Um fim de semana em Pequim

Seja a negócios ou lazer, Pequim oferece uma rica gama de atrações turísticas e culturais, tanto históricas quanto modernas. A primeira impressão pode ser a de uma capital impenetrável, não tão calorosa quanto as cidades localizadas mais ao sul da China, caso de Xangai. Uma vez que você ultrapassa a barreira, porém, descobre inúmeros lugares deliciosos, maravilhosos e belos.

VEJA TAMBÉM: Armani construirá complexo residencial sustentável de luxo em Pequim

Estadia

O trânsito e a poluição de Pequim podem ser sufocantes. Então, vá para o recém-inaugurado Hyatt Regency Beijing Wangjing, o primeiro hotel internacional com cinco estrelas da região, que é uma rara propriedade urbana com atmosfera de resort — uma espécie de floresta no meio da cidade. Wangjing é um bairro bastante novo em Pequim. Antiga área de cultivo de pimenta, nas últimas décadas ela passou a abrigar multinacionais onde trabalham uma grande soma de expatriados.

O renomado arquiteto japonês Kengo Kuma se inspirou na localização do hotel, entre dois grandes parques da cidade, e adotou elementos naturais, que mesclou em um interior minimalista, com samambaias, árvores e até um jardim de bambu feito para receber os hóspedes no saguão do átrio de vidro.

O edifício foi concebido como um Sanhe Yuan, um pátio de três lados contornando um jardim verde. Com 348 quartos, 29 dos quais suítes e amplo espaço para reuniões, o Hyatt Regency atende a um viajante de negócios, e também ao turista que busca lazer. Acomodações e espaços coletivos têm uma estética japonesa simples, com madeira, terra, água, luz bem utilizada e obras de arte. Apesar de não contar com os famosos sanitários Toto, cada quarto recebe um belíssimo conjunto de chá. O spa, ainda em construção, é previsto para janeiro de 2019.

O hotel Rosewood Beijing é o auge do ultra-luxo e tem uma localização mais próxima dos centros históricos e de compras no distrito de Chaoyang, em frente à Torre da CCTV.

E AINDA: Hotel de luxo cria pacote especial para curtir Pequim como um chinês

Tons escuros e amadeirados criam uma sensação de calor em todos os espaços públicos e nos quartos. O design é masculino, mas elegante. Os quartos se parecem mais com apartamentos do que com acomodações de hotel — poderia ser o pied-à-terre de George Clooney em Pequim, com objetos únicos nas paredes e lindos copos para coquetéis. Pinturas, caligrafias delicadas e peças de assuntos mistos de artistas locais, com curadoria de Emily de Wolfe Petit, da Peking Art Associates, trazem uma interpretação moderna dos temas tradicionais chineses.

O Manor Club está acima e além do que se poderia esperar de um clube executivo, um espaço enorme dividido em vários quartos mais íntimos, com café da manhã generoso, chá da tarde e jantar. Os mordomos são gentis e atenciosos, e as peças têm detalhes personalizados, caso das fronhas bordadas, que parecem ter um toque da assinatura de Rosewood.

Você se sentirá imediatamente relaxado quando as portas do elevador se abrirem para o Sense Spa. Atravesse a piscina iluminada por velas, vista um roupão e prepare-se para uma massagem que certamente vai desfazer qualquer nó no corpo e colocá-lo para dormir. Depois de um momento de profundo relaxamento, será difícil reunir força de vontade para fazer algo produtivo.

Gastronomia

Os restaurantes dos hotéis em Pequim são excelentes e não menos autênticos do que estabelecimentos independentes. Cang Yue no Hyatt Regency e The House of Dynasties, em Rosewood, têm ótimas refeições chinesas. Há almoços dim sum — um estilo da culinária chinesa em que pequenas porções de comida são servidas em pequenas cestas de vapor ou em pequenos pratos — e receitas inspiradas por várias regiões e períodos da longa história chinesa. Destaque para iguarias como bucho de peixe, abalone e ninho de pássaro.

LEIA AQUI: Bvlgari inaugura hotel em Shanghai

Para uma refeição mais casual, ou para bater um papo descontraído com alguém, experimente um hotpot no Red Bowl. Primeiro, escolha um caldo: Spicy Sichuan e o tradicional caldo leve de Pequim com gengibre e alho-poró são excelentes escolhas. Depois, selecione itens de uma longa lista de carnes, frutos do mar, legumes e cogumelos e adicione quantas coberturas, óleos e molhos quiser. Caso queira se aventurar mais, vá de traquéia bovina, tendão ou intestino de ganso.

Para uma experiência com chás chineses que misturam o antigo e o novo, vá até o Curvy Corridor Courtyard, uma galeria de arte privativa convertida em uma moderna casa de chá e restaurante em 2015, no tradicional bairro de hutong de Pequim.

