Frevo, o mais novo point secreto de Greenwich Village

Aninhado atrás de uma elegante galeria de arte na West 8th Street, repleta de pinturas modernas feitas sob encomenda pelo artista francês Toma L., o Frevo é uma criação de Franco Sampogna – um chef de cozinha internacional que nasceu no Brasil e concentrou grande parte de sua carreira na França – e de seu sócio, o gerente Bernardo Silva.

LEIA MAIS: Hermès inaugura loja com nova proposta em Nova York

Reprodução/Forbes
A galeria de arte

Com apenas 28 anos, o chef Sampogna vem desenvolvendo uma carreira culinária que está anos-luz à frente da feita por chefs com o dobro da sua idade. “Eu vim para cá depois de passar anos estudando com alguns dos melhores mestres franceses”, explica. “Mas, no fim, tive minha própria visão: criar um destino gastronômico que fosse acolhedor, sem a ostentação daquilo que costumamos chamar de ‘alta gastronomia’.”

Reprodução/Forbes
O chef Sampogna

Ele diz que não foi fácil abrir o Frevo, “ainda mais sem financiadores de peso ou grandes empresas do setor de hospitalidade”. “Mas minha equipe e eu perseveramos porque sabíamos que o que tínhamos era especial. Depois de todo o trabalho árduo e de toda a preparação, nós finalmente conseguimos – e cá estamos.”

Para entrarem no Frevo, os clientes percorrem primeiramente a galeria e passam ao restaurante por uma porta secreta, oculta por uma grande pintura. Devo confessar que fiquei meio confuso quando cheguei ao endereço e vi uma aconchegante galeria de arte. Então, observei a hostess chegando por detrás de um amplo quadro na parede. Uma vez dentro do restaurante, somos recebidos por um espaço moderno e requintado, cujo destaque é um longo balcão de quartzito com lugar para 18 pessoas, complementado por uma mesa privativa adicional para seis pessoas. Mesmo assim, o ambiente é íntimo e exclusivo.

Reprodução/Forbes
A porta de entrada do Frevo, escondida na galeria de arte

“Isso foi totalmente intencional quando imaginamos o que o Frevo poderia e viria a ser”, observa Sampogna. “Passamos anos trabalhando em restaurantes anteriormente, e eles são maravilhosos – mas, às vezes, você perde a sensação de estar no seu próprio refúgio isolado. É isso que queremos que o Frevo seja para os nossos clientes.”

Reprodução/Forbes
O Frevo
Reprodução/Forbes
Ambiente aconchegante e elegante

O conceito – que combina o emblemático design francês com o glamour e a energia indiscutíveis de Nova York – já mostrou ser um sucesso. O restaurante foi inaugurado em meados de maio, com a presença de muitos VIPs de Nova York. A comida é uma verdadeira experiência e transporta o cliente a outros lugares, misturando perfeitamente sabores e texturas e consolidando o chef Sampogna como o próximo astro da culinária para acompanhar de perto.

VEJA TAMBÉM: As 5 sobremesas mais instagramáveis de Nova York

O cardápio de degustação é sazonal e composto por cinco pratos. No momento, o chef Sampogna inicia a refeição servindo uma combinação de aspargos verdes, pistache e coco.

Reprodução/Forbes
Aspargos com pistache e coco

Em seguida, vem o ravióli com lula.

Reprodução/Forbes
Ravióli com lula

Depois, o halibute com bulbos de erva-doce caramelizados, servido sobre um pão crocante – provavelmente o peixe mais delicioso que já provei até hoje.

Reprodução/Forbes
Halibute com geleia de erva-doce e cogumelos

Na sequência, um pato de Pequim que é comprado na região e cozido até ficar perfeitamente macio. Por fim, a sobremesa: um final revigorante para uma refeição saborosa, com lima e limão em um creme espesso com toque de vodca e amêndoas.

Reprodução/Forbes
A hora da sobremesa

O currículo impressionante de Sampogna inclui passagens anteriores por restaurantes com três estrelas Michelin: o La Chevre d’Or, em Eze-Village, no litoral sul da França, onde trabalhou com o chef Fabrice Vulin; o Guy Savoy, em Paris, com o chef homônimo; e o magnífico Hôtel Plaza Athénée, na Avenue Montaigne, pertinho da Champs-Elysées, com Alain Ducasse.

Em 2015, ele foi um dos 10 escolhidos entre 3.621 candidatos para competir nas semifinais do concurso San Pellegrino Young Chef. Com apenas 24 anos de idade, ele foi vice-campeão. Mais recentemente, o chef Sampogna trabalhou com o gerente Silva em um restaurante em Long Island que ficou conhecido por apresentar a culinária francesa moderna à comunidade local.

A comida não é a única a receber esse tratamento excepcional: o Frevo contratou como sommelier residente Quentin Vauleon, ganhador do prêmio francês de Melhor Jovem Sommelier em 2017.

O Frevo abre de terça a sábado apenas para o jantar. Saiba mais: frevonyc.com

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).