Balada matinal une ioga e jaca louca antes do escritório

Leonardo Pelatti/Divulgação
Preparar os participantes para um dia diferente é a proposta da Wake, festa com ioga e meditação que vai das 7h45 às 10h

Não sei se você é do tipo que acorda de mau humor. Eu sou. E fiquei mais ainda com a ideia de levantar cedo para ir a uma festa que começava às 7:45 da manhã, numa quinta-feira, sem álcool, com ioga, meditação e comidinhas veganas. Pensei um monte de coisa terrível, das quais a mais leve que posso publicar é que era evento de gente maluca. Nesse estado de espírito nebuloso, cheguei à Wake, que reuniu cerca de 150 pessoas na Casa das Caldeiras, na zona oeste de São Paulo.

VEJA TAMBÉM: 7 pacotes de luxo para praticar ioga

Muita gente que clicou para ler esse texto talvez tenha feito julgamentos como o meu – condenar os outros precipitadamente é um dos passatempos preferidos dos dias de hoje, afinal –, mas a verdade é que me fez um bem danado ter ido. Conforme conversava com as pessoas, via que a maioria seguiria de lá para compromissos profissionais. Além disso, saí mais leve, me sentindo bem, com a impressão de que aquele monte de gente meio riponga se abraçando e dançando de um jeito meio desconjuntado com bambolês e bolhas de sabão tinha me dado uma energia diferente. Será?

Leonardo Pelatti/Divulgação
Lourenço Bustani, criador do evento: dinheiro arrecadado é totalmente destinado a instituições beneficentes

Tem gente que não duvida dessas boas vibrações.

A arquiteta Rhamona Asfora, por exemplo. Chique num macacão colorido, maquiagem e cabelo caprichados, seguiria dali para uma reunião pesada com advogados criminalistas, e o alto astral da festa era uma espécie de contrapeso. “São Paulo é uma cidade tóxica, mas praticar ioga mudou minha vida e me livrou da Síndrome do Pânico ”, disse ela, que já esteve em festas similares em Nova York e Los Angeles.

Com o lema “acordar para despertar”, a Wake foi criada pelo empresário Lourenço Bustani justamente inspirada em eventos similares no exterior. filho de diplomatas brasileiros, nascido em Nova York, ele comanda uma consultoria de inovação que já teve entre seus clientes empresas como Nike, GM e HSBC. Vira e mexe, ele aparece em listas de pessoas mais criativas do mundo dos negócios. Aqui, ao contrário de no dia a dia corporativo, as pessoas que se envolvem na organização trabalham voluntariamente — quem leva comidinhas, aplica terapias ou massagens também. “Aqui não tem essa energia monetária”, afirma. Os ingressos tinham preço sugerido (ou seja, a pessoa paga quanto achar que deve) de até 70 reais. O dinheiro arrecadado foi todo doado para a Associação Vila Nova Esperança, que fica nos arredores de Taboão da Serra. A festa acontece a cada dois meses, sempre em locações variadas. Foi uma experiência interessante conjugar o oooooommm dos participantes com o tatac-tatac dos trens da CPTM passando ao fundo.

  • A manhã de festa começou com ioga dance, conduzida pela professora Fernanda Cunha

  • O pessoal se empolga nos passos e posturas

  • Como em toda festa, as pessoas interagiram com gente que nem conheciam

  • “Abrace a pessoa em quem você esbarrar”, sugeriu a professora, que foi prontamente obedecida

  • Aline Neelama espalhou suas boas vibrações com música

  • Quase lá! A educadora alimentar Mayra Abbondanza e suas 37 semanas de gestação

  • Um Namastê coletivo encerrou a primeira etapa da manhã

  • Daí o som ficou sob os cuidados da DJ Marina Brant

  • Cerca de 150 pessoas compareceram à festa, cuja renda é 100% beneficente

  • No quesito looks tem de tudo: gente produzida…

  • …gente com roupa de academia…

  • …e outros mais desencanados, de camiseta

  • Tinha bolha de sabão para crianças e para adultos…

  • …e bambolê também

  • Vai uma jaca louca aí? Samuel Gonzalez serve versão vegana da tradicional carne louca

A manhã de festa começou com ioga dance, conduzida pela professora Fernanda Cunha

Começou com uma sessão de ioga dance, conduzida pela professora Fernanda Cunha. Falando mansinho, primeiro ela botou o povo para caminhar pela sala, sentir o ambiente, o próprio corpo, abraçar o vizinho. “Deixe a música te dançar”, sugeriu. Quando eu vi, todos estavam dançando e acho que nem eles perceberam como passaram tão depressa do relax à batida da música eletrônica da DJ Marina Brant.

Leonardo Pelatti/Divulgação
A arquiteta Rhamona Asfora: da festa para reuniões de trabalho

Jamais pensei que a palavra jaca pudesse ser usada numa festa em outro sentido que não o de ficar malucão. Mais uma vez, dei com os burros n’água. Provei pão com jaca louca, que é exatamente o que você pensou: um substituto vegano da tradicional carne louca. Achei bom, apesar de eu ser totalmente hambúrguer com batata frita. Ioga pelo visto dá fome, porque o pessoal devorou rapidinho as tortas de abobrinha com sementes, os bolos, bananas, maçãs e kombucha, dentre outros quitutes servidos gratuitamente.

E AINDA: 7 gurus da ioga para seguir no Instagram

A Wake merece nota dez, sobretudo, no que diz respeito à diversidade. Tinha branco, negro, asiático, pobre, rico, classe média que acha que é rica, figuras exóticas, bem vestidos, desencanados… E eu tenho certeza que as coisas mais legais (e chiques) do século XXI passam necessariamente por essa mistura. Não vi ninguém dando uns beijos, mas não faltava gente bonita para paquerar. Por outro lado, também havia famílias com crianças e até uma grávida, a educadora alimentar Mayra Abbondanza, com 37 semanas de sua quinta gestação. “A festa mostra que é preciso estar desperto, em vez de apenas acordado.”

(Fotos: Leonardo Pelatti/Divulgação)

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).