10 destinos exóticos para viver sem trabalhar

GettyImages
Países da América Latina se destacam entre os destinos exóticos e acessíveis.

Já sonhou em deixar o seu emprego e se mudar para o paraíso? Pelo terceiro ano consecutivo, a FORBES compilou uma lista de destinos onde o custo de vida é tão acessível (em comparação com os Estados Unidos) que é possível, realmente, considerar uma aposentadoria antecipada.

VEJA TAMBÉM: Os melhores destinos de viagem para cada signo em 2019

Veja, na galeria de imagens a seguir, 10 destinos exóticos onde é possível viver sem trabalhar, além de muitos outros benefícios:

  • 1. Panamá

    Motivo: o país liderou o International Living Index (Índice Internacional de Vida, em português) deste ano. “O Panamá faz todo o sentido”, diz Jennifer Stevens, executiva na International Living Index. “O sol brilha, é quente e está abaixo do cinturão de furacões. O atendimento médico é de baixo custo e de alta qualidade e a infraestrutura é de primeira linha. O acesso à internet é bom e, além disso, é fácil pegar vôos, já que é possível ir de lá a, praticamente, qualquer lugar do mundo. Com governo estável e aberto aos negócios, é uma escolha inteligente.”

    Outra vantagem: o Panamá está favorecendo ativamente estrangeiros com incentivos fiscais e outros benefícios. “Você não pagará imposto de renda sobre os recursos obtidos fora do país”, explica Stevens. “E há várias boas opções quando se trata de obter um visto – todas elas fáceis de cumprir. Isso inclui, por exemplo, o visto Friendly Nations e o Pensionado – ambos fornecem residência sem muita burocracia.” Além do mais, os impostos imobiliários são realmente baixos e algumas propriedades já vêm com a taxa.

    Onde morar: há muita variedade no Panamá – dos grandes centros urbanos às praias e aos planaltos rurais mais frios. “A Cidade do Panamá é vibrante e cosmopolita – uma verdadeira cidade – e dá para ganhar muito dinheiro”, diz Stevens. O Panamá também oferece uma diversidade de climas. Uma boa escolha é Boquete, localizado nas colinas, a cerca de mil metros. “As temperaturas variam entre 18 graus Celsius à noite a 30 graus ao meio-dia”, diz Stevens. “O centro tem o charme de cidade pequena, com chalés de estilo suíço e uma variedade de lojas, restaurantes e hotéis.” O país tem boas alternativas de praia, também – uma das melhores é Coronado, que fica a apenas uma hora da capital.

    Custo: no geral, o custo de vida no Panamá varia dependendo de onde – e como – você mora. Segundo Stevens, um casal poderia planejar com segurança um orçamento mensal entre US$ 1.765 e US$ 2.890 na Cidade do Panamá – e até menos em outras regiões. Para uma única pessoa, o valor pode cair de 20% a 30%. “Mas, novamente, depende do estilo de vida”, diz Stevens. “Um expatriado, por exemplo, que não precisa arcar com os custos de moradia, pode viver confortavelmente com menos de US$ 1 mil por mês. As despesas diárias em qualquer lugar no Panamá são baixas, assim como o custo para assistência médica.” Segundo a International Living, é possível encontrar belos apartamentos de um quarto no bairro de San Francisco-Coco del Mar, perto do verde e pacífico Parque Omar, a partir de US$ 650 por mês. Localmente, ao andar pelas ruas, você provavelmente conseguirá ofertas ainda melhores. Os ingressos de cinema custam US$ 6, enquanto os cortes de cabelo masculino saem por US$ 3. Um popular “menu executivo” para o almoço – com um prato principal, acompanhamentos, sobremesa e uma bebida – normalmente custa entre US$ 7 e US$ 10. Em Boquete, uma propriedade de quatro quartos é vendida por menos de US$ 250 mil. Lá, é possível alugar uma casa de dois quartos a partir de US$ 800 por mês. Em Coronado, um apartamento de um quarto com vista para o mar em um campo de golfe custa US$ 189 mil.

