A psicologia por trás do sucesso da franquia multibilionária “Velozes e Furiosos”

VelozesEFuriosos/Divulgação
O novo filme da famosa franquia Velozes e Furiosos é protagonizado por Hobbs e Shaw

Resumo:

  • O mais novo filme da série, “Velozes e Furiosos: Hobbs & Shaw, vai depender de alta bilheteria na China para conseguir alcançar o sucesso dos anteriores;
  • O conceito contemporâneo de família que a franquia propõe é um dos pontos que faz diversos públicos se identificarem;
  • Os variados papéis de cada personagem dentro da dinâmica dos filmes tornam cada um deles único e especial para o público;
  • Ter essa identificação com todo tipo de personalidade faz com que os filmes da série sejam queridos por muitos ao redor do mundo.

Com a chegada do filme “Velozes e Furiosos: Hobbs & Shaw” ao mercado chinês e a esperança de manter sua dominância mundial, é difícil não ficar admirado com o sucesso de bilheteria da franquia “Velozes e Furiosos”. A arrecadação de US$ 442,1 milhões depois de duas semanas e meia é, na verdade, baixa em comparação com outros títulos da série, que já somam US$ 5,574 bilhões mundialmente ao longo de nove filmes. E um deles, “Velozes e Furiosos 7”, é responsável pela sétima maior arrecadação de todos os tempos, com US$ 1,5 bilhão.

LEIA MAIS: Obamas fazem estreia em Hollywood com filme “American Factory”

Tal domínio mostra uma característica central muito presente. A série não nasceu de um material popular ou contava com estrelas de cinema mundialmente conhecidas (pelo menos no começo). Tudo começou com um filme pequeno chamado “Velozes e Furiosos”, no ano de 2001. Com origem humilde, a franquia não foi construída apenas com um orçamento de US$ 38 milhões, mas também com um conjunto de ideais familiares.

Desde o início, a palavra “família” se manteve como ideia principal para a série, e chegou à “Velozes e Furiosos: Hobbs & Shaw” para manter a conexão com audiências por todo o mundo. Apesar disso, a ideia de família do filme não é a concepção tradicional, com mãe, pai e filhos. No universo do filme, “família” é o grupo de pessoas que completa a vida de alguém. A gangue de “Velozes e Furiosos” adotou um conceito que não é só aceito por americanos, mas por diferentes gerações ao redor do mundo. Esta é uma das explicações para o sucesso internacional que todas as sequências da série alcançam.

Conforme a sociedade se desenvolve, a definição principal de “família” parece mudar a todo momento. Pessoas ao redor do mundo montam suas vidas de jeitos diferentes. Adultos casados representam aproximadamente 50% da sociedade atual, os outros são solteiros. O formato mais tradicional de família, com pai, mãe e filhos, é responsável por apenas 20% das casas atuais. Mais pessoas estão vivendo sozinhas ao invés de ao lado de alguém.

Em 2015, Bella DePaulo escreveu um livro chamado “How We Live Now: Redefining Home and Family in the 21st Century” ou “Como Vivemos Hoje: Redefinindo Lar e Família no Século 21” em tradução livre. A descrição na Amazon resume a obra:

“Por todos os Estados Unidos e pelo mundo, em megalópoles, periferias e pequenas cidades, pessoas de todos os tipos estão redefinindo os “espaços de vida” -a maneira pela qual vivemos e com quem vivemos. O núcleo familiar tradicional, morando em uma casa pequena na periferia, perdeu espaço na vida contemporânea. Hoje, norte-americanos têm mais escolhas do que nunca para criar novas maneiras de viver e atender suas necessidades e desejos pessoais.

No começo deste ano, uma mulher chamada Lucy Huber fez um tuíte que alcançou 183 mil curtidas e foi compartilhado 50 mil vezes. Dizia o seguinte: “Pare de falar ‘comece uma família’ quando você quer dizer ‘tenha filhos’. Um homem e uma mulher já são uma família. Uma pessoa solteira e um gato são uma família. Um casal e as suas plantas são uma família. Três colegas de quarto estranhamente próximos podem ser uma família. Você não precisa de crianças para ter uma família.”

VEJA TAMBÉM: Os 22 filmes da Marvel, do pior ao melhor

Independente da sua definição de “família”, tudo se resume a um conjunto de valores que procuramos nas pessoas em nossas vidas. Se não conseguimos chegar aos valores que queremos com uma certa pessoa, nos livramos dela. Alguns conseguem atingir determinados valores totalmente sozinhos ou com seus animais de estimação ou com uma mulher ou um marido e 15 filhos. No caso de “Velozes e Furiosos”, nossos amigos suprem as necessidades familiares um do outro.

Esses valores centrais, segundo um artigo da organização Family Story, são igualdade, autonomia, interdependência e carinho.

  • Igualdade significa reduzir diferenças sociais e econômicas entre as partes;
  • Autonomia significa permitir mais liberdade individual por meio da redução de barreiras estruturais;
  • Interdependência requer a aceitação do fato que somos dependentes de outras pessoas, mesmo aquelas fora do nosso círculo familiar;
  • Carinho significa reconhecer todas as maneiras que as nossas relações podem impactar positivamente nossas vidas e nosso bem-estar.

Como resultado das mudanças no padrão de vida do século 21, procuramos todos os quatro elementos citados em qualquer tipo de família. E podemos notar todos esses valores presentes nos filmes de “Velozes e Furiosos”.

“Velozes e Furiosos” defende que não devemos nos integrar a novos grupos, mas que devemos nos tornar parte de novas famílias. Nós assumimos papéis de pai, mãe, irmão e irmã, cuidamos e lutamos um pelo outro, do mesmo jeito que fazemos com nossa família de sangue. E essas novas relações podem ser tão significativas como as de nossas famílias iniciais. Nós nunca paramos de evoluir, e no mundo de “Velozes e Furiosos” os personagens estão sempre aprendendo e crescendo com o outro.

Essa é a beleza da franquia “Velozes e Furiosos”. Cada membro da “família” tem suas origens, e o seu desenvolvimento foi diretamente influenciado pela dinâmica da família ao longo de diversos filmes. E nós conseguimos nos enxergar em cada uma das funções que os personagens cumprem em suas unidades familiares.

E TAMBÉM: As bilheterias dos 8 indicados a Melhor Filme no Oscar 2019

No começo de nossas vidas, de acordo com o projeto Strong Bonds, nós atribuímos funções a nós mesmos para preencher as facções da família, o que vai influenciar em como vamos nos adequar a outras dinâmicas. Por exemplo, é comum ver membros de famílias se vendo como os pacificadores do círculo familiar e se sentirem obrigados a equilibrar as relações. Ou alguém pode ver a si mesmo como o bode expiatório, fora dinâmica familiar, como um dos piores membros ativos. Quando estas pessoas saem de casa, elas tendem a se manter na mesma função que tinham.

Por sua vez, quando vemos personagens de “Velozes e Furiosos” se integrando a uma nova família, vemos a nós mesmos no cenário do século 21. Nós recebemos inspiração daquelas pessoas que nos acostumamos a conhecer, amar e ajudar. Desta maneira, você não precisa ter nascido em uma família que o complete, você pode ditar novas dinâmicas e se tornar o tipo de pessoa que sempre quis ser.

Esse é o motivo de todo novo filme da série se tornar um evento global: pessoas de todo o mundo amam os personagens e querem ser parte da família deles. Nós nos sentimos inspirados a sermos melhores, a encontrar pessoas que aflorem o nosso melhor. Essa ideia simples e adorável é o que alimenta o sucesso multibilionário da franquia, é algo que todos podemos torcer a favor.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).