Como escrever um discurso presidencial

Divulgação
Litt explica, ainda, que os redatores de discursos priorizam o que é interessante

A dúvida sobre o que os redatores devem ou não incluir em um discurso presidencial é recorrente no Quora – comunidade de perguntas e respostas que tem como objetivo fazer as pessoas aprenderem umas com as outras e disseminar conhecimento.

LEIA MAIS: Que presidente você quer para o Brasil?

A resposta de David Litt, responsável pelos discursos de Obama na Casa Branca e autor de“Thanks, Obama”, na plataforma, foi a seguinte: “Acho que um dos equívocos mais comuns dos profissionais que fazem os discursos é que eles acham que são mestres de marionetes, já que ficam nos bastidores, colocam palavras na boca das pessoas e acabam experimentando um pouco do poder”.

Segundo Litt, esses profissionais são mais como personal trainers: eles ajudam a pessoa que fará o discurso a apresentar uma melhor versão de si mesmo ao público. Eles não podem transformar essa pessoa em alguém que ela não é.

“Quando eu escrevia discursos para o presidente Obama, a primeira pergunta que eu me fazia era: ‘O que ele já disse sobre esse assunto?’. E, àquela altura, ele já tinha falado sobre quase todas as questões políticas muitas vezes. Por isso, o objetivo era atualizar o discurso com novas histórias e, às vezes, novos anúncios de políticas, sem reinventar a roda. A redação de discursos é tão artesanal quanto a arte – talvez até mais – e, se você não estiver disposto a copiar e colar algumas coisas, essa é, provavelmente, a profissão errada para você.”

O especialista diz que há algumas áreas em que eles e seus colegas de função tentaram acrescentar algo especial, independentemente do tamanho do discurso. “O presidente Obama sempre deixou claro por que o que quer que ele estivesse falando era importante. É fácil se perder nas abstrações da política, então ele queria ter certeza de que o país entendia que o que estava fazendo – e o que o Congresso geralmente não estava fazendo – tinha impacto na vida das pessoas.”

VEJA TAMBÉM: 10 líderes mais inovadores do mundo

Litt explica, ainda, que os redatores de discursos priorizam o que é interessante – e não apenas o que é importante. “Nós tivemos equipes políticas incríveis, mas o trabalho delas não era encontrar uma história ou fato que o público pudesse lembrar depois que o discurso terminasse. Essa era a nossa tarefa – descobrir não apenas o que importava, mas o que fosse memorável.”

Segundo ele, esses profissionais atuam como se tivessem uma procuração do orador diante do público. A tendência de quem faz o discurso (e das organizações) é adicionar o máximo possível. O redator está lá para dizer: “Esse é um bom ponto, mas o discurso está ficando muito longo e precisamos cortá-lo”. Ou: “Essa é uma boa ideia, mas não é realmente relevante para o objetivo do discurso”.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).