Alexandra Loras: “O mercado afro é o futuro do Brasil”

Divulgação
Alexandra Forbes: evento para reunir executivos, marcas e organizações sociais

Ex-consulesa da França, a ativista e comunicadora Alexandra Loras reúne executivos, marcas e organizações sociais em São Paulo nesta segunda (26). O objetivo é debater a inclusão racial e o poder de consumo da população negra, tema do primeiro Fórum Diversifique. Ela conta a seguir um pouco sobre o evento.

LEIA TAMBÉM: Qual a importância de sair do centro e olhar para a periferia

Qual é seu objetivo com o fórum?

Colocar em contato formadores de opinião, militantes e ativistas. Pessoas que têm conteúdo, mas nunca sobem no palco de eventos sobre diversidade. Há protagonistas e acadêmicos que podem verbalizar as boas práticas de diversidade, e acho importante dar voz a essas pessoas. E ter na plateia CEOs, pessoas de RH, gente de agência de publicidade. São públicos que não se conhecem, não se frequentam.

Por que tantas pessoas acham que brasileiro não é racista?

É um tipo de negação que conforta muita gente. Achar que o monstro está no vizinho, nos Estados Unidos, na Europa, na África do Sul, e não em nós. Segundo o IBGE, 54% dos brasileiros são negros, então não numericamente não somos minoria. Mas somos uma maioria tratada como minoria.

LEIA TAMBÉM: Como fui impulsionado a fazer em 3 meses o trabalho de um ano inteiro na favela

A representação do negro não mudou nos últimos tempos?

Na publicidade e nos produtos, ainda aparecemos muito pouco. A novela, os desenhos animados e o livro didático não relatam o negro como consumidor ou empreendedor. Os produtos ditos “cor de pele” levam em consideração apenas os brancos, como se fosse o normal, o padrão, e estamos num país em que a maioria das pessoas não é branca. Se eu cortar o dedo e for comprar Band-Aid, tem do Homem Aranha e do Bob Esponja, mas não da minha cor. Precisamos conversar sobre isso. O mercado afro é o futuro do Brasil.

O ingresso do fórum custa R$ 500. Muita gente que se interessaria em participar não tem esse dinheiro. Criou alguma forma de incluir essas pessoas?

Sim. 80% das pessoas que emitiram o ingresso, não pagaram. Justamente pensando na inclusão. Quem quiser, pode usar o código DIV2018 e conseguir ir de graça também.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).