Aplicativo chinês que coloca rosto em vídeos deixa milhões em risco

Reprodução
O ZAO tem falhas de segurança de privacidade, como as do FaceApp

Resumo:

  • Lançado na sexta-feira (30), o app alcançou o posto de mais baixado na App Store da China;
  • A função do aplicativo é trocar o rosto dos usuários pelos de famosos em vídeos;
  • Assim como o russo FaceApp, o software usa fotos e informações enviadas de forma indiscriminada.

A China está enfrentando seus próprios problemas de privacidade ao estilo FaceApp. O aplicativo de troca de rosto da ZAO se tornou uma sensação da noite para o dia. Ele permite que os usuários enviem imagens e, em seguida, seu mecanismo de inteligência artificial troca as fotos dos usuários por de celebridades em vídeos.

LEIA MAIS: Procon-SP multa Google e Apple por aplicativo FaceApp

Lançado na sexta-feira (30), o aplicativo se tornou o mais baixado na App Store da China no fim de semana. O problema, sem surpresa, é que descobriram que o aplicativo é um desastre de privacidade.

Assim como a controvérsia do russo FaceApp, a política de privacidade da ZAO e sua tecnologia causaram preocupações, devido aos direitos concedidos pelos usuários aos desenvolvedores sobre as imagens enviadas. Aparentemente, apenas para fins de processamento e marketing, isso acaba se transformando em uma pilha de dados gratuitos disponibilizados para uso indiscriminado.

Desta vez, a tempestade foi intensificada pelo fato de os dados serem fornecidos à MOMO Inc, uma organização que está literalmente no jogo da “troca de identidade” para fins de entretenimento.

“Entendemos completamente a ansiedade que as pessoas têm em relação a questões de privacidade”, garantiu a empresa responsável pelo ZAO, ao blog “Weibo”. “Recebemos as perguntas que os usuários nos enviaram. Vamos corrigir as áreas que não tínhamos considerado e precisaremos de algum tempo”.

O problema de privacidade diminuiu as classificações do aplicativo na App Store. Esta não é a primeira tecnologia de troca de rostos a provocar uma mania viral do consumidor -e não será a última. Mas é uma ilustração clara da rapidez com que a tecnologia está avançando e de como pode ser implantada com relativa facilidade.

Essa tempestade, no entanto, parece ter atingido um nível de reação muito mais rápido do que vimos com o FaceApp. A gigante tecnológica chinesa Tencent já bloqueou os links para o aplicativo de sua plataforma de mensagens WeChat, citando “riscos à segurança”.

A reação da China ao aplicativo ZAO foi tão forte que até a mídia controlada pelo Estado está divulgando a história. Vale lembrar que o país foi acusado de montar uma campanha de hackers de dois anos em dispositivos Apple, Android e Microsoft.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).