O trem mais belo do mundo

Divulgação

Nos 300 quilômetros que separam Zermatt de St. Moritz, as janelas panorâmicas do Glacier Express inundam os olhos com cenários inesquecíveis. Ao deixar para trás o imponente Matterhorn, o Vale do Matter, entre Zermatt e Stalden, oferece uma variedade incrível de cenários: picos, prados floridos, o espumante Rio Matter Vispa, os vinhedos de maior altitude da Europa e excelentes pistas de esqui. Perto de Kalpetran, o Glacier segue pela selvagem e romântica Kipfen Gorge, ao longo de uma das seções mais cênicas da rota: a linha férrea e o Rio Vispa correm lado a lado.

Os vales Saas e Matter se encontram em Stalden, a “aldeia das pontes” – construções de épocas diferentes que atestam o passado da vila como importante centro comercial. Pouco antes da entrada da aldeia fica a parte mais íngreme do trajeto, onde os trens sobem em potência máxima. De prender a respiração também é a visão de Kinbrücke, uma ponte de pedra em arcos do século 16. Chegando a Brig, avista-se o palácio do século 17 construído por Kaspar Stockalper, eminente comerciante de seda, banqueiro e político. Suas adegas, galerias, seus salões e o jardim de rosas estão abertos aos visitantes.

A partir de Andermatt, os trens partem para Disentis, Göschenen e Zermatt (o lugar está ganhando destaque graças ao novo resort turístico Andermatt Swiss Alps). Seguindo rumo a St. Moritz: a passagem de Oberalp, com 2.033 metros, é o ponto mais alto da rota do Glacier Express. Conhecido como “Grand Canyon Suíço”, o Rhine Gorge, desfiladeiro do Reno, é um dos espetáculos naturais mais impressionantes da Suíça. Depois dele chega-se a Domleschg, conhecida por seus castelos (o maior deles é o Schloss Ortenstein, erguido em uma saliência de 120 metros de rocha). O viaduto de Solis, construído em 1902, e o viaduto Landwasser, de pedra natural, são outras construções espetaculares – mas não as últimas.

A bordo do trem, os demais sentidos são igualmente agraciados. A Excellence Class, categoria premium que entra em
funcionamento no dia 2 de março, vai elevar ainda mais o padrão de luxo e conforto do tour, oferecendo bar exclusivo, concierge e acompanhamento personalizado – incluindo champanhe, petiscos e menu degustação com sequência de cinco pratos (preparados a bordo), harmonizados com os melhores vinhos regionais. Para viajar nela, é preciso ter um bilhete de primeira classe para o trecho St. Moritz-Zermatt ou Zermatt-St. Moritz e fazer a reserva de assentos para a classe Excellence (as reservas podem ser feitas pelo site glacierexpress.ch).

Tanto na primeira classe (que acomoda 36 passageiros) como na segunda (de 48 lugares) o viajante tem à disposição um guia de áudio em alemão, francês, inglês, italiano, chinês ou japonês com informações sobre o trajeto. Crianças até 6 anos não pagam; de 6 a 16 anos pagam meia. Quem tem Swiss Travel Pass paga apenas as taxas de reserva.

A PRIMEIRA VIAGEM

No início do século 20, viajantes de várias partes do mundo descobriram as maravilhas dos Alpes suíços. As ferrovias, atentas a esse potencial turístico, abriram a primeira ligação ferroviária entre os cantões de Graubünden, a leste, e Valais, a oeste. Nascia o Glacier Express. Sua primeira viagem entre St. Moritz e Zermatt foi feita em 25 de junho de 1930. Enquanto outras rotas operavam com as modernas locomotivas elétricas, o Glacier ainda era movido a vapor – nascia, também, a fama que o acompanha até hoje de “o trem expresso mais lento do mundo”. Nos anos 1940, a empresa aderiu à locomotiva elétrica, reduzindo o tempo de viagem de 11 para 8 horas. Desde 1982, com a abertura de um novo túnel, o passeio também pode ser realizado durante o inverno.

* BrandVoice® é de responsabilidade exclusiva dos autores e não reflete, necessariamente, a opinião da Forbes Brasil e de seus editores

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).