9 carros do leilão da Monterey Car Week 2019

Reprodução Forbes
O Porsche Tipo 64 é amplamente considerado como o primeiro carro da empresa

Resumo:

  • A Monterey Car Week, considerado o maior festival automotivo do Ocidente, foi realizada recentemente nos EUA;
  • O festival contou com leilão de carros antigos e raros, com suporte das maiores casas leiloeiras do mundo;
  • Disponível para compra durante o festival, mas ainda não arrematado, o Porsche Tipo 64 pode se tornar o mais caro automóvel já vendido em leilão.

A Monterey Car Week, realizada no norte da Califórnia, é maior celebração automotiva ocidental. As festividades, que aconteceram de 9 a 19 de agosto em toda a Península de Monterey, foram encerradas com a famosa Pebble Beach Concours d’Elegance (Competição de Elegância de Pebble Beach, em tradução livre).

VEJA TAMBÉM: Os melhores carros da Monterey Car Week

Além de admirar algumas das mais raras e caras máquinas de duas e quatro rodas já construídas, alguns dos entusiastas e colecionadores mais abastados poderão ficar de olho nos automóveis antigos disponíveis para venda. Grande parte das maiores casas de leilão do mundo estará à disposição para vender centenas de milhões de dólares em carros -desde de um Porsche Tipo 64 de 1939 a um Vector M12 de 1995.

Veja, na galeria de fotos a seguir, os veículos mais notáveis para leilão na Monterey.

  • O supercarro máximo

    1994 McLaren F1 LM-Specification

    Este McLaren LM-Spec F1 de 1994 é um dos dois únicos construídos para as especificações da Le Mans (principal prova do Campeonato Mundial de Endurance da FIA), o que significa que é um carro de corrida real, com um motor V-12 de 680 cavalos de potência sem restrições.

    Quando recebeu o pedido para construir um carro esportivo de produção perfeito no início dos anos 90, sem concessões, a McLaren apelou para o reverenciado designer de carros Gordon Murray. Ele criou o F1. Limitado a apenas 106 unidades entre 1994 e 1997, das quais apenas 64 eram autorizadas para rodar na estrada, o modelo não é apenas um dos supercarros mais famosos, mas um dos mais raros também.

    “O McLaren F1 é o supercarro máximo e tem sido considerado como o ponto de referência para todos os outros”, disse Alexander Weaver, especialista em carros da RM Sotheby’s, em comunicado.

    Este modelo específico foi entregue novo ao Japão em 1994 e depois atualizado em duas fases. Em 2000, foi equipado com um motor de corrida GTR de 680 cavalos de potência sem restrições. E em 2001 recebeu um High-Downforce Kit, que repaginou o nariz do carro, adicionou aberturas de pára-lamas dianteiros e uma enorme asa traseira.

    O automóvel é finalizado em prata de platinada e possui um interior de couro creme.

    Leiloeiro: RM Sotheby’s (Lote 261)
    Preço de venda: US$ 21 a US$ 23 milhões

  • Pista e estrada

    Ferrari 250 GT LWB California Spider 1958 by Scaglietti

    No final de 1957, a Ferrari desenvolveu um novo 250 GT aberto para a América do Norte. Um elegante e puro-sangue que estaria igualmente em casa tanto na estrada quanto na pista. O California Spider apresentava um pára-brisa atrevido, mínimos detalhes internos, bucket seats (assentos desenhados para envolver apenas uma pessoa, diferente dos bancos convencionais), e uma parte superior dobrável e leve.

    Existem duas variantes principais distinguidas pela nomenclatura LWB (longa distância horizontal entre o centro da roda dianteira e o centro da roda traseira) e SWB (curta distância horizontal entre o centro da roda dianteira e o centro da roda traseira). No total, 108 foram construídos. Cinquenta dos LWB California Spiders foram construídas entre 1957 e 1960, alimentadas por um motor V-12 de 2953 cc Colombo que produz 237 cavalos de potência.

    Leiloeiro: Gooding & Company (Lote 044)
    Preço de venda: de US$ 11 milhões a US$ 13 milhões

  • O melhor da sua época

    Ferrari 250 California SWB Spider 1962 by Scaglietti

    Os especialistas em carros colecionáveis da Hagerty dizem que esse é provavelmente o mais original Ferrari California Spider, primitivo e com rodas curtas. É a 55ª das 56 unidades de SWB Spiders construídas e uma das 19 com faróis abertos. O item também é certificado pela Classiche e conta com seu chassi original, motor, caixa de câmbio e diferencial de deslizamento. O automóvel teve apenas quatro proprietários nos últimos 50 anos.