  • 2. Costa Rica

    Motivo: não é de admirar que este país, cujo lema nacional é “Pura Vida”, tenha ficado em 2o lugar. “A Costa Rica é onde a vida é vivida ao ar livre”, diz Stevens. “Você pode pescar, jogar golfe, andar a cavalo, surfar, caminhar, mergulhar e praticar ioga. É um país quente e ensolarado, os mercados transbordam de frutas e legumes frescos. É uma escolha fácil e constante – uma democracia segura e de longa data que tem acolhido expatriados por gerações. E é um lugar onde o dinheiro rende. Há também uma comunidade próspera de expatriados e, graças à vida saudável, muitas pessoas relatam que perdem peso ao morar lá sem muito esforço.

    Onde morar: a Costa Rica tem, geralmente, um clima ameno que varia de áreas quentes de praia a cidades montanhosas mais frias. Uma região recomendada pela International Living é o Vale Central, onde há muitas casas por menos de US$ 200 mil e as rendas começam em US$ 500 por mês. Você também encontrará boas escolhas ao longo da costa do Pacífico, incluindo Tamarindo.

    Custo: segundo Stevens, um orçamento mensal para um solteiro varia de US$ 1.585 a US$ 2.960. Um casal pode viver confortavelmente com US$ 2,5 mil por mês (ou menos). É possível comer em um pequeno restaurante local por apenas US$ 4 ou US$ 5. Uma diarista pode limpar a casa uma vez por semana por US$ 50 por mês – mesmo valor de uma consulta médica.

  • 3. México

    Motivo: “As pessoas costumam associar, não incorretamente, o México a férias na praia. Mas há muito mais no país”, diz Stevens. “É culturalmente rico e lindo. Além das praias, dignas de cartão postal, há cidades coloniais cheias de casas coloridas, arte, música e teatro.” Não é de admirar que muitos norte-americanos já estejam vivendo no México. “Não é difícil se encaixar”, diz Stevens. “E uma vida boa por lá é relativamente barata.”

    Onde morar: para quem gosta de praias caribenhas, a International Living recomenda a Riviera Maya, o trecho de costa de areia branca ao sul de Cancún em direção a Tulum. “Playa del Carmen, em particular, está em um bom momento — atrai muitos nômades digitais e viajantes de temporada. Tornou-se uma cidade real e funcional, não apenas para turistas”, diz Stevens. “No interior, existem as cidades coloniais como San Miguel de Allende ou Guanajuato.”

    Custo: um orçamento para solteiros no México varia de US$ 1,5 mil a US$ 2.250 por mês, enquanto um casal pode viver bem com US$ 1,5 mil a US$ 3 mil por mês. “E sim, esses valores se aplicam a qualquer lugar do país”, diz Stevens. Algumas áreas de expatriados, como San Miguel de Allende, estão no lado mais caro, mas ainda são acessíveis em comparação com os preços nos EUA.

  • 4. Equador

    Motivo: segundo a International Living, o Equador tem um charme do velho mundo que parece vinda direto dos anos 1950. Acrescente a isso cidadãos amigáveis, ótimo serviço e cidades modernas (Quito, Cuenca), e você tem o 4o melhor lugar da lista. “Um ponto positivo é o clima”, diz Stevens. “Há lugar para todos os gostos. Se você deseja uma praia quente ou um refúgio nas terras altas, o Equador pode oferecer.”

    Onde morar: há muitos grupos de expatriados vivendo em todo o país – em lugares como Cuenca e Vilcabamba, por exemplo.

    Custo: um orçamento para uma única pessoa no Equador varia entre US$ 1.170 e US$ 1.275 por mês. “É possível viver confortavelmente em qualquer lugar do país”, diz Stevens. Um casal pode desfrutar de uma qualidade de vida realmente boa com apenas US$ 1.620 por mês. Em Cuenca, os aluguéis começam em cerca de US$ 400 por mês. Ao longo da costa, como Salinas, um apartamento de um quarto perto da praia custa US$ 450, enquanto um com vista para o mar sai por US$ 700.