Experimente a discreta mas precisa cerimônia chinesa do chá e desfrute do raro pu-erh (um chá pós-fermentado e envelhecido) com sobremesas leves, como mousse aerado de cream cheese, com lírio. Há apenas nove mesas no local e três salas privadas. O espaço ganhou inúmeros prêmios de arquitetura internacional por seu design único, com paredes de vidro curvo e jardim interno de bambu, integrado à natureza, como o Hyatt Regency Beijing Wangjing.

À medida que caminha pelas ruas, experimente os tradicionais doces de Pequim, como bolinhas de arroz glutinoso Ai Wo Wo (semelhante ao mochi), o bolo de ervilha Wandou Huang ou os recheados com jujuba, gergelim, espinheiro e rosa.

SAIBA MAIS: 13 maratonas ao redor do mundo que valem a viagem

Se o jetlag fizer você acordar cedo pela manhã, dê um passeio e coma um jianbing fresco — um sanduíche de crepe de ovos — de vendedores ambulantes. Ou experimente um Old Yogurt de Beijing em pequenos jarros de cerâmica cobertos com papel azul e branco. Enfie um canudo na tampa e beba como um milk-shake espesso, doce e picante — depois devolva o recipiente reutilizável.

Descobertas

Para experimentar um pouco da Velha Pequim, vá ao centro da cidade, Nanluoguxiang — um bairro de ruas estreitas, ou hutongs, construído durante a dinastia Yuan. A região é agora um destino turístico movimentado repleto de boutiques, restaurantes, bares e lojas que vendem souvenirs, artesanato tradicional e lanches locais. Mas o lugar ainda guarda casas e templos históricos que contribuem para uma justaposição vibrante entre o antigo e o contemporâneo.

Siga em direção ao centro de Pequim e você chegará à Cidade Proibida, onde duas dúzias de imperadores governaram a China ao longo de 500 anos, da dinastia Ming à Qing. Atravesse o fosso e tire um dia para explorar os 98 edifícios que compõem o complexo do palácio imperial, onde se encontra o Museu do Palácio — o museu mais visitado do país. Do átrio exterior e das salas de recepção até a residência do imperador no pátio interior, o desenho oferece uma visão rica do poder, da filosofia chinesa e dos rituais da vida diária. Vá ao final da tarde para evitar grandes grupos de turistas.

Seria uma negligência visitar Pequim e não ver a Grande Muralha da China, uma das Sete Maravilhas do Mundo. Felizmente, a bem desenvolvida região de Mutianyu no distrito de Huairou, em Pequim, fica a menos de 90 minutos de carro da cidade. Há 20 torres de vigia nessa área e você pode pegar um teleférico em vez de caminhar, para atravessar a muralha e descer de tobogã.

VEJA TAMBÉM: 10 melhores cidades da China para os negócios

Qin Shi Huang, o primeiro imperador da China, começou a construir a Muralha para proteger a fronteira norte dos invasores depois de unificar o país, mas a maior parte da construção foi feita durante a dinastia Ming. O outono é uma época especialmente bonita para visitar a região. As cores e o clima são agradáveis, embora aumente bastante o vento nas montanhas.

  • A Grande Muralha da China fica a 90 minutos de carro do centro da cidade e é considerada uma das Sete Maravilhas do Mundo.

  • O Hyatt Regency Beijing Wangjing Club é o primeiro hotel cinco estrelas da região. A propriedade urbana tem atmosfera de resort — uma espécie de floresta no meio da cidade.

  • O arquiteto japonês Kengo Kuma adotou elementos naturais em um interior minimalista — com samambaias, árvores e até um jardim de bambu no saguão.

  • O hotel Rosewood Beijing, localizado em frente à torre do CCTV, em Chaoyang, é considerado o auge do ultra-luxo.

  • Tons escuros e amadeirados criam uma sensação de calor em todos os espaços públicos e nos quartos do hotel Rosewood Beijing.

  • Pinturas, caligrafias delicadas e peças de assuntos mistos de artistas locais fazem parte da decoração das acomodações do hotel Rosewood Beijing.

  • O espelho d’água iluminado por velas do Sense Spa é um convite para momentos de relaxamento e cuidados em meio à cidade.

  • O restaurante The House of Dynasties em Rosewood oferece almoços almoços dim sum e receitas inspiradas por várias regiões e períodos da longa história chinesa.

  • Os hotpots do Red Bowl são perfeitos para uma refeição mais casual, ou para bater um papo descontraído com alguém,

  • Para uma experiência que mistura o antigo e o novo, o Curvy Corridor Courtyard, uma galeria de arte privativa convertida em uma moderna casa de chá e restaurante em 2015, oferece as tradicionais e discretas cerimônias de chá chinesas.

  • Nanluoguxiang, um bairro de ruas estreitas, ou hutongs, construído durante a dinastia Yuan, é um mergulho à Velha Pequim.

  • Uuma época especialmente bonita para visitar a Grande Muralha da China é o outono — as cores e o clima são agradáveis, embora aumente bastante o vento nas montanhas.

A Grande Muralha da China fica a 90 minutos de carro do centro da cidade e é considerada uma das Sete Maravilhas do Mundo.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).