    Um grande carro de passeio, o 250 GT é equipado com um motor V-12 de 3,0 litros, que bombeia 243 cavalos de potência através de transmissão manual de quatro marchas.

    Leiloeiro: RM Sotheby’s (lote 331)
    Preço de venda: de US$ 10 milhões a US$ 13 milhões

  • Alma corredora

    Aston Martin DB3S 1953

    Nos anos 50, a Aston Martin era uma força dominante nas corridas e muitos consideram o DB3S Works seu auge. Os colecionadores valorizam o modelo não apenas pelo registro em pista, mas também por sua beleza e dirigibilidade como carro de estrada.

    Este carro é o segunda de apenas três DB3S construídos para a Le Mans e um dos dez que participaram da disputa com a bandeira da fábrica em Le Mans, Sebring, Buenos Aires, Spa e na famosa Mille Miglia. Sua maior vitória veio no Goodwood 9-Hour em 1953.

    O carro também era de propriedade e dirigido pelo famoso piloto de Fórmula 1 Peter Collins, e é um dos poucos carros de corrida da década de 1950 que tem o mesmo chassi, carroceria e motor de quando saiu da fábrica.

    Leiloeiro: RM Sotheby’s (lote 129)
    Preço de venda: de US$ 8,75 a US$10,5 milhões

  • O primeiro Porsche

    Porsche Tipo 64 1939

    Este Tipo 64 de 1939 é um dos três carros de corrida encomendados pelo governo nazista e construído pela lendária montadora Ferdinand Porsche para uma corrida entre Berlim e Roma -no coração da Europa fascista- que nunca ocorreu.

    Baseado no “Carro do Povo” Volkswagen Tipo 1 (que se tornou famoso como Fusca), o Tipo 64 é amplamente considerado como o primeiro automóvel da Porsche e o precursor do Porsche 356 de 1948, o primeiro veículo de produção da empresa.

    Considerado revolucionário para o seu tempo, o minúsculo carro foi projetado sob a orientação de Erwin Komenda -que, uma década depois, projetaria o 356 em forma de tartaruga. Seu corpo curvilíneo é feito de folhas finas de alumínio moldadas à mão. Além de parecer fabulosa, sua aerodinâmica é espetacular, permite que o carro mantenha velocidades acima de 80 km/h mesmo equipado com um motor de quatro cilindros Volkswagen refrigerado a ar bastante anêmico, que equivale a 40 cavalos de potência.

    O automóvel ainda está à venda e pode se tornar o Porsche mais valioso já vendido em um leilão, superando o recorde estabelecido por um carro de corrida Porsche 917K de 1970, leiloado por US$ 14 milhões em 2017 pela Gooding & Company.

    Leiloeiro: RM Sotheby’s (Lote 362)
    Preço de venda: US$ 20 milhões

  • O mais raro entre as raridades

    Protótipo Ford GT40 Roadster 1965

    Este é um dos mais raros Ford GT40 já construídos. Primeiro, todo GT40 é raro. Existiam menos de 100 originais de produção já construídos, além de 12 protótipos para o programa de desenvolvimento do Ford Le Mans. No entanto, apenas cinco desses protótipos eram Roadsters (carro de dois lugares, sem teto fixo e janelas retráteis, e com para-brisas aparafusado). Este, o GT108, foi o oitavo protótipo feito e o primeiro Roadster a parar a linha de montagem na fábrica da Ford Advanced Vehicles em Slough, Inglaterra.

    Foi então enviado para a sede de Carroll Shelby em Los Angeles, onde foi usado como veículo promocional e de desenvolvimento. Os lendários pilotos, que incluem Jim Clark, Ken Miles e o próprio Shelby, passaram algum tempo atrás do volante desse carro, que também é conhecido como o único GT40 que Henry Ford II andou.

    Em 1983 e novamente em 2003, o carro foi tratado com uma restauração mecânica completa, com ênfase na manutenção da originalidade. Mais tarde, em 2003, ele ganhou o Pebble Beach Concours d’Elegance.

    No compartimento do motor, há um V-8 de 289 polegadas cúbicas da Cobra-spec emparelhado com uma transmissão manual ZF. Os itens que diferenciam o Roadster do estilo de carroceria cupê incluem entradas em pilares reposicionados, um nariz reestilizado e rodas de arame Borrani.