  • 5. Malásia

    Motivo: “O Sudeste Asiático é cheio de surpresas – e a Malásia está entre as melhores”, diz Stevens. “Por ser uma colônia britânica, o inglês é a primeira língua não oficial, o que torna tudo mais fácil do que as pessoas geralmente imaginam. Entre as outras vantagens estão o preço do aluguel dos imóveis e o transporte público barato, fácil e eficiente. Também é uma excelente base para explorar o resto da Ásia: Tailândia, Bali, Camboja e Vietnã estão nos arredores.

    Onde morar: um ponto que a International Living recomenda é Penang. “Lá é possível encontrar muita arte e cultura, história e natureza, praia e selva”, diz Stevens. “E a saúde é de primeira classe. É um ótimo destino para o turismo médico.”

    Custo: uma pessoa solteira pode viver confortavelmente em Penang por entre US$ 1 mil e US$ 1,5 mil por mês. Um casal pode viver muito bem – até mesmo luxuosamente – por entre US$ 1,5 mil a US$ 2,5 mil. Além disso, você poderá provar o melhor da culinária asiática em restaurantes que cobram apenas US$ 5 por refeição.

  • 6. Colômbia

    Motivo: agora que seu passado sombrio foi deixado na história, a Colômbia se tornou um paraíso para os expatriados. O apelo? Cuidados médicos acessíveis e de padrão mundial. Um modo de vida mais fácil. Uma população acolhedora e receptiva. E, claro, um estilo de vida barato.

    Onde morar: “Se você gosta do clima do Colorado no verão, você vai adorar Medellín”, diz Stevens. “É como se fosse primavera o ano todo, com pouca variação e muito verde. Além disso, é uma cidade sofisticada, com ótimos restaurantes, teatros e museus.” Segundo Stevens, há outras regiões dignas de atenção, como Pereira, Armênia e Manizales, as cidades do chamado Triângulo do Café. “Você estará cercado de vegetação exuberante, cenário verde montanhoso e um custo de vida é ainda menor”, diz Stevens.

    Custo: “Ele depende, claro, do quanto você deseja viver de forma generosa”, diz Stevens. “Medellín oferece luxo real a preços de barganha.” Um orçamento para um solteiro na cidade varia de US$ 1,2 mil a US$ 1,6 mil por mês. Um casal também poderia viver bem por lá – no bairro mais bonito da cidade – por cerca de US$ 2.191, valor que inclui uma diarista duas vezes por semana, jantares fora de casa e moradia em um apartamento de três quartos. No Triângulo do Café, os preços são cerca de 20% menores do que em Medellín, segundo Stevens. Uma refeição local típica custa de US$ 2 a US$ 3 por um prato de arroz, arepa (pão de milho), sopa ou ensopado, salada e frango ou porco. Mesmo sofisticados, os pratos não custam mais de US$ 10. No mercado, um quilo de abacate custa US$ 1,50, enquanto o de peito de frango sai a US$ 3. Um pack de seis cervejas locais, como a Club Colombia, custa cerca de US$ 3.

  • 7. Portugal

    Motivo: em Portugal, o dia a dia é lento, os locais são excepcionalmente acolhedores e o serviço de saúde é bom. “E é uma região indiscutivelmente bonita – desde os locais históricos até às praias do Algarve”, diz Stevens. “A nossa correspondente da International Living em Portugal relata que, junto com o marido, gasta cerca de um terço do que precisava para viver nos Estados Unidos. Isso é bem possível de entender quando constatamos que um almoço com sopa, prato principal, bebida, sobremesa e café custa cerca de US$ 10.”

    Onde morar: “A cerca de 34 km a noroeste de Lisboa e a 15 minutos das praias de padrão mundial da Ericeira, Mafra orgulha-se de possuir um dos maiores palácios nacionais do país”, diz Stevens. “A cidade é um lugar discreto de casas caiadas brancas, enfeitadas de amarelo e azul, alinhando ruas estreitas com muitos cafés e bares.”

    Custo: o orçamento para uma pessoa sozinha em Portugal varia de cerca de US$ 2.034 em Mafra, por exemplo, a um pouco mais em Lisboa. Um casal pode viver um estilo de vida confortável e descontraído por cerca de US$ 2,5 mil por mês.

