Criadora do Pokémon Go planeja vender sua tecnologia

iStock
A Niantic, que foi desmembrada do Google em 2015, vem desenvolvendo uma plataforma de tecnologia para construir futuros títulos

A Niantic Labs, a startup apoiada pelo Google por trás do popular jogo Pokémon Go, planeja vender a tecnologia que impulsiona seus títulos a outras produtoras de videogames, informou hoje (28) a empresa.

LEIA MAIS: Vício em videogame é classificado como transtorno

O Pokémon Go tem sido o maior sucesso até agora entre os jogos que utilizam realidade aumentada, onde personagens digitais são sobrepostos no mundo real.

A Niantic, que foi desmembrada do Google em 2015, vem desenvolvendo uma plataforma de tecnologia para construir futuros títulos, como um jogo de Harry Potter que está produzindo com a Warner Bros Interactive Entertainment, ainda sem data de lançamento definida.

A companhia, que arrecadou US$ 225 milhões em capital de risco, deu detalhes sobre sua “Plataforma de Mundo Real” que espera que outras empresas de jogos possam usar um dia, embora não tenha dado um prazo para a venda.

O esforço é significativo porque tanto o Google quanto a Apple vêm atraindo os desenvolvedores com suas próprias ferramentas para criar aplicativos de realidade aumentada, respectivamente chamadas de ARCore e ARkit.

A Reuters também informou anteriormente que a Niantic planeja construir um mapa 3D do mundo, um componente essencial para jogos de bom desempenho, usando dados coletados das câmeras de celulares de seus jogadores.

A Niantic é uma das dezenas de empresas dispostas a fornecer ferramentas para criar aplicativos de realidade aumentada. A CB Insights, que monitora o financiamento de capital de risco, informou no ano passado que US$ 3,4 bilhões em capital de risco se concentraram em negócios de realidade virtual e aumentada.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).