior reprovação foi quando ele não conseguiu interferir em um telegrama do comandante da força de paz da ONU, General Romeo Dallaire, pedindo uma medida contra o armazenamento de armas pelos extremistas hutus enquanto preparavam o assassinato em massa.

“Eu acreditava, naquela época, que estava dando o melhor de mim”, disse Annan anos depois. “Mas percebi depois do genocídio que havia mais que eu poderia e deveria ter feito para soar o alarme e reunir apoio.”

Em um livro sobre o fracasso do mundo em agir, Dallaire elogiou Annan, descrevendo seu “humanismo e dedicação ao sofrimento dos outros”.

Quando sua carreira na ONU terminou, em 2006, ele listou suas principais realizações como estabelecimento do conceito de uma responsabilidade de proteger os civis quando seus governantes não o fizerem. Mas seu mandato foi repleto de desastres diplomáticos.

Derramamento de sangue

Segundo Annan, seu piores momentos incluem o fracasso em não conseguir conter o derramamento de sangue no Darfur, região a oeste do Sudão; o desastre petróleo-por-alimentos; e a guerra no Iraque, que o fez perder a voz por meses.

LEIA MAIS: Árabes, Europa e ONU rejeitam decisão de Trump de reconhecer Jerusalém como capital de Israel

O escândalo do petróleo-por-alimento eclodiu no início de 2004, quando surgiu a notícia de que Saddam Hussein havia fraudado o programa de US$ 64 bilhões destinado a aliviar os efeitos das sanções da ONU contra o povo iraquiano, impostas depois que as tropas de Bagdá invadiram o Kuwait.

Enquanto algumas autoridades da ONU foram acusadas de enriquecer, o órgão mundial foi responsabilizado pela falta de controle e por não denunciar as táticas de Saddam. Embora Kofi Annan tenha sido inocentado, seu filho Kojo foi acusado de ter usado contatos da ONU para obter vantagens indevidas.

Então veio o evento mais doloroso: o bombardeio da sede da ONU em Bagdá em 19 de agosto de 2003, que matou 22 pessoas depois que Annan decidiu, por insistência dos Estados Unidos, mandar funcionários da organização de volta ao Iraque, incluindo seu enviado, o brasileiro Sérgio Vieira de Mello, que estava entre as vítimas. “Isso me atingiu quase tanto quanto a perda da minha irmã gêmea”, disse Annan em sua última coletiva de imprensa como secretário-geral, com a voz embargada. Efua Annan, a irmã gêmea de Kofi, morreu por problemas de saúde em 1991.

O diplomata também estava no comando na época do massacre de Srebrenica, em 1995, na Bósnia, onde forças de manutenção da paz da ONU insuficientes não conseguiram impedir os assassinatos, e durante um fiasco na Somália que precedeu o de Ruanda.

Seus defensores dizem que ele tentou obter tropas suficientes e o apoio do poder principal para fazer a diferença na Bósnia e em Ruanda. Os críticos argumentam que ele foi retido pelo respeito aos limites que aprendeu em décadas como um funcionário da ONU.

VEJA AQUI: Agência de aviação da ONU defende criação de registro global de drones

Durante um evento para marcar seu 80º aniversário em abril, Annan ficou na defensiva sobre seu papel em Ruanda, brincou ironicamente sobre ser confundido com o ator Morgan Freeman depois de se aposentar, e lamentou a falta de líderes fortes para ajudar a lidar com as crises. “Tivemos dificuldades no passado, mas em alguns casos a liderança fez a diferença”, disse ele. E terminou de forma positiva: “Eu sou um otimista teimoso, eu nasci otimista e continuarei otimista. No momento em que se perde a esperança, tudo está perdido. Por isso, encorajo todo mundo a manter a esperança também.”

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).