  • 8. Peru

    Motivo: “Este é um lugar que está no radar dos expatriados aposentados, mas, definitivamente, merece atenção se a relação custo-benefício for uma prioridade para você”, diz Stevens. “O Peru oferece muito além de Machu Picchu – quilômetros de praias, culinária deliciosa e alguns dos preços mais baixos em qualquer lugar para um estilo de vida de alta qualidade.”

    Onde morar: “Lima é uma cidade com muitos parques, vistas panorâmicas sobre o mar e uma cultura gastronômica mundialmente famosa”, diz Stevens. Um bom apartamento em Miraflores (um bairro nobre da capital) custa US$ 800 por mês. “Mas não é só Lima que deve ser considerada”, diz o especialista. “Arequipa, a ‘cidade branca’, é uma região colonial, com muitas galerias, restaurantes, lojas e cafés.” Por lá, apartamentos com três quartos nos bairros mais desejados perto do centro histórico custam US$ 400 por mês. Outro ponto que vale a pena ser analisado é a cidade de praia de Huanchaco. “Lá, as temperaturas ficam ao redor dos 21 graus o ano todo. As locações começam em US$ 350 por mês.” Em todo o país, os custos dos serviços públicos também são razoáveis: a eletricidade custa de US$ 50 a US$ 60 por mês, a água gira ao redor de US$ 10 e a internet/TV a cabo não passa de US$ 70. Para as refeições, planeje pagar de US$ 2 a US$ 3. Pode chegar a US$ 10 em um restaurante internacional ou de alta qualidade.

    Custo: uma pessoa sozinha pode viver confortavelmente no Peru com US$ 1.146 por mês, embora um orçamento de cerca de US$ 2 mil em Lima permita a extravagância de comer fora e aproveitar tudo o que a cidade tem a oferecer. Um casal pode facilmente se estabelecer com menos de US$ 2 mil por mês em praticamente qualquer lugar do país, inclusive Lima. Os aluguéis começam a partir de US$ 150. Um almoço de três pratos com uma bebida sai por US$ 2,50.

  • 9. Tailândia

    Motivo: “A Tailândia é um lugar onde não dá para ficar entediado”, diz Stevens. “O país oferece animadas comunidades praianas, centros urbanos frenéticos, cidades universitárias cheias de coisas para fazer – e tudo isso por centavos de dólar.” E é tão centralmente localizado na região, que é fácil, rápido e acessível viajar para qualquer lugar nas proximidades, o que o torna um excelente ponto de partida para explorar o Sudeste Asiático.

    Onde morar: “Existem todos os tipos de expatriados em toda a Tailândia – muitos em Bangkok, é claro, que é uma cidade grande e frenética – demais, inclusive, para algumas pessoas que preferem um ritmo mais lento e comunidades menores”, diz Stevens. “Eles estão também em lugares como Chiang Mai, que fica no norte. O local é cheio de templos dourados, ruas sinuosas e mercados de alimentos que armazenam temperos e vegetais estranhos, mas maravilhosos.” A Tailândia possui lindas praias também. “Hua Hin é perfeita e o custo de vida é muito menor do que se imagina espera”, diz Stevens.

    Custo: o orçamento para um solteiro varia de US$ 952 a US$ 1.153 por mês. “Você pode precisar de um pouco mais em Bangkok, mas, por outro lado, esse valor seria o suficiente para qualquer lugar do país”, diz ele. O aluguel pode custar US$ 400 por mês em um apartamento moderno. “O atendimento médico é de padrão mundial e custa uma pequena fração do valor pago nos Estados Unidos – US$ 10 para uma visita ao clínico geral, por exemplo”, diz Stevens. Em Hua Hin, os aluguéis vão de US$ 500 para um espaço pequeno fora da praia a US$ 1,5 mil por mês para um lugar maior com vista privilegiada.