    Leiloeiro: RM Sotheby’s (Lote 252)
    Preço de venda: de US$ 7 milhões a US$ 9 milhões

  • O belo

    Maserati A6GCS 1954

    Na minha opinião, este spyder é um dos mais belos carros de carroceria removível já construídos. Foi extensivamente usado em competições na Itália e na Irlanda durante os anos 1950 com grande sucesso, levando para casa o primeiro lugar no Giro Calabria, no Circuito de Senigallia, no RAC Tourist Trophy em Dundrod e na corrida em ladeira Bolonha-Passo Della Raticosa. Foi também um concorrente frequente da Mille Miglia nos anos 1980 e 1990.

    O A6GCS foi restaurado em 2013, pouco antes de ganhar o Pebble Beach Gran Turismo Award em 2014 -o que lhe rendeu um lugar na série de games Gran Turismo. O exemplar é alimentado por seu motor original de 2.0 litros DOHC seis cilindros em série.

    Leiloeiro: RM Sotheby’s (lote 230)
    Preço de venda: de US$ 3,25 a US$ 3,75 milhões

  • Lenda Indy

    Studebaker Special Indy Car 1931

    Este Studebaker Special de 1931 foi construído pelo diretor de testes da Studebaker George Hunt e pelo famoso detentor do recorde de Bonneville, Ab Jenkins. O modelo fez parte da Indy três vezes, e seu melhor resultado foi a sexta posição em 1932 -também correu e venceu no Pikes Peak em 1931. Alimentado por um motor de oito cilindros em linha de 336 cv, com 205 cv, esta é a primeira vez que o veículo vai a leilão público.

    Leiloeiro: Gooding & Company, (Lote 115)
    Preço de Venda: de US$ 500.000 a US$ 750.000

  • Filho do diabo

    Vector M12 1996

    Existiam apenas 14 Vectors M12 construídos na década de 1990 -este é o quinto a sair da linha- antes da deriva financeira da empresa em 1999. Ao contrário das ofertas anteriores da Vector, como o W8, o M12 não tem um chassi sob medida ou drivetrain (componentes que transmitem energia para as rodas motrizes). Em vez disso, o modelo é baseado no Lamborghini Diablo -a marca Lamborghini era de propriedade da mesma empresa, Megatech, na época. Como tal, o M12 é alimentado por uma versão de 7.0 litros do motor V-12 Lambo, que produz cerca de 500 cavalos de potência e pode impulsionar o veículo de mais de uma tonelada e meia a 96km/h em menos de cinco segundos. Segundo a RM Sotheby’s, este M12 é o único de cor roxa direto da fábrica.

    Leiloeiro: RM Sotheby’s (Lote 255)
    Preço de Venda: de US$ 250.000 a US$ 300.000

O supercarro máximo

1994 McLaren F1 LM-Specification

Este McLaren LM-Spec F1 de 1994 é um dos dois únicos construídos para as especificações da Le Mans (principal prova do Campeonato Mundial de Endurance da FIA), o que significa que é um carro de corrida real, com um motor V-12 de 680 cavalos de potência sem restrições.

Quando recebeu o pedido para construir um carro esportivo de produção perfeito no início dos anos 90, sem concessões, a McLaren apelou para o reverenciado designer de carros Gordon Murray. Ele criou o F1. Limitado a apenas 106 unidades entre 1994 e 1997, das quais apenas 64 eram autorizadas para rodar na estrada, o modelo não é apenas um dos supercarros mais famosos, mas um dos mais raros também.

“O McLaren F1 é o supercarro máximo e tem sido considerado como o ponto de referência para todos os outros”, disse Alexander Weaver, especialista em carros da RM Sotheby’s, em comunicado.

Este modelo específico foi entregue novo ao Japão em 1994 e depois atualizado em duas fases. Em 2000, foi equipado com um motor de corrida GTR de 680 cavalos de potência sem restrições. E em 2001 recebeu um High-Downforce Kit, que repaginou o nariz do carro, adicionou aberturas de pára-lamas dianteiros e uma enorme asa traseira.

O automóvel é finalizado em prata de platinada e possui um interior de couro creme.

Leiloeiro: RM Sotheby’s (Lote 261)
Preço de venda: US$ 21 a US$ 23 milhões

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).