Demanda por voos domésticos no país sobe 3,9% em maio

iStock
Ao todo foram transportados 7,3 milhões de passageiros em voos domésticos no mês passado, alta de 4,11% ante um ano antes

A demanda por voos domésticos no Brasil em maio aumentou 3,9% em relação ao mesmo mês do ano passado, de acordo com dados divulgados hoje (20) pela Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear). A oferta de voos domésticos subiu 5,22% na mesma base de comparação.

LEIA MAIS: Demanda por voos domésticos sobe 6,41% em abril

Segundo a Abear, o resultado do mês passado foi influenciado pela greve de caminhoneiros, que levou ao cancelamento de alguns voos, afetou a demanda como um todo e levou ainda à reprogramação de viagens que já estavam marcadas. “Estes elementos causaram o descompasso entre o que foi ofertado, que é previamente dimensionado, e o que foi efetivamente utilizado”, disse a associação em comunicado.

Com isso, o fator de aproveitamento caiu 0,98%, para 76,94% no mês passado. O dado ficou abaixo de 80% pela primeira vez em um ano e é também o pior patamar desde agosto de 2013 (74,24%).

Ao todo foram transportados 7,3 milhões de passageiros em voos domésticos no mês passado, alta de 4,11% ante um ano antes.

Apesar da paralisação dos caminhoneiros no fim do mês passado, a Abear destaca que as empresas aéreas conseguiram minimizar os impactos, com suas associadas mantendo mais de 95% dos voos que estavam planejados para o período.

Na divisão por empresas, a Gol foi a que teve maior participação no mercado doméstico em maio, com 34,92%, seguida por Latam (32,32%), Azul (18,58%) e Avianca (14,18%).

INTERNACIONAL

A demanda por voos internacionais avançou 13,02% em maio, enquanto a oferta teve alta de 17,14%. O volume total de passageiros transportados no período subiu 7,4%, para 658 mil.

VEJA TAMBÉM: Gol operou 99,4% de voos durante greve dos caminhoneiros

A taxa de aproveitamento caiu 2,96% na comparação anual, para 81,34%, o menor patamar desde março de 2016.

Em maio, a Latam liderou a participação de mercado em voos internacionais, com 70,12%. Na sequência vieram Azul (15,48%), Gol (7,26%) e Avianca (7,13%).

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).