  • 10. Espanha

    Motivo: “A Espanha é um dos destinos de praia favoritos da Europa – e com razão”, diz Stevens. “Lá, o sol brilha, as praias são douradas e o padrão de vida é alto. É um lugar muito confortável para se instalar.” A Organização Mundial de Saúde classifica o sistema de saúde espanhol como um dos melhores do mundo. “É um paraíso gastronômico e, como muito é cultivado localmente, é barato comer bem tanto em casa quanto em restaurantes.”

    Onde morar: “É possível escolher entre cidades ricas em arte, aldeias caiadas de branco e centros praianos descontraídos. Pequenas cidades espanholas como Jerez, no sul do país, são cheias de cultura e ainda acessíveis para viver.”

    Custo: “Em qualquer lugar da Espanha uma pessoa solteira pode viver confortavelmente com US$ 2 mil ou menos”, diz Stevens. Um casal pode viver bem com US$ 500 a mais.

1. Panamá

Motivo: o país liderou o International Living Index (Índice Internacional de Vida, em português) deste ano. “O Panamá faz todo o sentido”, diz Jennifer Stevens, executiva na International Living Index. “O sol brilha, é quente e está abaixo do cinturão de furacões. O atendimento médico é de baixo custo e de alta qualidade e a infraestrutura é de primeira linha. O acesso à internet é bom e, além disso, é fácil pegar vôos, já que é possível ir de lá a, praticamente, qualquer lugar do mundo. Com governo estável e aberto aos negócios, é uma escolha inteligente.”

Outra vantagem: o Panamá está favorecendo ativamente estrangeiros com incentivos fiscais e outros benefícios. “Você não pagará imposto de renda sobre os recursos obtidos fora do país”, explica Stevens. “E há várias boas opções quando se trata de obter um visto – todas elas fáceis de cumprir. Isso inclui, por exemplo, o visto Friendly Nations e o Pensionado – ambos fornecem residência sem muita burocracia.” Além do mais, os impostos imobiliários são realmente baixos e algumas propriedades já vêm com a taxa.

Onde morar: há muita variedade no Panamá – dos grandes centros urbanos às praias e aos planaltos rurais mais frios. “A Cidade do Panamá é vibrante e cosmopolita – uma verdadeira cidade – e dá para ganhar muito dinheiro”, diz Stevens. O Panamá também oferece uma diversidade de climas. Uma boa escolha é Boquete, localizado nas colinas, a cerca de mil metros. “As temperaturas variam entre 18 graus Celsius à noite a 30 graus ao meio-dia”, diz Stevens. “O centro tem o charme de cidade pequena, com chalés de estilo suíço e uma variedade de lojas, restaurantes e hotéis.” O país tem boas alternativas de praia, também – uma das melhores é Coronado, que fica a apenas uma hora da capital.

Custo: no geral, o custo de vida no Panamá varia dependendo de onde – e como – você mora. Segundo Stevens, um casal poderia planejar com segurança um orçamento mensal entre US$ 1.765 e US$ 2.890 na Cidade do Panamá – e até menos em outras regiões. Para uma única pessoa, o valor pode cair de 20% a 30%. “Mas, novamente, depende do estilo de vida”, diz Stevens. “Um expatriado, por exemplo, que não precisa arcar com os custos de moradia, pode viver confortavelmente com menos de US$ 1 mil por mês. As despesas diárias em qualquer lugar no Panamá são baixas, assim como o custo para assistência médica.” Segundo a International Living, é possível encontrar belos apartamentos de um quarto no bairro de San Francisco-Coco del Mar, perto do verde e pacífico Parque Omar, a partir de US$ 650 por mês. Localmente, ao andar pelas ruas, você provavelmente conseguirá ofertas ainda melhores. Os ingressos de cinema custam US$ 6, enquanto os cortes de cabelo masculino saem por US$ 3. Um popular “menu executivo” para o almoço – com um prato principal, acompanhamentos, sobremesa e uma bebida – normalmente custa entre US$ 7 e US$ 10. Em Boquete, uma propriedade de quatro quartos é vendida por menos de US$ 250 mil. Lá, é possível alugar uma casa de dois quartos a partir de US$ 800 por mês. Em Coronado, um apartamento de um quarto com vista para o mar em um campo de golfe custa US$ 189 mil.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).