Saiba qual o limite do consumo diário de café

ThomasTrutschel/GettyImages
Estudos discordam quanto aos efeitos do consumo excessivo de café na saúde da população

Resumo:

  • O consumo de café é facilitado pelas qualidades da bebida, mas também pela grande quantidade de cafeterias nas ruas;
  • Os estudos que tentam encontrar a quantidade ideal de café a ser consumida encontram resultados variados;
  • Especialistas no assunto aconselham a prestar atenção aos sinais do corpo para decidir a quantidade ideal de café diário a consumir;
  • A palavra-chave para o consumo saudável da bebida é moderação.

O sabor, o cheiro e a praticidade são alguns dos motivos para a maioria de nós amar café. Uma cultura popular de consumo (64% dos americanos bebe uma xícara de café todo dia) e muitas cafeterias nas ruas tornam fácil consumir diversas xícaras em um dia (algumas pessoas chegam a consumir até 25 doses todos os dias). É natural se perguntar: a partir de qual ponto beber café se torna um exagero?

LEIA MAIS: Nespresso abre butique de cafés (e vai ter até cursos grátis)

Nos últimos anos, muitos estudos mostraram resultados diferentes sobre quantidades saudáveis e efeitos no corpo. Alguns deles sugerem que o consumo da bebida pode ajudar a reduzir o risco de diabetes 2 e alguns tipos de câncer, além de melhorar a saúde do cérebro e o metabolismo. Outros estudos garantem que café em excesso pode causar doenças cardíacas e enxaqueca. Só nos últimos cinco meses, diversas pesquisas resultaram em números diferentes sobre qual seria a quantidade ideal a ser consumida.

Em março, os pesquisadores do Australian Centre for Precision Health (da University of Southern Australia) Elina Hyppönen e Ang Zhou compartilharam suas descobertas sobre a dose máxima de café, aquela que não prejudica a saúde cardiovascular do organismo. Depois de analisar padrões de alimentação e exames de saúde de 346.077 indivíduos com idade entre 37 e 73 anos do banco de dados do UK Biobank, o número encontrado foi de cinco xícaras diárias. Segundo o estudo, a partir do momento que alguém começa a beber seis ou mais xícaras de café por dia, o risco de doenças cardíacas pode aumentar em até 22%.

No dia 3 de junho, um estudo apresentado na conferência da British Cardiovascular Society (Sociedade Britânica Cardiovascular), realizada pela Queen Mary University of London, sugeriu um número diferente. A média de consumo diário da bebida entre o grupo que mais consome café foi de cinco xícaras por dia, mas depois de aplicar exames cardiovasculares em 8.412 participantes, os cientistas descobriram que “mesmo aqueles que bebem 25 xícaras por dia não apresentavam nenhuma tendência maior de ter rigidez nas artérias do que pessoas que bebem menos do que uma xícara diariamente.”

LEIA TAMBÉM: Café mais caro do mundo chega a SP: R$ 1.220 o quilo

O cientista que liderou a análise de dados na Queen Mary University of London, Kenneth Fung, declarou à CNN que o resultado não deve encorajar as pessoas a beber 25 xícaras de café por dia. Na verdade, “a mensagem principal para o público é a de que você pode curtir a bebida e ainda ter um estilo de vida perfeitamente saudável, os amantes de café podem ficar tranquilos em relação ao endurecimento dos vasos sanguíneos”, afirma o pesquisador.

Quando se trata de ponderar diferentes pesquisas, Donald Hensrud, diretor do programa de vida saudável da Mayo Clinic e editor médico da Mayo Clinic Diet, diz que “uma pesquisa não muda todos os outros trabalhos realizados no assunto até agora”. É importante levar em conta todo o corpo de estudos feitos durante os anos, que apontam uma relação entre o consumo de café e a diminuição no risco de diabetes tipo 2, mal de Parkinson e mortalidade no geral. Apesar do excesso de cafeína oferecer risco para mulheres grávidas ou tentando engravidar, os benefícios gerais do café são relativamente evidentes.

Em vez de parar com o café, comece a prestar mais atenção a efeitos colaterais, como azia, refluxo ácido, problemas urinários (especialmente entre homens), insônia e palpitações cardíacas. Estes são os sinais mais significativos e claros de que os amantes de café devem reduzir o consumo. Além disso, não use muito açúcar, creme e evite produtos muito elaborados de franquias (que costumam ter 500 calorias ou mais) se quiser “manter a ingestão calórica em um nível baixo”, afirma Hensrud.

E TAMBÉM: As melhores cafeteiras de prensa francesa

Como a maioria das coisas, “moderação é a chave. Uma média de cinco a seis xícaras por dia é um limite praticável e razoável, contanto que a pessoa não sinta algum efeito colateral”, afirma. Para os que precisam diminuir o consumo diário de café, o especialista recomenda ir devagar. “Não pare de tomar café de uma hora para a outra.” Deixe o vício em cafeína diminuir ao longo do tempo (reduza uma xícara de café a cada três ou quatro dias), para que você não sinta muita falta muito no começo.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).