Segurança do iPhone pode ser burlada por menos de US$10

Segurança do iPhone pode ser burlada por menos de US$10 - iStock
Software forense usado para obter a senha de dispositivos iOS exige conexão de dados.

A cada atualização do iOS, a Apple causa novas dores de cabeça para a polícia no que diz respeito ao desbloqueio de iPhones. Mas, de acordo com um ex-policial, basta um pouco de habilidade, alguma paciência e menos de US$ 10 para contornar uma das barreiras mais importantes da Apple para entrar e quebrar o bloqueio de seus smartphones.

VEJA TAMBÉM: Apple vai mudar configurações do iPhone

Isso ficou claro em um webcast realizado ontem (2) por Chris Vance, ex-especialista forense da Polícia Estadual da Virgínia Ocidental. Falando em nome de seu atual empregador, o fornecedor do governo Magnet Forensics, Vance relatou os problemas enfrentados pela polícia com o USB Restricted Mode da Apple. O recurso, introduzido na versão mais recente do iOS (11.4.1), elimina qualquer conexão de dados entre um iPhone e um computador quando um dispositivo é bloqueado por uma hora. Se não houver conexão de dados, não há como um iPhone ser conectado a um PC e ter todas as informações transferidas.

Este é um grande empecilho para a polícia (ou para um infrator que roubou um iPhone), pois o software forense usado para obter a senha de dispositivos iOS exige uma conexão de dados. Até onde o especialista sabia até fazer o vídeo, o USB Restricted Mode não pode ser derrotado por nenhuma ferramenta conhecida. Isso inclui o super avançado GrayKey, uma tecnologia revelada em primeira mão pela FORBES em março. Vance admitiu, no entanto, que não teve acesso ao GrayKey, mas pelo menos uma fonte acredita que pode derrotar a segurança da Apple. O fabricante da tecnologia, o GrayShift, não respondeu aos pedidos de entrevista para esclarecimento.

Vance, no entanto, também está testando um bypass conhecido do USB Restricted Mode, conforme revelado na postagem em um blog na última quarta-feira (1). O dispositivo atrasa o cronômetro em uma hora por sete dias quando um acessório (ou o que Vance chama de “delay dongle”) é conectado a um iPhone antes de entrar no USB Restricted Mode (ou seja, dentro de uma hora do bloqueio do telefone). Embora haja um limite de uma semana, apenas remover e reconectar o acessório reiniciará o timer, escreveu.

Em seus testes, o especialista conectou vários acessórios a um iPhone bloqueado rodando o iOS 11.4.1, a versão na qual a Apple ativou o USB Restricted Mode. Ele então esperou pelo menos 60 minutos, removeu o delay dongle e conectou o iPhone a um PC. Muitos acessórios saíram-se bem nos testes.

Vance descobriu que o dongle de trabalho mais barato era um adaptador de US$ 8,98, um splitter que permite o carregamento simultâneo e o uso de fones de ouvido (os mais novos modelos de iPhone não têm uma porta de fone). Em testes anteriores, o adaptador mais barato custava US$ 39.

E AINDA:Policiais nos EUA já usam digitais de cadáveres para desbloquear iPhones

Uma série de outros conectores parecidos com o modelo de US$ 8,98 também foram bem-sucedidos ao redefinir o USB Restricted Mode, embora eles custem alguns dólares a mais. Todos estavam disponíveis para compra na Amazon. Vance agora divulgou uma lista de todos os acessórios capazes de realizar a atividade, pedindo a todos que os testem e façam o upload dos resultados em uma planilha aberta.

“As agências devem comprar esses dispositivos em massa para depois jogá-los fora? Vai depender de vários fatores, como a entidade e suas políticas”, escreveu Vance. “Qualquer um que esteja planejando a captura de um dispositivo iOS deve ter pelo menos o conhecimento para estar preparado.”

Também é possível atrasar a janela de uma hora simplesmente conectando o iPhone a um PC com Windows, explicou Vance. Mas, para a aplicação da lei, isso pode não ser uma opção. Policiais têm que usar tecnologia apreendida segundo a lei de Faraday, que impede que qualquer fonte externa adultere ou altere os dados (e possíveis evidências) internos.

Apple agressiva

Durante o webcast, Vance disse que era altamente provável que a polícia encontrasse um número significativo de dispositivos iOS executando os mais recentes recursos de segurança. Isso porque a Apple tem sido cada vez mais agressiva nas atualizações.

LEIA MAIS: O que esperar do preço dos próximos iPhones

Ele também apontou para o chamado modo Emergency SOS dos últimos iPhones. Pressionando rapidamente o botão liga/desliga cinco vezes, o alerta é ativado. Ele evita o TouchID e também ativa o USB Restricted Mode. “Não há nada que possamos fazer se o modo Emergency SOS estiver ativado. O recurso vai simplesmente parar sua investigação naquele momento.”

A Apple não respondeu aos pedidos de entrevista até o momento desta publicação.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).