Chanel vai banir peles e couros exóticos

Stephane Cardinale/Corbis/GettyImages
Cliente com bolsa da Chanel: a grife francesa não vai mais usar peles nem couros exóticos

Se alguém ainda tinha dúvida de que vestir peles de animais havia saído de moda, vai precisar mudar de ideia de vez. A Chanel, maior ícone da moda mundial, anunciou que não vai mais usar o material nem couros exóticos — crocodilo, cobra, lagarto e arraia, por exemplo — em suas roupas e acessórios.

LEIA TAMBÉM: Chanel lança linha de maquiagem para homens

Dar adeus às peles foi um dos mais intensos movimentos da moda neste ano, ao qual já haviam aderido Maison Margiela, Michael Kors, Gucci e Versace. A Burberry, aliás, declarou que não vai mais usar coelho, raposa, guaxinim e angorá em seus casacos e acessórios.

Na última semana de moda de Londres, nenhuma das oitenta grifes participantes exibiu casacos de pele em suas coleções. Um levantamento da ONG People for the Ethical Treatment of Animals — a famosa e temida PETA — descobriu que 95% das marcas do Reino Unido não usam mais pele em suas criações. Mesmo Karl Lagerfeld, diretor criativo da marca e que em inúmeras ocasiões havia batido de frente com ambientalistas e defendido o uso de pele, se rendeu ao movimento. O desfile da Chanel, em março deste ano, teve apenas peles sintéticas.

TAMBÉM EM FORBESLIFE: Telma Shiraishi critica machismo na gastronomia

A decisão se deve à pressão de movimentos por direitos dos animais, e reflete a preocupação em manter uma boa imagem numa era em que as redes sociais podem consagrar ou demolir uma marca. O presidente da Chanel, Bruno Pavlovsky, mencionou a dificuldade em garantir fontes éticas e responsáveis dos produtos que optou por abolir.

Stephane Cardinale/Corbis/GettyImages
Karl Lagerfeld, diretor criativo da Chanel: até ele se rendeu

A cobrança por materiais sustentáveis também é característica das gerações mais jovens, e é claro que a moda precisa absorver esse tipo de demanda se quiser sobreviver. Tudo indica que o próximo passo será a busca por novos tecidos e materiais, capazes de substituir com qualidade, conforto e segurança, os produtos de origem animal. Por enquanto, couro bovino e de ovelha continuam em uso pela maior parte da indústria.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).